Jornal da Praia

PUB

VERÃO E TURISMO

Terça, 11 de Setembro de 2018 em Opinião 159 visualizações Partilhar

VERÃO E TURISMO

Estamos em Julho, em plenas férias de Verão. Se for como no ano passado, as ilhas estevem estar com imensos turistas, o que é bom. Na Caldeira Velha, em São Miguel, no Algar do Carvão, na Terceira, no Centro Interpretativo dos Capelinhos, no Faial, no Museu dos Baleiros, na Lajes do Pico, deve haver tanta gente que se formam filhas de espera. São Jorge, com menos gente, deve ter aquele tipo de visitante que vai sabendo o que lhe interessa e vai à procura das Fajãs. Para as Flores vai quem gosta de paisagem e sossego; como me dizia alguém há pouco tempo: um fim de tarde na Fajã Grande, ao pôr do Sol, com um bom copo, é um céu aberto; e depois recordar o poema de Pedro da Silveira de A Ilha e o Mundo:

ILHA – Só isto: O céu fechado, uma ganhoa /pairando. Mar. E um barco na distância: / olhos de fome a adivinhar-lhe, à proa, / Califórnias perdidas de abundância.

E pensar: como isto já vai longe!

As Ilhas estão na moda e vale a pena visitá-las. Não me canso de dizer a quem não conhece a Região: vá aos Açores! Vai ver que não se vai arrepender… e começo logo a sugerir várias hipóteses de passeios, sítios a visitar, experiência a não perder.

Já fui em viagens organizadas por operadores turísticos e já fui por minha conta e risco. Neste caso organizava tudo, itinerários, locais a visitar, etc.

Nas viagens organizadas por operadores apanhei sempre excelentes guias, sem dúvida. Sempre que fiz perguntas, a informação vinha rigorosa e elucidativa. Quando perguntei por Nemésio, foi me dada a informação correcta, por exemplo. Mas penso que seria de ir mais longe. Não valeria a pena, na visita à Horta, fazer os principais itinerários descritos em Mau Tempo no Canal? Eu bem sei que Nemésio trasladou para a Horta muito da Terceira e que a fonia grafada para sugerir o sotaque do povo é o da Terceira, nas um tal programa, o dos principais itinerários de Mau Tempo no Canal feitos no Faial levaria a cair na conta de várias características da Ilha, em especial da Horta, mostraria que visitar os Açores não é vê mar, nuvens e verdes inebriantes com vacas a pastar, mas visitar uma terra com uma produção cultural rica, em especial em termos de literatura. Diz-se que a os Açores são a região do país com maior percentagem de escritores por metro quadrado.

Embora com largo atraso, atendendo à data da publicação, 2015, estou neste momento a ler o excelente romance de Joel Neto Arquipélago. Digo “largo atraso” porque em Maio deste ano o autor lançou um novo romance, Meridiano 28, que tem sido muito elogiado. O que seria natural era estar agora a ler o segundo romance, mas o meu descuido foi grande e inadmissível para quem como eu aproveita agora grande parte do seu tempo para se dedicar à leitura de tudo o que encontra que tenha a ver com as ilhas e o Arquipélago (ainda vou no princípio, li as primeiras 100 páginas) permite efectivamente um regresso a minha Terceira mais de 50 anos depois de ter saído e ver uma estória desenvolver-se com verosimilhança numa geografia, física e humana que sinto como minha. Pelo que li, na contracapa de Meridiano 28, a ilha retratada neste romance é o Faial. Vamos ver o que será que vai aparecer no próximo romance. Mas o Joel Neto nunca mais me apanha atrasado porque, para me precaver Estou a ler, como disse o Arquipélago, mas tenho já em cima da mesa o Meridiano 28.

Vem isto a propósito do aproveitamento em termos turísticos do que a literatura açoriana foi produzindo ao longo do tempo. Pensando em termos de viagens organizadas por agências, penso que os circuitos poderiam ser melhor aproveitados se a informação sobre os grandes escritores fossem tidos em conta. Bem sei que muitos dos turistas podem não ter grandes interesses literários, mas as referências a obras como as de Vitorino Nemésio, Dias de Melo, Cristóvão de Aguiar, Vasco Pereira da Costa e João de Melo, por exemplo, mostrariam uma face dos Açores que completava a visão que o turista tem das ilhas, com a sua paleta de verdes imensa, um mar de mil cambiantes, de vacas a pastar e, num ambiente deste foi possível o aparecimento de escritores de primeira água que “construíram vidas” só possíveis de ser inventadas nas nossas ilhas.

Isto por um lado; por outro, esses escritores poderiam permitir desenhar circuitos ou enriquecer a narratica de circuitos que permitiriam motivar turistas para p regresso à Região. Um percurso na Horta que tivesse como fndo a geografia de Mau Tempo no Canal, um circuito no Pico tendo como pano de fundo a literatura sobre a baleação de Dias de Melo, um circuito na Terceira que tivesse por pano de fundo a descrição da ilho que Joel Neto faz nas páginas 97-99 de Arquipélago, e mesmo toda a geografia da Terceira que o romance descreve, para dar apenas poucos exemplos. Para la de mostrar as ilhas de um modo diferente, fazias saber aos visitantes que não temos apenas pausagens e fenómenos da natureza, mas que tudo isto também permitiu, e de que maneira, a construção de obra de arte, de cultura, de uma riqueza imorredoira e universal. Bem sei que também temos o reverso da medalha: temos a mais alta tacha de abandono escolar, muita iliteracia; mas em contrapartida, talvez não haja nenhuma região do país percentualmente com tantos escritores, alguns deles verdadeiramente grandes.

Silveira de Brito

NE: Artigo originalmente publicado no “Diário dos Açores”, de 15 de Julho de 2018, Ano 149, Nº 41.618, p. 13 e republicado na edição impressa do Jornal da Praia n.º 527 de 24.08.2018