Jornal da Praia

PUB

PRORROGADO PRAZO DO INQUÉRITO À ALEGADA INTEFERÊNCIA NA EVACUÇÃO AÉREA DE DOENTES

Quarta, 29 de Agosto de 2018 em Atualidade 159 visualizações Partilhar

PRORROGADO PRAZO DO INQUÉRITO À ALEGADA INTEFERÊNCIA NA EVACUÇÃO AÉREA DE DOENTES

O presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, autorizou ontem, a prorrogação até 7 de setembro do prazo para a conclusão do inquérito relativo às evacuações aéreas de dois doentes das ilhas de São Jorge e da Graciosa, que ocorreram a 02 de fevereiro de 2017, informa uma nota do Gabinete de Apoio à Comunicação Social do Governo açoriano.

Os factos remontam a 02 de fevereiro de 2017 e foram denunciados pelo jornal “Diário dos Açores”, na sua edição impressa de 07 de agosto. Segundo escreve o jornal, alegadamente a presidente do Conselho de Administração do Hospital Santo Espírito da Ilha Terceira (HSEIT), Olga Freitas, terá interferido no sentido de dar primazia à evacuação de um dos doentes, seu familiar, face à existência de dois pedidos de evacuação em simultâneo: uma criança na Graciosa com necessidade de encaminhamento para urgência pediátrica e um doente de São Jorge destinado ao serviço de neurologia.

A equipa médica responsável pelas evacuações terá decidido proceder ao transporte por helicóptero dos dois doentes em simultâneo para o Hospital do Divino Espírito Santo de Ponta Delgada, já que o equipamento de TAC do HSEIT encontrava-se avariado. Mas segundo avança aquele diário micaelense, a decisão não terá agradado Olga Freitas, que interveio no sentido de dar prioridade ao doente de São Jorge. A médica responsável pelas evacuações, inconformada, apresentou por escrito uma queixa à secretaria regional da Saúde.

Perante a notícia, o presidente do Governo dos Açores, mandou de imediato instaurar um processo com caráter de urgência e prazo de finalização até 31 de agosto à Inspeção Regional de Saúde, no sentido do apuramento detalhado e exaustivo de todas as circunstâncias que rodearam a situação.

O prazo foi agora prorrogado por solicitação da Inspeção Regional de Saúde e resulta “dos argumentos invocados nas sucessivas etapas deste inquérito, mas também do caráter urgente com que foi determinada a sua realização”, sustenta a nota.

A necessidade de organizar todo o processo, nomeadamente a transcrição das declarações de todas as testemunhas e de todas as chamadas telefónicas gravadas no Serviço Regional de Proteção Civil e Bombeiros dos Açores, foram alguns dos argumentos invocados.

O despacho refere ainda que, para além de todas as outras questões que a Inspeção Regional de Saúde considere, no seu livre critério, relevantes para o total e cabal esclarecimento das circunstâncias que envolveram essas evacuações médicas, é imprescindível o esclarecimento de uma série de aspetos.

Entre os aspetos a esclarecer consta a cronologia dos factos relativos a cada um dos doentes, desde a sua sinalização na ilha de origem até à sua chegada à estrutura de saúde de destino, assim como a identificação de todos os intervenientes nesse processo, bem como o sentido das decisões por eles tomadas.

Além disso, o despacho do presidente do Governo pretende uma avaliação rigorosa do cumprimento ou incumprimento dos procedimentos estabelecidos para esse tipo de evacuações médicas, em especial as situações em que os mesmos possam não ter sido cumpridos, em que circunstâncias e por quem.

A 14 de agosto, o jornal “Diário dos Açores”, volta ao caso do “desvio” do helicóptero, colocando em manchete “Secretário da Saúde ignorou pedido da Proteção Civil para abrir inquérito”. Segundo desenvolve,   a tutela não sentiu necessidade de proceder à averiguação dos factos, porque ambos os doentes haviam sido atendidos.

JP – Online