Jornal da Praia

PUB

“ESTADO NÃO PODE LAVAR AS MÃOS”, DIZ CATARINA MARTINS ACERCA DOS DESPEJOS NO BAIRRO DE SANTA RITA

Segunda, 10 de Setembro de 2018 em No Concelho 59 visualizações Partilhar

“ESTADO NÃO PODE LAVAR AS MÃOS”, DIZ CATARINA MARTINS ACERCA DOS DESPEJOS NO BAIRRO DE SANTA RITA

A coordenadora do Bloco de Esquerda (BE), Catarina Martins, considera que “o Estado é cúmplice e não pode lavar mãos” perante a situação de injustiça que os moradores do Bairro de Santa Rita estão a viver. Catarina Martins esteve hoje com os moradores e manifestou solidariedade e apoio.

A líder nacional do BE salienta que o atual “imbróglio jurídico” foi criado pelo facto de as autoridades norte-americanas e portuguesas – regionais e nacionais – terem permitido uma informalidade absoluta de relações entre os proprietários dos terrenos e os inquilinos, que “desprotegeu as pessoas que pagaram a sua casa, e que construíram aqui a sua vida”.

Recorde-se que, perante o início de uma vaga de despejos no bairro, o BE apresentou, em junho, uma proposta no parlamento dos Açores para parar os despejos e permitir uma intervenção que proteja o direito à habitação. Sob a forma de Projeto de Resolução, a iniciativa vai a votação na sessão plenária deste mês de setembro na Assembleia Regional, agenda para o período entre 18 a 22, na cidade da Horta.

“É preciso encontrar uma solução que garanta o direito à habitação destas famílias, e que proteja quem cumpriu as suas obrigações de boa fé”, afirmou Catarina Martins, à margem de uma reunião com a comissão de moradores do Bairro de Santa Rita.

A Coordenadora do Bloco de Esquerda denunciou também a falta de monitorização da evolução da saúde dos trabalhadores da Base das Lajes: “Assumimos que há um problema ambiental provocado por combustíveis, mas os trabalhadores que estão mais expostos não têm um rastreio da sua saúde ao longo do tempo”, afirmou.

Catarina Martins, que reuniu, hoje de manhã, com a Comissão de Trabalhadores da Base das Lajes, exigiu que seja cumprida a lei no que diz respeito ao acesso à medicina no trabalho: “Estamos em território português, o Estado não pode fechar os olhos ao cumprimento da lei”.

“Precisamos de saber qual é o impacto na saúde destas pessoas”, concluiu.

Agendada para amanhã, está uma reunião com o presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória, que terá lugar pelas 09:30. A audiência da líder bloquista com o presidente do Governo dos Açores, que inicialmente constava desta visita ao arquipélago, foi entretanto cancelada, tendo em conta o falecimento no passado sábado de Helena Lopes da Silva, fundadora do BE, e sessão de homenagem que lhe será prestada, na qual participará Catarina Martins.

GC-BE/JP