Jornal da Praia

PUB

Cristóvão da Silveira – o evangelizador

Quarta, 03 de Abril de 2013 em Opinião 1563 visualizações Partilhar

Cristóvão da Silveira – o evangelizador

Há exatos 400 anos, a 13 de março de 1613, nascia o terceirense D. Frei Cristóvão da Silveira, religioso da ordem dos eremitas de Santo Agostinho, 12º arcebispo de Goa e Primaz do Oriente.

D. Frei Cristóvão da Silveira nasceu em Angra do Heroísmo há 4 séculos, filho de Cristóvão de Lemos e Mendonça e de D. Inês da Silveira Borges. É provável que tenha sido aluno e discípulo dos padres de Santo Agostinho do Convento da Graça (no Alto da Covas, onde hoje foi construída a Escola Infante D. Henrique), com os quais fez os primeiros estudos preparatórios. Aos 18 anos, a 14 de outubro de 1632, Cristóvão da Silveira professou o sagrado instituto de eremita de Santo Agostinho, no Convento de Nossa Senhora da Graça, em Lisboa.

Cristóvão, ainda no Convento da Graça, em Lisboa, tornou-se um excelente aluno e depois orador e professor respeitado. Em 1656, foi nomeado Reitor do Colégio de Santo Agostinho de Nossa Senhora da Graça, em Coimbra. Escreveu vários manuscritos em latim, entre os quais se destacam o Curso de toda a philosophia e um Tratado da sciencia de Deus, que até hoje se encontram no Convento lisboeta da Graça.

Já durante a regência de D. Pedro (futuro D. Pedro II), em nome de seu irmão D. Afonso VI, D. Frei Cristóvão foi nomeado arcebispo de Goa e Primaz do Oriente, pedido aceite e confirmado através da bula papal Gratie Divinae Premium de Clemente X de 22 de dezembro de 1670. A consagração do novo prelado de Goa ocorreu um ano depois, a 7 de junho de 1671, no Convento da Graça, em Lisboa, onde havia estudado.

D. Frei Cristóvão da Silveira tomou posse da sua nova arquidiocese através do seu procurador e eremita agostiniano Frei António de Carvalho. Só então partiu para Goa na armada do capitão-mor João Correia de Eça. Durante a viagem para o Oriente, o novo arcebispo de Goa ficou doente, falecendo a 9 de abril de 1673 (há exatos 340 anos).

Quando a armada chegou a Goa, o corpo do novo Primaz do Oriente foi desembarcado na arquidiocese de Goa que nunca chegara a conhecer. Foi então sepultado na capela-mor da Sé Catedral de Santa Catarina (considerada a maior igreja construída pelos portugueses). No seu túmulo encontra-se o epitáfio: Aqui jaz D. Frei Cristóvão da Silveira, religioso de Santo Agostinho, natural da ilha Terceira, XII Arcebispo de Goa, Primaz da Índia e do Conselho de Sua Alteza. Faleceu vindo para este Estado, aos 9 de abril do ano de 1673, tendo de idade 59 anos.

O historiador terceirense Pe. António Cordeiro, membro da Companhia de Jesus, autor da Historia Insulana (1717), tendo sido conhecido e conterrâneo do arcebispo de Goa, chegou a escrever que “entre os famosos varões que da cidade de Angra têm saído deva ter lugar insigne o Ilustríssimo e Reverendíssimo Senhor D. Frei Cristóvão da Silveira”.

Na atualidade não devemos ter medo de ir atrás dos nossos sonhos, mesmo que isso signifique caminhar em terrenos desconhecidos. O sangue terceirense que corre em todos nós, deve lembrar-nos dos nossos antepassados, que lutaram por uma sociedade melhor e mais justa e nós não podemos, nem devemos esquecer isso, é o tempo de arregaçar mangas e lutarmos com o mesmo empenho e motivação que os nossos egrégios avós.

 

Texto/ Francisco Miguel Nogueira | franciscomgl@gmail.com