Jornal da Praia

PUB

A VOZ E O CONTRIBUTO DOS EMIGRANTES

Quinta, 02 de Agosto de 2018 em Opinião 221 visualizações Partilhar

A VOZ E O CONTRIBUTO DOS EMIGRANTES

Todos os anos por esta altura ei-los de volta. Refiro-me aos que por diversas razões tiveram que deixar o torrão natal para, por entre agruras, irem viver repartidos entre dois mundos: o da adolescência e juventude e o da vida adulta que levam fora da terra onde nasceram.

António Coimbra Martins, embaixador de Portugal nos tempos em que vivi em França declarou, numa entrevista, uma frase que jamais esqueci: «o emigrante paga um duplo tributo à sociedade, e não tem lugar de pleno direito onde nasceu nem onde se acolheu» (1). Eu, também, sobre a vivência do emigrante expus um ponto de vista semelhante em comunicação apresentada, em nome do Jornal da Praia, no Congresso de Comunidades Açorianas, que se realizou na cidade da Horta em 1995. Neste frisava que ele era «um ser repartido entre a terra que o viu nascer e aquela em que voluntária ou forçadamente vive» (2).

Durante muitos anos, os emigrantes foram mal compreendidos, explorados e até ridicularizados. Os mais velhos lembram-se, ainda, de uma «epidemia do Verão» de triste memória, atribuída aos nossos irmãos que regressavam o país para matarem saudades e encontrar familiares e amigos. Estávamos, então, no tempo das vacas gordas. Novamente, ao que parece, irremediavelmente, iremos voltar a ter esse período, apesar dos milhões que a C.E.E. e a U.E., sua sucessora, enviaram para o desenvolvimento do País e dos Açores. Foi também o famoso tempo das remessas dos emigrantes, que nos salvaram algumas vezes da bancarrota, mas desta última poucos falam, porque perderam a memória. Agora, fala-se muito é das receitas efémeras e ilusórias do turismo até que melhore a situação no norte de África.

Uma homenagem é devida a esses obreiros, um dia considerados como a força portuguesa que mais produz sem que se tenha gastado com ela grande coisa. E o melhor será aproveitar a sua experiência e o poder do trabalho a que os emigrantes, lembrados no 10 de junho, devotaram a sua vida. É justo e foi bonito, mas não deixa de ser insuficiente, se for apenas uma manifestação folclórica, como temos visto, em nome de uma portugalidade em que muitos cidadãos não se reconhecem ou desconhecem o seu sentido e a sua prática no quotidiano.

Os emigrantes com “e” e com “i”, do que mais precisam é de serem tratados como adultos e não com infantilismos. Detestam ser meros pneus furados em tempo de ralis, isto é, objectos descartáveis que serviram e já não interessam, ou com utilidade duvidosa, como pensam alguns.

Os portugueses que vivem no estrangeiro devem ser considerados gente dotada de voz e com grande experiência, das quais muito se poderá aproveitar. O seu contributo será inestimável se forem tratados como ricos detentores de iniciativas. Eles continuam desejosos de dar um permanente contributo ao progresso económico do país, investindo as suas poupanças sem “burrocracias”( não é gralha tipográfica), nem tratamentos discriminatórios ou de simples coitadinhos.

Não resisto a transcrever algumas passagens do que reli, recentemente, num jornal de Castelo Branco (3), escrito há 40 anos e hoje com plena actualidade, após o que se passou nalgumas unidades do sistema bancário português, prejudicando muitos emigrantes, alguns dos quais perderam todas, ou quase todas, as suas economias.

Os Beirões radicados nos países europeus, naquele ano de 1978, conforme se lê no referido periódico, alertavam para a necessidade de se investir no desenvolvimento do interior do país e das vias terrestres, sem esquecerem o comboio. Ora vejam:

«Não queremos que o dinheiro vá para os bancos. Exigimos que os governantes de cada região façam o que é preciso para que se criem: regadios, plantações, estradas, aeroportos, hotéis, parques de turismo, indústrias para produtos agrícolas e mecânicos, etc.

Tudo pode ser construído. Tudo deve ser construído directamente, em sociedades, nas nossas regiões, com os emigrantes, que veriam assim as suas difíceis poupanças a criar postos de trabalho e riqueza e, por consequência, menos negra a sua velhice. (…) E quanto dinheiro fica por cá aos milhões, por não encontrarem em Portugal uma colocação digna de rendimento e de trabalho também para nós.

Ajudem-nos nesta campanha, e nós todos juntos e longe da política, havemos de convencer os políticos que as nossas regiões do interior têm homens capazes de os fazer compreender que não somos os novos-ricos, mas que por causa dos nossos sacrifícios, sabemos que é pelo trabalho e união de todos que se cria riqueza, da qual todos devem tirar proveito».

Boas-vindas aos nossos emigrantes com votos de esplêndidas férias!

António Neves Leal

Referências:
(1) Acção Socialista, 19.04.1979. Citada em Varanda de Paris, pág. 217
(2) Congresso de Comunidades Açorianas, pág. 414, Açores, Nov. 1995
(3) Reconquista, edição de 28.04.1978

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 524 de 06 de julho de 2018.