Jornal da Praia

PUB

Autonomia Amordaçada pelo Neocolonialismo de Lisboa

Terça, 24 de Julho de 2018 em Editorial 992 visualizações Partilhar

Autonomia Amordaçada pelo Neocolonialismo de Lisboa

Festejou-se este ano o dia 10 de Junho, primeiramente em Ponta Delgada, cerimónias essas presididas pelo Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

As comemorações do dia de Portugal, de Camões e das comunidades lusas espalhadas pelo mundo, tais festividades terminaram em Boston, nos Estados Unidos da América do Norte, onde estão radicados um importante número de Açorianos.

Nestas comemorações que decorreram em Ponta Delgada, não foi permitida uma manifestação de um grupo de independentistas Açorianos, que se queriam manifestar de forma pacífica, no Largo da Matriz e na Praça Gonçalo Velho, naquela cidade que acolheu as festividades do 10 de Junho, assim como também não foi permitido aqueles manifestantes exibirem bandeiras dos Açores.

Esta é sem dúvida, uma atitude extremamente colonialista e antidemocrática que merece o nosso veemente repúdio.

Daí que tem toda a razão, Paulo Estêvão, deputado regional pelo Partido Popular Monárquico na Assembleia Legislativa Regional, ao defender que “o neocolonialismo tem e deve acabar nos Açores”, e é pena que tal posição não tenha sido defendida por muitos mais responsáveis políticos regionais, pois estamos saturados dos centralistas arrogantes e sedeados no Terreiro do Paço, a bem da nossa Autonomia Política e Administrativa e em prol da consolidação da democracia nas nossas Regiões Autónomas e inclusive no País, porque a democracia não é só um culto à liberdade, é também uma forma de respeitarmos e aceitarmos as diferentes opiniões políticas, contra a intolerância e contra o chauvinismo.

Isto é, sem dúvida alguma, um verdadeiro ataque à liberdade de manifestação, em pleno século XXI, num “contexto político cada vez mais insuportável de restrições ao livre direito de associação dos cidadãos por parte das autoridades portuguesas nos Açores”.

Não se compreende o porquê da proibição de partidos regionais "e a perseguição policial de todos aqueles que pretendem manifestar-se pacificamente pela independência dos Açores, é intolerável no quadro das liberdades políticas garantidas na União Europeia”.

Sabemos que é uma realidade que não pode ser escamoteada existirem cada vez mais arquipélagos independentes por este mundo fora.

A Republica Portuguesa, ao invés do que se passa na Europa democrática é um dos países mais neocolonialista e centralista e nunca teria autorizado autonomia politica e administrativa dos Açores se não tivesse sucedido a manifestação do 6 de Junho de 1975, promovida pela Frente de Libertação dos Açores, e foi perante a “ameaça independentista e o contexto de desagregação imperial em que se encontrava Portugal após o 25 de Abril”, porque para os centralistas portugueses seria um caos para Portugal perderem os Açores, pois perdiam uma imensa área marítima, que contem um valor incalculável, vendo assim reduzido a sua influencia internacional, que pretende exercer no seio das Nações Unidas e "o sonho messiânico do Quinto Império ficaria finalmente sepultado. No quadro de uma Península Ibérica em desagregação política, progressiva, Portugal passaria a ser apenas um - e não o maior - dos Estados taifas que resultarão do processo de desagregação do Estado Espanhol”.

Assim sendo, resulta suficientemente claro, e esperamos e temos a confiança que aquando de uma futura revisão constitucional, tal situação seja ultrapassada, permitindo-se o surgimento de partidos regionais, aliás o que sucede na maioria dos países Europeus, daí que não devemos de descorar tais princípios ideais para que a autonomia do Arquipélago dos Açores seja efectivamente democrática e progressiva, num quadro que defenda a verdadeira essência da democracia, tão cara ao velho continente.

O Diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornalpraia.com