Jornal da Praia

PUB

O Vandalismo Restringe a Liberdade

Sábado, 04 de Agosto de 2018 em Editorial 599 visualizações Partilhar

O Vandalismo Restringe a Liberdade

Ultimamente tem sido noticiado nos órgãos da comunicação social, factos que nos devem envergonhar a todos, por falta de educação e civismo de uma minoria que se propõe não acatar normas e regras que regem a sociedade, ao destruírem de forma vândala o património público, bens que as autarquias terceirenses construíram com grandes dificuldades e por vezes entraves económicos para o bem-estar das populações residentes e das que nos visitam, e que são cada vez mais, naturalmente com o aumento do turismo.

Estamos a referir-nos à destruição da rede eléctrica do Passeio entre as Baías de Angra do Heroísmo, recentemente inaugurado aquando das Festas de S. João, que sucederam naquela Cidade Património Mundial há relativamente poucos dias.

Depois assistimos na Vila das Lajes à destruição e mutilação da piscina pública, na Caldeira das Lajes, inclusive lançaram excrementos de vacas para as águas da piscina, levando ao seu encerramento por longo período de tempo, para que se possa proceder à limpeza e recuperação daquelas instalações.

Por último, também tem sido notícia muito badalada, a destruição radical dos guarda-sóis e lançamento de pedaços de vidro na piscina da Freguesia dos Biscoitos.

Estas pessoas que praticaram estes malefícios, não podem passar desapercebidas, e as autoridades policiais e judiciais devem investigar, identifica-las e julga-las para as condenar de acordo com a justiça e a lei, portanto, tais atitudes funestas devem ser punidas, porque põem em causa a nossa pacatez e o nosso bem receber.

Temos que ter desde a tenra infância princípios básicos sobre as boas maneiras e práticas salutares, a fim de nos comportarmos bem no seio da família e da sociedade onde estamos inseridos, com apurado sentido de justiça e honestidade, mas para tanto é necessária uma educação perene e eficaz virada para o civismo, quer na vida escolar, quer na vida doméstica, e que em nosso modesto entender ultimamente tem sido radicalmente negligenciada, por isso é por vezes difícil fazer face às numerosas exigências da vida em sociedade.

Não podemos ignorar que o homem dos nossos dias muitas vezes está disposto a demitir-se das suas obrigações e responsabilidades, gerando uma péssima imagem da nossa ilha, e há que lutar pela extinção desses actos bárbaros, que são certamente isolados, mas deixam manchas na nossa boa reputação, não só pela importância que tal património assume para as populações e para o turismo, mas sobretudo para consolidarmos a nossa imagem de pessoas de bem, porque um dos maiores inimigos da liberdade e da democracia é o vandalismo que temos de o erradicar.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com