Jornal da Praia

PUB

VISTA DE ANGRA

Sexta, 07 de Setembro de 2018 em Opinião 156 visualizações Partilhar

VISTA DE ANGRA

Ao confrontar-se com a imagem que a fotografia acima apresenta qualquer terceirense é levado à conclusão de que se trata da cidade património mundial de Angra do Heroísmo, não obstante se poder levantar dúvidas se a paisagem se encontra nas devidas proporções. Também podia dizer que a imagem é linda, mas nunca que é única, visto que se a fotografia fosse tirada da serra da Praia da Vitória, ou mesmo da Serra do Cume qualquer pessoa ficaria também altamente impressionada com a beleza e encanto da paisagem retratada, não obstante também poder haver distorções.

Na realidade, o que existe no mundo, a realidade, o que identificamos como verdadeiro é factual, visto ser uma construção de nós mesmos, neste caso do fotógrafo. Algo de semelhante se passa na nossa vida, que depende muito, senão totalmente, daquilo em que nos empenhamos, do que valorizamos, e de não nos deixarmos ir pelas esparrelas, armadilhas, contradições, as tais distorções.

Por isso vamos a estas. Quinta – Rotulagem, que consiste na atribuição de traços negativos que englobam a pessoa completamente, esquecendo ou mesmo anulando, respectivamente, todos os caracteres ou aspectos positivos existentes. Quem rotula, habitualmente faz afirmações abrangentes, ou é capaz de chamar nomes aos outros ou até a si próprio, com base em coisas que podem ter acontecido uma vez, ou num determinado contexto (Kannis, Dymand & Carter, 2015), e que portanto não são gerais.

Se o faltou a uma prova, ou se alguém chega habitualmente atrasado ao emprego, isso não significa que se trate de um maluco, de um falhado ou bobo. Não podemos generalizar uma característica de uma pessoa num determinado contexto a todo o ser, ou a todas as situações. Acontece que esse alguém até se pode comportar mal numa situação, mas isso não indica, por exemplo, que seja mentecapto no seu todo, ou em todas as situações. As generalizações de uma, ou de algumas situações a todas as outras acarretam, de forma geral, ignorância ou imprecisão, e devem-nos merecer o maior cuidado.

Entretanto isto não quer dizer que individualmente não se justifique reflectir-se quando dizemos ou fazemos algo, visto que, como diz o ditado, «quem não quer ser lobo não lhe vista a pele», ou ainda, «quem não quer sofrer contrariedades não se meta em perigos». E são as contrariedades, e as sensações de perigo que aumentam o stress, e nos podem levar à ansiedade, ao medo, à fúria, ao isolamento e até à depressão. Veja-se o caso de alguém que quando foi estudar para Lisboa, os colegas, nomeadamente os do Porto descobriram que não gostava que lhe perguntassem se era “corisco”. E não gostava e afinava com isso mesmo, tanto mais que era natural da Terceira, e não de S. Miguel, onde aquele epíteto é mais usado, e que traduz a ideia da pessoa ser safada, traquinas.

Mas igualmente se zangava quando o tratavam por “rabo torto”, expressão que se atribuía sarcástica e humoristicamente aos habitantes da sua terra natal, aquela ilha do grupo central, onde existiu um cão de fila com características peculiares, que não só ajudava a conduzir os rebanhos, inclusive do gado bravo, como era bom na guarda e no ataque. A coisa tornou-se feia quando um dos colegas tomou a liberdade de, no Campo Militar de Santa Margarida lhe chamar, em tom de troça uma daquelas alcunhas dos Açorianos, o que o levou a ripostar à letra com um murro na cara, de que resultou todos os Continentais lhe caírem em cima a agredi-lo.

A safa foi ter aparecido alguém responsável que acabou com a luta. E hoje o já não afina com provocações deste género. Quando se interage com alguém que se ama, irrita ou mesmo frustra, o objectivo que se recomenda não é o afastamento dos seus pensamentos e sentimentos, visto que isso é impossível, mas sim, como defende Chernoff & Chernoff (2017), ser capaz de mudar a resposta a estes, compreendendo-os em vez de os julgar, e aprendendo a lidar com os outros compassivamente, haja o que houver.

Referências:
Kannis-Dymand, L. & Carter, J. D. (2015). Como viver sem ansiedade: Um sistema simples para ultrapassar a ansiedade generalizada e a preocupação crónica. Lisboa: Editora Pergaminho.
Chernoff, M & Chernoff, E. (2017). Salvado em 19 de Dec. de Fonte: Marc and Engell Hack Life. Tema: 40 Quotes for Coping with Things You Can’t Control. Website: www.marcandangel.com/2017/09/04/40-quotes-for-coping-with-things-you-can’t-control/.

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 527 de 24.08.2018