Jornal da Praia

PUB

D. ANTÓNIO, PRIOR DO CRATO E CIPRIÃO DE FIGUEIREDO, CONDE DA VILA DE SÃO SEBASTIÃO

Quinta, 26 de Julho de 2018 em Opinião 1796 visualizações Partilhar

D. ANTÓNIO, PRIOR DO CRATO E CIPRIÃO DE FIGUEIREDO, CONDE DA VILA DE SÃO SEBASTIÃO

Há exatos 436 anos, a 26 de julho de 1582, D. António, o Prior do Crato, desembarcava em São Sebastião, na Ilha Terceira, o único ponto do país que ficou do seu lado, já depois de ter criado o condado da Vila de São Sebastião, que entregou a Ciprião de Figueiredo, o antigo corregedor dos Açores.

Quando D. Sebastião morreu em 1578, em Alcácer Quibir, sucedeu-lhe o seu parente mais próximo, neste caso, o tio-avô Cardeal D. Henrique, já idoso, que morreu, em 1580, sem herdeiros diretos, abrindo, assim, uma crise de sucessão. Houve 3 principais herdeiros, D. Catarina, D. Filipe II de Espanha e D. António, Prior do Crato. Este último foi aclamado rei em Santarém, contra a vontade da Alta Nobreza, apoiante de Filipe II. Para este, Portugal era um reino muito importante para a estratégia do Império Espanhol. Filipe II acabou então por enviar o seu exército, que mais bem preparado venceu os apoiantes de D. António. O Prior do Crato acabou por refugiar-se na Terceira. D. Violante do Canto, que herdara uma grande fortuna em 1577, apoiou a causa de D. António, sustentando as tropas anglo-francesas estacionadas na ilha. A Terceira passou a ser, então, alvo das atenções espanholas.

António desembarcou em São Sebastião em dia de Sant’Ana, onde era esperado, depois da derrota contra a armada do marquês de Santa Cruz, ao largo de Vila Franca. Foi recebido com arcos triunfais e uma ponte de cedro. Depois passou a Angra, recebendo um discurso de receção cheio de portugalidade por Frei António de Merens, onde foi aclamado Pela Graça de Deus, António I, Rei de Portugal e dos Algarves, d'Aquém e d'Além-Mar em África, Senhor da Guiné e da Conquista, Navegação e Comércio da Etiópia, Arábia, Pérsia e Índia, etc.

O Prior do Crato foi morar nos palácios onde vivia o Conde Manuel da Silva, um homem de sua confiança, nomeado novo corregedor dos Açores, substituindo Ciprião de Figueiredo, por estarem suficientemente mobilados os edifícios. Alguns destes palácios já haviam pertencido ao Marquês Cristóvão de Moura, casado com Margarida Corte Real, herdeira da capitania de Angra, enquanto trineta de João Vaz Corte-Real, assumindo Cristóvão a capitania. Este era um fiel apoiante de D. Filipe II, vivendo em Espanha por largos anos e visto como um traidor por larga maioria de terceirenses. Ciprião de Figueiredo continuava a estar na Terceira e a lutar por D. António. Este, quando estava em Paris a procurar apoio junto de Catarina de Médicis, antiga rainha de França e mãe do monarca francês Henrique III, chamou Ciprião e agraciou-o com o título de Conde da Vila de São Sebastião, localidade onde se travou a Batalha da Salga, na qual Ciprião teve um papel de estratégia e de reorganização dos locais muito importante.

Ciprião de Figueiredo, a 24 de julho de 1581, na noite antes da famosa Batalha da Salga, este ao avistar a frota que aproximava, mandou o Capitão Domingos Onsel com 20 soldados arcabuzeiros e 10 piqueiros para se juntarem às gentes do Porto Judeu e assim defenderem aquele porto e a baía da Salga. Achava-se que era o suficiente, estavam errados. Onsel julgou poder, e sem receio, dispensar os dez piqueiros, os quais, sem a menor hesitação, remeteu para a cidade. Este procedimento foi estranhado por Ciprião, que começou a duvidar das capacidades de decisão do Capitão Onsel em conseguir com poucos homens dar conta dos castelhanos. Ciprião, no entanto, mandou imediatamente para o Porto Judeu um reforço de alguns homens de pé e de cavalo. Os homens repartiram-se pelas estâncias, desde o Forte do Porto até à extremidade onde estava o poço, na baía da Salga. Foi aí que se constatou que era muita pouca gente na verdade para guarnecer tão largo espaço.

