Jornal da Praia

PUB

AS FESTAS, SEU VALOR E PESADELOS

Segunda, 03 de Setembro de 2018 em Opinião 214 visualizações Partilhar

AS FESTAS, SEU VALOR E PESADELOS

Nestes dias preocupantes que vamos atravessando, cada vez mais receosos, urge fazer considerações oportunas sobre o tipo de eventos a realizar e os custos daí advenientes a pagar.

Os actos de vandalismo primário, de desrespeito pelos outros e pela segurança, peça essencial das comunidades, implicam a necessidade de uma nova maneira de ver e viver a vida nocturna e as festas.

Somos, por natureza, contra a violência, a permissividade e a indiferença, a abulia dos cidadãos conformados e resignados com tudo o que nos circunda. Nada é connosco, porque tudo é sempre com os outros. A culpa nunca é nossa, pertence aos outros e cada um que se governe. Ora Jean-Paul Sartre, filósofo de esquerda, muito conhecido, já pensava que a origem do mal estava em cada um de nós. Como se sabe, tomou parte nas manifestações revolucionárias do Maio 68, em Paris, e lutou ao lado dos trabalhadores, dos oprimidos e dos deserdados da sorte.

Pelas suas ideias vemos que nunca defendeu nem contemporizações nem promoções de coisas fúteis, mesquinhas, ou vernizes sociais. Isto está bem patente na sua patética recusa do prémio Nobel de Literatura que lhe fora atribuído.

Nos nossos dias, fala-se muitíssimo de populismos, fanatismos, pretensiosismos, mas poucos se dão ao trabalho de desvendar as suas causas e consequências. Entre nós temos poucos, sendo de salientar o filósofo José Gil, que estudou na Sorbonne, em França. No seu último livro «Caos e Ritmo» analisa o fenómeno do populismo, o qual tem sido muito escalpelizado por pensadores franceses, por motivos fáceis de entender.

É preciso saber as razões do populismo e agir em conformidade com as conclusões tiradas pelos especialistas. Cenas repugnantes de alarvice e insegurança, praticadas em países ditos defensores da democracia e da liberdade são intoleráveis. Assim, a segurança impõe-se como primordial importância, constituindo a pedra angular de qualquer sociedade digna desse nome.

Muitos de nós pela experiência colhida das nossas vivências pessoais e, sobretudo, pelos pesadelos, instabilidade e abandono de sólidos padrões de comportamento, já começamos a recusar, convictamente, o valor das festas e desta “democracia”, quando estas duas últimas em vez de alegria e felicidade nos trazem dissabores, vómitos, noites e dias mal dormidos.

Inverteram-se drasticamente as horas dos festejos com prejuízo da maioria. Para alguns é até chique e modernaço começar pela meia-noite e só acabar às 8 horas da manhã seguinte, cambaleando o bêbedo com uma forte carraspana, à saída do parque de diversões, e com a inevitável ressaca a perdurar nas restantes 16.

Veja-se o triste e degradante espectáculo de centenas (milhares) de garrafas e outro lixo espalhado nos espaços públicos, quando se sai de casa para o trabalho. Isto vê-se por todo o país. Muitos gostariam que ele fosse um belo jardim e não uma lixeira à beira-mar plantada.

E nos Açores, com a sua dita “autonomia”, a trair-nos a esperança cada dia que passa, para onde caminhamos? Será que disso estamos imunes? Sinceramente, não sei se a pacatez (ou a sensatez) dos açorianos resolverá os vandalismos cobardes feitos pela calada da noite. O que se passou, nas últimas semanas, com os pesados prejuízoz na zona marginal às baías de Angra e na conspurcação da piscina da Caldeira das Lajes, concelho da Praia da Vitória, são graves e envergonham as pessoas honestas e amantes da nossa ilha.

Os actos de selvajaria são indignos de uma sociedade livre (não libertina) e democrática (não autocrática ou perversa) exigindo da justiça, que tem de ser célere e eficaz, uma mão pesada. Somos a favor das festas, sim senhor, mas com civismo. Quem quiser expandir as suas fantasias, frustrações ou traumas, fazendo aquilo que bem lhe apetece, está no seu pleno direito de o fazer, desde que não seja nos espaços públicos, muito menos provocar danos em coisas que são de todos. Poderá utilizar recintos adequados e estar à sua vontade sem chatear os outros.

Exige-se que as autarquias locais estejam, também, mais atentas ao cumprimento das posturas municipais, aprovadas por todas as assembleias concelhias, contra a poluição sonora ambiental, perturbadora do sono dos que estão doentes ou a trabalhar. Os concertos deviam acabar, às duas horas da manhã, e depois dessa hora a vigilância policial devia aumentar, a fim de se pôr cobro a eventuais desmandos, ou abusos de álcool e droga, como se faz em muitos países, nalguns casos com a colaboração dos cidadãos, como já observei.

O Governo Regional e o partido dito socialista não deviam ter autorizado até agora a venda de bebidas alcoólicas aos menores com 16 anos, quando antes a idade legal era 18, não estando os dois isentos de responsabilidades pelo que vem acontecendo. Felizmente, já emendou o erro cometido, esperando-se que esta mudança seja em prol da segurança dos cidadãos.

Não se pode tolerar mais que meia dúzia de energúmenos, cuja intenção é apenas destruir e apoquentar os outros, venham conspurcar espaços de convívio ou para a prática desportiva e provocar danos patrimoniais.

António Neves Leal

NE: Artigo originalmente publicado na edição impressa n.º 526 de 03 de agosto de 2018.