Jornal da Praia

PUB

MANGA OU MANGÁ?

Sábado, 01 de Setembro de 2018 em Opinião 202 visualizações Partilhar

MANGA OU MANGÁ?

Manga com certeza, dado que mangá corresponde, de acordo com a Wikipédia, à palavra japonesa utilizada para designar histórias em quadradinhos, ou de banda desenhada, feita ao estilo daquele país, e ao som da palavra com que se designa manga no Brasil. Manga é pois o fruto semelhante ou igual ao que a fotografia representa, produzido pelas mangueiras, plantas de porte arbóreo e de copa densa e frondosa, que podem atingir várias dezenas de metros.

Embora as mangueiras necessitem de muito calor para se desenvolverem, adaptam-se facilmente a climas diversos. Por exemplo, a da fotografia corresponde a um exemplar existente na zona pedrada do Porto Martins, que se apresenta carregada de frutos, não obstante ser uma planta novinha, e a sua altura actual pouco ultrapassar um metro. E escolheu-se para fotografia uma mangueira com as suas mangas, e não exemplos de mangás, porque o fundamental, o que se quer aqui valorizar é, respectivamente a possibilidade de frutificação, e de florescência do bem, para aqueles que as cultivam e comem, e também para aqueles que seguem os Cantinhos.

Naturalmente que esta florescência dificilmente se realiza para quem se deixa enredar pelas distorções cognitivas como as referidas, e as que se continuam a apresentar. Terceira – Leitura Mental, que diz respeito àquele que, sem provas evidentes acha que sabe o que os outros pensam, ou sentem. Frequentemente basta um tique, um fechar de olhos, uma careta, um movimento de ombros para alguém interpretar como falta de amizade, desprezo, desconsideração, más intenções, discordância, afectação, inoportunidade, o que pode até não corresponder à verdade.

Vai-se ao ponto de presumir que o outro, por ter motivos e intenções ruins a nosso respeito, cogita coisas negativas, das quais até nos temos de defender. Pode até acontecer que se projecte no parceiro o que se passa na nossa mente, o que habitualmente não está correcto. O stress pode começar aqui, nesta magia inconsequente daqueles que julgam saber ler os pensamentos dos outros, quando isto a ocorrer é algo de muito excepcional. Aliás os pensamentos são algo de cada qual, e aquilo que nos compete é respeitá-los. E não são factos, mas unicamente ideias que frequentemente vão, mas que habitualmente não voltam.

Quarto – Catastrofização, equivalente ao acto de se exagerar as consequências negativas dos acontecimentos ou decisões. As pessoas catastrofizam quando pensam que poderá acontecer o pior de uma acção ou situação particular, ou quando sentem como estivessem no meio de uma catástrofe, em situações que podem ser graves e preocupantes, mas que não são necessariamente desastrosas (VandenBos, 2007). Quem catastrofiza acredita que um acontecimento é terrível e insuportável. E a tendência para catastrofizar pode aumentar desnecessariamente os níveis de ansiedade e conduzir ao comportamento desajustado.

Na catastrofização não só se imagina que um resultado negativo pode acontecer, como se o interpreta como se fosse uma catástrofe. A pessoa passa a ser incapaz de se empenhar nalguns dos seus projectos, limita-se na obtenção de novos conhecimentos, e baliza a vida e o futuro. E quando as coisas começam a piorar lá aparece o stress e a ansiedade. Enfim, o que se pode dizer aqui é que, em muitos casos da nossa vida «precisamos de quebrar as regras de algumas das certezas, o que não é imprudência, é», no dizer de ByNina (2016), «liberdade». Porque, de acordo com a mesma autora, «temos e devemos criar as nossas próprias excepções», na medida em que «faz bem à alma».

Entretanto, nos dias de hoje, a maioria dos eventos não se mostra tão catastróficos porque, como afirmou Schreiner, (2013) «não há leões e jacarés a esperar por todos os cantos». Um ponto de vista mais equilibrado consiste em prever uma gama mais completa de resultados, incluindo os bons, susceptíveis de permitir viver mais feliz, com menos stress, e em que se aproveitam mais oportunidades para influenciar e deixar-se levar pelo mundo. Lembra-se que, embora a vida seja de incertezas é sempre possível calcular alguns riscos e, com aplicação e esforço, fazer o necessário para não se cair nas catástrofes.

Referências:
ByNina, (2016). Salvado em 04 de Dec. de Fonte: Tumbic. Tema: Quebrar as Regras. Website: http://bynina.tumblr.com/post/142209379426/quebrar-as-regras-de-algumas-de-nossas-certezas.
Lovelace, R. T. (1990). Stress master: A complete program to eliminate negative stress, change inaccurate and destructive thinking, and manage your moods. New York: John Wiley & Sons.
Schreiner, M. (2013). Salvado 06 Dec. de fonte: Cathastrophizing. Tema: Cognitive Behavioral Therapy. Website: https://evolutioncounseling.com /author/admin/.
VandenBos, G. H. (2007). APA dictionary of psychology: Emotion. Washington DC. American Psychological Association.

Aurélio Pamplona

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 526 de 03 de agosto de 2018