Jornal da Praia

PUB

EMIGRANTES

Domingo, 02 de Setembro de 2018 em Opinião 749 visualizações Partilhar

EMIGRANTES

Por esta altura, os emigrantes regressam a casa e trazem muito mais do que aquilo que algum dia levaram da sua terra. O português inglesado impera em conversas de reencontro e de demonstração afetiva de uma saudade que mora nos corações destes nossos irmãos. Mais do que saudade, esta gente vive numa angústia permanente de regressar à sua casinha dos tempos de meninice ou à casa reconstruída, deixada em herança ou comprada pelos dinheiros da terra de todas as oportunidades.

Em qualquer caso, regressam felizes, quase sempre já tristes porque o tempo parece passar mais rápido aqui do que na terra que escolheram viver. Trazem abraços e beijos para família e amigos, que ficaram e não partiram. Nos olhos trazem um brilhar tremendo que quase sempre foge à lágrima solitária que se tenta esconder, mas que cedo se torna em rio de felicidade. Trazem na bagagem a lembrança do que já foram e já não são, porque o lugar faz a pessoa e sem a nossa terra passamos a ser outra coisa por obrigação. Trazem na memória os sítios por onde andaram, os lugares onde brincavam, as pessoas com quem falavam, os sabores e cheiros que os fizeram ser de cá como nós também somos. Não deixam de ser do nosso povo, apenas pediram dispensa do paraíso.

Alguns emigrantes vão voltando, depois de terem filhos e netos, sem a idade perdoar. Se antes regressavam no calor da idade, começam a regressar já velhos, procurando a calma e o conforto que só a terra de nascença dá. Já velhos, vêm com uma visão renovada do mundo, sem nunca esquecer de onde são e porque saíram. Vêm sedentos de ver as caras novas, das crianças de antigamente, que hoje são adultos, alguns casados e com filhos. Sentem um aconchego na alma por saber que o tempo é fiel à vida, e que por isso, as crianças que viram a gatinhar e a chorar, são hoje jovens maduros, com vida construída e estável.

Regressam no calor do verão, e vão a festas, a cantorias, a procissões e a touradas. No arraial da festa são acarinhados e o colega do antigamente, que ficou, dá um abraço apertado e sentido ao amigo que reencontra, que está fora há mais de trinta ou quarenta anos. Conversam longamente, lembrando histórias do passado. Celebram os nascimentos dos conterrâneos e lamentam a morte daqueles que conheceram. Bebem e comem as iguarias da sua terra bendita. Lembram o dia do seu casamento na igreja da freguesia e os beijos dos pais na hora de dormir. São mensageiros do mundo, que levaram longe, e de forma honrosa, o sentimento de todo um povo. Na hora de regressar sentem-se rejuvenescidos e preparados para viver uma outra vida.

Muitos destes nossos irmãos não se reformam para voltar de vez. A vida que escolheram obrigou-os à responsabilidade, por isso regressam aos Estados Unidos ou ao Canadá porque lá moram os seus filhos e netos. Gente de nova pátria, que não esquece a dos avós. A grandeza das nossas ilhas não se coaduna apenas com os nossos Açores de aqui. Esta grandeza transborda para o mundo porque os nossos emigrantes fizeram dos Açores um lugar do mundo.

Na hora de ver os emigrantes a regressar à sua casa primeira, sentimo-nos obrigatoriamente contentes porque o ar de alegria que trazem no rosto é a maior prova de que nunca esquecerão o seu porto de abrigo.

Emanuel Areias

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 526 de 03 de agosto de 2018