Jornal da Praia

PUB

SUPERAÇÃO E DESCOBERTA

Quinta, 09 de Agosto de 2018 em Opinião 356 visualizações Partilhar

SUPERAÇÃO E DESCOBERTA

Gustavo sabia que ir para Lisboa não seria fácil. Tarefa árdua, o suor havia de correr e a barriga iria doer como nunca, pela dificuldade na adaptação e as saudades mordazes. Era um jovem maduro, que amava a sua zona de conforto e nunca tinha sentido a necessidade de expulsar de si o meigo controlo dos pais. Partia para a universidade com a noção de que não se tratava de uma fuga à família, mas de uma necessidade atroz de desenvolvimento pessoal.

Não era pessoa de procurar escapes às dificuldades nem tentar o caminho mais fácil. A cidade que tinha escolhido era Lisboa e o curso era Filosofia. Embora os professores do Secundário lhe tivessem quase exigido a seguir Direito, os pais sempre lhe lembraram que era livre para tomar as suas decisões e arcar com as consequências dos seus atos. Gustavo saía dos Açores com a dúvida existencial perto do peito – será que algum dia voltaria?

A partir do momento em que aterrasse no aeroporto da Portela, Gustavo passaria a ser um só. Começava aí a viver uma história de superação e de descoberta da pessoa que realmente era. A escolha do curso facilitava-lhe a vida e ajudava-o a pensar para além daquilo que o coração sentia ou os olhos alcançavam. Tinha sido um miúdo muito próximo da sua comunidade ao longo da juventude e pertencera aos escuteiros ou à equipa de futebol da freguesia.

Como é que um jovem tão caseiro e amado pela comunidade que o venerava, se veria agora, no meio da cidade, perdido de importância e de respeito?

Era o caminho que tinha escolhido e via-se obrigado a construir um novo eu.

Nos primeiros dias, sentia o sufoco de andar no metropolitano e a falta do ar limpo do campo. As pessoas encaixavam-se nele, ocupando cada centímetro do ar, que na ilha era dele por direito.

Tornou-se um observador social atento da vida citadina, mesmo que não tivesse de se vender à vida rotineira e doentia. O metropolitano gerava-lhe uma atenção diferente. Era um espaço incomum, onde as pessoas pareciam comandadas, sem ver o sol do dia, ao ir e ao vir do trabalho. O dia caía sobre as pessoas como se fosse uma espada sobre as suas cabeças. A noite fechava se, solitária, sem se importar com o pobre mendigo da rua.

Para Gustavo a cidade simbolizava a falta de humanização das pessoas e acreditava que o campo transformava o ser. Muitas vezes antes de se deitar

escrevia sobre o seu dia e sobre as saudades que sentia da sua casa, família e amigos. Como bom filósofo que já era, um dia, refletiu sobre o papel dos Açores na humanização dos homens e escreveu palavras duras face à realidade que tinha acabado de conhecer. Na página do seu diário surgia:

Açores como último reduto da humanidade portuguesa

 “Tenho a sorte de fazer longas viagens de metro, o que me permitiu conhecer a vida subterrânea de muitos portugueses. Não me recordo de episódios estranhos, mas recordo-me de vislumbrar nessa rotina, um objeto de estudo sociológico e comportamental, da sociedade e do indivíduo. As pessoas não olhavam umas para as outras. As pessoas abusavam do jornal gratuito que é dado nas estações, esmagando-o e amachucando-o, depois de verem as imagens ou fazerem a sopa de letras mentalmente. Sinal da irritação diária, de uma vida selvagem.

Nessa rotina subterrânea, a humanidade escasseava. Não abundava comportamentos de boa educação, de um passou bem ou de um bom dia de lábios alegres e olhos risonhos. A humanidade dos indivíduos reduzia-se ao caminho que tinham que percorrer de casa ao trabalho e vice-versa, sem que houvesse manifestação de que se tratavam de seres humanos.

Caminhar debaixo da terra era um sinal de isolamento necessário, de quem não aborda a pessoa do lado, devido a uma necessidade agoniante de não dar nas vistas e de não criar um problema, pela troca de olhares ou pela comunicação verbal. Esta vida servia-me de exemplo do que não seria uma boa sociedade e do que não seriam bons cidadãos. Fui consumindo a decadência dos homens, que via diariamente, duas vezes por dia, nas horas de ponta, aflitivas e angustiantes. Quem não está habituado a essa doença citadina, morre por dentro e torna-se um ser pessimista. Talvez, assim, se explique um certo pessimismo que nutro. Depois há o comentário daquele que está inserido nesta realidade e não vê problema, pela adaptação vincada ao meio – as ilhas é só borga e as pessoas perdem tempo a falar umas com as outras.