A 25 de julho de 1581, a esquadra espanhola comandada por Pedro de Valdés era composta por 10 navios, com 1 000 homens de guerra, que desembarcaram na baía da Salga e, apanhando de surpresa os locais, conseguiram vencer as primeiras resistências. Nesta fase dos combates distinguiu-se Brianda Pereira, momento em que história e lenda se misturam. As tropas espanholas começaram a incendiar as searas e as casas existentes nas imediações, entre as quais muito provavelmente a de Brianda, aprisionando os homens que encontraram. Lenda ou não, defende-se que Brianda incentivou como podia os terceirenses a lutarem e pegou no que tinha à mão e também foi para os combates.

A batalha endureceu, pelas 9h, varrendo os espanhóis a costa com a sua artilharia, o que, dificultava a tarefa dos defensores. Cerca das 12h, Frei Pedro, que participava ativamente na luta, teve a ideia de, como estratagema, dirigir gado para as posições espanholas e assim desbaratá-las. Rapidamente foi reunido mais de um milhar de bovinos, que, à força de gritos e tiros de mosquete, se lançaram sobre o inimigo. Isso levou os espanhóis a recuarem, muitos caíram ao mar, e deu tempo aos terceirenses para se reagruparem e preparem nova defesa da Ilha. Centenas de castelhanos morreram nos combates ou afogados na fuga do gado. Diz-se que não mais do que 50 espanhóis voltaram para os navios, enquanto nos locais, foram poucas as dezenas de mortos.

A substituição de um mais carismático Ciprião de Figueiredo, por um mais impetuoso Conde Manuel da Silva não resultou bem. O povo não gostou da escolha, pois sentia-se mais longe do seu novo governador. Ciprião sempre tivera uma relação próxima com a população terceirense. Aos poucos, a tensão entre o corregedor e os terceirenses foi aumentando. A pressão espanhola e o desembarque da Baía das Mós, com a sua vitória, um ano depois da chegada de D. António, entre os dias 26 e 27 de julho de 1583, o afastamento de D. Violante do Canto, principal financiadora do Prior do Crato (e o seu exílio para Madrid a mando de D. Filipe II) e o afastamento dos apoios estrangeiros, com as consecutivas vitórias espanholas, obrigaram o pretendente ao trono português a partir da Terceira e de Portugal. Os seus objetivos lograram. Nos anos seguintes, vai tentar conquistar Portugal, mas sem resultados, uns por motivos circunstanciais, outros pela força militar das tropas filipinas e ainda alguns apenas pela importância de D. Filipe II para a Cristandade.

António levou consigo para França, onde se exilou, o fiel servidor Ciprião de Figueiredo, que, em 1601, fez uma viagem à Itália, onde conseguiu a estima do rei de França e do Grã-Duque da Toscânia, pois foi um homem de princípios e que sempre defendeu aquilo em que acreditava. D. António morreu, em Paris, a 26 de agosto de 1595 e Ciprião de Figueiredo em 1606.

Não podemos esquecer que a Cultura e a História fazem parte do património e da memória de um povo. Não devemos ter medo em conhecer e dar a conhecer o percurso histórico feito pelos nossos egrégios avós. A história e a memória de Violante do Canto e de Ciprião de Figueiredo, assim como a lenda da Brianda Pereira e História da Batalha da Salga, deviam ser mais ensinada junto das populações locais, que servem de intermediários para os turistas e para os mais novos. Devemos saber mais, para podermos explicar melhor e até incentivar os que nos visitam a quererem investigar mais da nossa História e serem os divulgadores do nosso Passado junto dos amigos, dos colegas, etc.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto originalmente publicado na edição impressa n.º 525 de 20 de julho de 2018.