Jornal da Praia

PUB

PRAIA, PREPARA-TE!

Quinta, 02 de Agosto de 2018 em Opinião 421 visualizações Partilhar

PRAIA, PREPARA-TE!

Prestes a começar a festa da Praia, e depois de escutar a melodia que irá ecoar nas ruas da nossa cidade e de ler a letra que lhe acompanha, recordo nostalgicamente as minhas festas da Praia. Por se viver estas festas, fica-se na memória com recordações tão bonitas, que ao lembrá-las, ficamos com o corpo arrepiado de emoção. Estas são as festas do verão por excelência. Com uma atmosfera apoteótica, esta festa mistura calor, sabor, dança, magia e alegria.

Todos os anos, desde que me conheço, o mês de agosto espera pela festa da Praia para encerrar o verão. É como se houvesse uma linha que separa o verão antes e depois da festa. Por esta altura, quer-se que os dias sejam eternamente longos, para que não termine o momento mais esperado do ano. A azáfama é sentida em cada rua e ruela da cidade, que transparece felicidade por ter gente ao seu regaço.

Comecei a ir à festa da Praia muito cedo. Ia de braço dado com os meus pais, e de quando em vez, pedia um daqueles balões que são vendidos pelas ruas. Corria desalmadamente com os da minha idade, por entre os mais velhos, que massificavam a cidade. Quase todos os dias, na zona verde, devorava o saquinho de gomas que o meu pai me comprava. Certo dia, nessa mesma zona verde, estava a brincar com outras crianças, quando, no redondo com água que lá há, caí e molhei-me por completo. Fui alvo de graçolas todas as festas da Praia seguintes.

Perto da meia-noite íamos para o carro que ficava estacionado no parque da Base. Se ultrapassássemos a hora em 15-20 minutos, tínhamos de aguardar até à uma da manhã. Uma vez ou outra fomos enganados pelo tempo ou pelas ânsias da minha irmã, que queria ficar na festa mais um bocadinho, e tivemos de ficar a aguardar até à hora seguinte pela abertura do parque.

Quando comecei a ter pulseira, ia timidamente ao recinto e achava que havia gente demasiado grande para mim, mesmo que eu tivesse a pulseira dos mais velhos. Voltava ao lado de fora e ficava com os meus pais até à hora de irmos embora. No último dia da festa, ficávamos todos à espera, com os olhos vidrados no céu, pelo fogo-de-artifício. O expoente máximo da festa para qualquer pessoa que não tivesse medo do barulho.

Não fossem as otites ou as insolações, a festa da Praia era obrigatória. Sol e praia de dia, música, dança e convívio à noite. Não havia nem há uma única pessoa nesta ilha que não faça a pergunta: “vais hoje à festa da Praia”, por altura da festividade. Quase toda a ilha vai.

“E nós para dançarmos bem/ É no mês de agosto” diz a letra da marcha oficial da Festa da Praia 2018, escrita e muito bem escrita, por José Esteves. A Praia, no início de agosto, dança e faz dançar. Canta e faz cantar. Brilha e faz brilhar os olhos de qualquer praiense. Praia, ficamos à tua espera para cantar, dançar e rir por estes dias. Prepara-te!

Emanuel Areias