Pois bem, ainda bem que os Açores são o último reduto da humanidade de Portugal. Ainda bem que os Açores são essa aldeia da borga, da comunidade, da festa e do associativismo sem organização profissional. Ainda bem que nos Açores não há o decadentismo da cidade perdida nas suas rotinas e desilusões, nem o calor abrasador que mata pensamentos e faz explodir ideias.”

Gustavo não se vitimava perante a sua situação distinta, face aos amigos que fizera na universidade. Como o seu tio João dizia – essa é a tua tropa. Diariamente vivia uma superação, quer fosse pelo que lhe fazia falta, quer fosse pelo que ganhava e não queria. O pessimismo solitário, a saudade enraizada, a rotina imponente ou a solidão. Eram nomes do meio da sua existência.

Quando se lembrava da sua Terceira, telefonava para os seus pais e ouvia as boas novas que havia para saber. O vizinho Pato António morreu e deixou as galinhas por conta do avô Humberto, a festa de Agosto vai ter cantadores da América e do Canadá e o amigo Felismino apanhou umas lapas, que os pais guardaram para quando ele fosse lá nas férias. Quase todas as semanas lembrava-se das longas horas que passava no palheiro do vizinho Pato António, a ouvir histórias do antigamente e sobre a arte de bem cultivar a terra. Depois de saber da sua morte nunca mais dormiu bem. As insónias tomavam-no os sonhos.

Para além de ter de conviver com um certo gozo comum entre os continentais face ao seu sotaque vincado, Gustavo era um verdadeiro sobrevivente. Não sabia cozinhar e não podia saborear as refeições, que a sua mãe todos os dias até ao dia da partida para Lisboa, fizera. Ficou preso aos snacks e às refeições da cantina da escola, se bem que a sopa quase nunca tinha sal e o frango estava sempre salgado.

Gustavo ia para as aulas de Filosofia e julgasse intimamente. Achava que não pertencia à cidade onde estava. Achava que não era daquele país. Sentia-se longe da noção do que era ser português. Esse receio íntimo que ia sentindo, ao mesmo tempo que sentia a falta da ilha e do espírito da terra natal, fê-lo inaugurar uma nova vaga de escritos no seu diário. A Filosofia ajudava-o a moldar os pensamentos e a definir as metas que queria atingir. Estar em Lisboa era uma obrigação existencial, mas podia regressar logo que garantisse o sucesso da sua missão. Associado a essa missão, Gustavo podia autoconhecer-se melhor e definir a sua identidade pessoal finalmente. Era convicto de que sair da sua zona de conforto tinha um benefício – iria ser mais açoriano do que era antes.

Entre pensamentos e trabalhos da universidade, Gustavo escreveu numa folha a frase da sua vida:

É intrínseco ao ilhéu não se desenraizar para

sempre. Apenas se ausenta, para depois voltar.

A partir desse pensamento, o rapaz soube vislumbrar que Lisboa significava a descoberta do que era sem saber. Era um terceirense na génese, no seu interior, e um açoriano no seu exterior. Ser português era uma indefinição para si. Uma retórica em forma de pergunta que fazia a si mesmo. Não se identificava como um e sentia-se desenraizado na terra da sua missão. Deu azo à imaginação e num texto cru e frio, sobressaiu este excerto:

 “Em Portugal, tornei-me açoriano. A identidade ganhou um impulso, porque saí de uma zona de conforto. Ser terceirense tornou-se a base do que sou, o espírito total da minha pessoa, ser açoriano foi o exterior de toda essa força interior.”

O jovem viu-se tentado a terminar o texto tratando da ideia do que era ser português. Lembrou-se da frase – “O bom tempo que já passei no Continente, fez-me ter espaço em mim, para aceitar o ser português” – porém, continuava sem ter esse espaço para se sentir do país, mas somente da região. Vivia quase esse absurdo da existência, mas era legítimo que pensasse assim. Tinha a noção de que algum dia poderia acabar um texto com a frase que tinha pensado e aceitar ser português. Ainda não era o momento.

A sua estadia em Lisboa amadureceu-o as ideias, mas nunca o cativou a aceitar Portugal na esfera da sua identidade. Deixou escrito na última página do seu diário de viagem:

 “Vejo que Lisboa não é o lugar que eu quero para mim. É o lugar que me viu amadurecer, mas é o lugar que me cansou e me desgastou. No fim da etapa, eu quero regressar à minha ilha e à minha casa. O tempo útil que a vida nos dá para viver implica que seja devidamente aproveitado junto de quem amamos e onde nos sentimos bem e realizados. Como açoriano que sou, os Açores é a minha vida. O ponto da minha partida e o lugar a onde sempre regresso.”

Emanuel Areias

NE: Conto publicado nas edições impressas 524 (1,ª parte) e 525 (conclusão), respetivamente a 06 e 20 de julho.