Jornal da Praia

PUB

À DERIVA

Terça, 31 de Julho de 2018 em Opinião 234 visualizações Partilhar

À DERIVA

Continuamos a dar algumas dicas que possam contribuir para não andarmos à deriva, sem direcção, como um barco que muda de rumo ao sabor dos ventos, não obstante a vida merecer ser encarada como uma busca “diuturna”. i. e., vivaz e que se prolonga no espaço e no tempo, pela evolução e superação. E embora as dificuldades sejam rotineiras, é caso perguntar, quem não as tem?

A diferença a existir destaca-se, como refere Gomes (1017), na maneira com que lidamos com os problemas. Enquanto uns se deixam «abater e caem na vala dos murmuradores, outros se motivam e agem, concretizando os seus objectivos, e atingindo o sucesso em diversas áreas da vida». Para o atingir não nos podemos deixar levar por aqueles praticam ou se deixam pelas pelos erros e distorções de pensamento enunciados no Cantinho 30, subordinado ao tema Malmequer, e a que se fez recente referência.

Necessitamos também de acreditar que um espírito inerentemente estável e ordenado (Graham, 2010): (1) possui pureza do coração e solidez da razão; (2) faz as coisas porque acredita que elas são desejáveis; (3) dispõe-se a encarar as consequências adversas e muitas vezes imprevistas de suas acções; (4) nunca perde o controlo de si próprio; e (5) quando se envolve em relações interpessoais visa assegurar que estas sejam harmoniosas, coordenadas e cooperativas.

E ainda: (6) quando se confronta com as vicissitudes da vida, com a dor crónica, doença física e morte, fá-lo com coragem e força do espírito; (7) ama com magnanimidade, sonha com satisfação, e reflecte um sentido firme de dignidade pessoal e de auto respeito; e finalmente, (8) longe de conduzir a sua vida de forma anárquica, fá-lo como alvo de dedicação e orientação inteligente. Por tudo isto se recomenda que nos deixemos de andar à deriva, especialmente quando sentimos que estamos sujeitos a situações causadoras de stress e como, desculpe a comparação, poderá acontecer aos dois barcos da fotografia, se lhe rebentarem ou cortarem as amarras.

Quem está sujeito a situações causadoras de stress, deve olhar primeiro para o meio envolvente, para ver bem o que se passa à sua volta, e depois avaliar a saída a adoptar. Esta consiste em ser capaz de tomar as atitudes, e os comportamentos que, por um lado, resolvam os problemas, e por outro em que se realize. Mas isto pode falhar para aqueles que se deixam levar por erros, dir-se-ia de lógica, ou por pensamentos disfuncionais, possivelmente devido às distorções do pensamento referidas no último Cantinho, a que os técnicos cognominam de distorções cognitivas, e que de acordo com Burns (1999) se identificam e caracterizam abaixo.

Primeiro – Auto Culpa: Corresponde a quem centraliza tudo pessoalmente, culpando-se pelos acontecimentos, ou assumindo de certa forma a responsabilidade por tudo o que acontece à sua volta. Sejam exemplo aqueles ou aquelas que, por se terem esquecidos de comparecer numa reunião com os amigos consideram que isso aconteceu por serem más pessoas, mesmo irresponsáveis. Na realidade cometeram um erro, tiveram um esquecimento, mas isso por si não significa que são pessoas ruins, más. Outro exemplo poderá ser aquele que espalha que o seu casamento terminou porque falhou, assumindo toda a culpa do sucedido, o que até pode não estar correcto.

Esta distorção de pensamento poderá também ser conhecida por Personalização, devido à atribuição de culpa ou responsabilidade pessoal excessiva, relacionada com eventos sobre os quais não se teve, ou até não se tem controlo, esquecendo-se outros factores ou ocorrências que possam estar na sua origem. Alguns vão ao ponto de acharem que dão azar às pessoas ou que até são responsáveis pelas coisas que não dão certo, não obstante se encontrarem fora da sua responsabilidade. O resultado é a pessoa sobrecarregar-se com sofrimento emocional e prejudicar-se no seu desempenho.

O indivíduo que reage por auto culpa, ou por personalização sente-se habitualmente injustiçado ou incompreendido, e com dificuldades em se responsabilizar pelos seus sentimentos ou comportamentos. Esquece que para mudar a vida necessita de mudar o seu espírito. Para isso não acontecer aproveite a ajuda de mais Cantinhos

Referências:

Burns, D. (1999). The Feeling Good Handbook. New York: Plume.
Gomes, L. de S. (1017). Salvado em 22 de Nov. de 2017 de Fonte: Pensador. Tema: Objectivo de Vida. Website: www.pensador.com/objetivo_de_vida/8/.
Graham, G. (2010). The disorder mind: An introduction to philosophy of mind and mental illness. London and New York: Routledge (Taylor & Francis Group).

Aurélio Pamplona

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 524 de 06 de julho de 2018.