Jornal da Praia

PUB

AMARAL

Terça, 07 de Agosto de 2018 em Opinião 983 visualizações Partilhar

AMARAL

Às vezes, a vida é madrasta, e no correr dos tempos, deixa-nos a solidão como única companhia. Não nos podemos afastar do rumo que a vida nos traçou, mas podemos aproveitá-la e sorrir todas as manhãs, consoante a concretização dos nossos desejos. Na velhice não merecemos ser escondidos, mas reconhecidos pelo que demos à vida e à arte que nos escolheu.

O Amaral, poeta popular, encheu-me a alma no dia em que a Praia da Vitória lhe deu o palco maior para ele cantar e brilhar mais uma vez. Foi vivo que ele viu reconhecido o seu talento e a sua dedicação à arte nobre que é a cantoria, apesar da velhice e da vida parecer cinzenta. Quando as palmas são dadas a quem ainda está erguido ao cimo da terra, sem se esperar pela morte para se aplaudir, significa que ainda resta esperança no mundo e nas gentes. A Praia soube dar a Amaral, na cantoria da festa, um momento único, que jamais irá esquecer. Que jamais iremos esquecer.

Foi a cantoria da sua vida. Com José Eliseu ao seu lado e um público generoso a aplaudir o poeta sentimental de pé. Na plateia sentiram-se arrepios e algumas lágrimas surgiram, quando José Eliseu pediu a ovação da noite. As pessoas cumpriram o seu dever de homenagear quem é digno de tal benesse. O povo foi povo. Dignamente deu dignidade a um homem pobre em emoções, mas rico em sentimentos.

Não nos podemos esquecer das pessoas. Não as podemos ignorar. Não as podemos normalizar, quando elas, de nós, precisam de um carinho, de um abraço e de uma palavra. A dignidade das pessoas pode estar despedaçada, quando não ligamos a elas, quando não as valorizamos, quando não abraçamos os seus desejos. Acho que aprendemos como se faz, quando soubemos dar a alegria a Amaral de fazer o que mais gosta – cantar.

Amaral precisava de vida e a poesia daquela noite fantástica deu-lhe sustento à alma. O amanhã pode parecer mais um dia de uma vida já cansada, mas a ele só me resta agradecer a poesia que profere e escreve. Só me resta acreditar que a sua arte e o seu engenho nunca o deixarão só, quando tudo parecer desvanecido e sem luz. A luz que ele precisa é o calor do povo.

Acredito que ele ganhou tempo precioso na vida, com aquele momento que fica na minha memória, como a mitificação de um cantador popular assombrado e bafejado pelas sortes da vida.

Emanuel Areias