Jornal da Praia

PUB

PATRICK LETELLIER, O HOMEM QUE ENGARRAFA SONHOS

Domingo, 01 de Julho de 2018 em No Concelho 175 visualizações Partilhar

PATRICK LETELLIER, O HOMEM QUE ENGARRAFA SONHOS

Quem, menino, não ficou a sonhar com as histórias ilustradas de Robinson Crusoe, Moby Dick ou com os romances de Jules Verne? Para quem vive nos Açores, o mar é o quotidiano. É impossível escapar à visão daquela massa majestosa sempre em movimento, ora azul, cinza ou verde... Para alguns continentais, o Atlântico é apenas um sonho, uma coisa que se vê na televisão ou em postais mandados por parentes ou amigos mais afortunados. Ou emigrados. Uma espécie de sublime abstração. Um sonho.

E depois, há todos aqueles objetos ligados ao oceano, de mais ou menos bom gosto, que os tais parentes nos oferecem: sapateiras embalsamadas, colares de conchinhas, peças delicadas esculpidas em osso de baleia, corais de várias formas, búzios gigantes onde supostamente ouvimos o rumor do mar... E barcos pequenos e delicados, fechados em garrafas preciosas como ampulhetas. Como é que se aprisiona um barco numa delicada e pequena garrafa de vidro? Até parece obra de feiticeira. Como será que aqueles barcos conseguiram atravessar os gargalos - tão estreitos, das garrafas?

Parece que tudo começou com um pai dedicado e com espírito de poeta. Sabem, aqueles homens que nos constroem um moinho de vento com um espeto de churrasco e uma folha de papel? Ou uma leve e poética embarcação feita com meia casca de noz, um palito e uma vela obtida com restos de um guardanapo de papel do piquenique à beira de um lago? Aliás, em França, quando se fala de um barquinho pequeno – um de verdade, daqueles que só leva uma ou no máximo duas pessoas a bordo, usa-se a expressão “coquille de noix”. Ou seja: casca de noz.

Mas os barcos engarrafados têm mais do que essa origem. Começaram a ser realizados nos meados do século XIX por marinheiros. Durante os tempos livres, dedicavam-se a essa arte, reconstituindo o próprio barco onde estavam embarcados. Primeiro por superstição, porque achavam que lhes daria sorte durante a travessia. A maior parte do tempo, eram oferecidos às famílias dos marinheiros aquando do regresso destes e, depois, orgulhosamente expostos nas vitrinas dos móveis das casas destes. Muito rapidamente, os belos e delicados objetos tornaram-se tão populares que até serviram de moeda para transações comerciais nos portos de todo o mundo. Apesar das difíceis condições de vida a bordo da época, engarrafar barcos tornou-se uma arte muito popular. Entretanto, perdeu-se o hábito de engarrafar barcos nos meados do século XX. Só os faroleiros é que continuaram a perpetrar a tradição, passando longas e solitárias horas em locais muito isolados e ermos. Só em 1976 é que começou a haver um verdadeiro interesse pelos barcos engarrafados, pelo menos em França, onde ainda agora existem colecionadores ferranhos que os compram por muito dinheiro em leilões. Já existe uma literatura consequente sobre essa arte popular, e, na Alemanha, um museu até lhe é consagrado (Buddel-Schiff Museum, Neuharlingersiel), apresentando obras dos quatro cantos do mundo: Berlim, Londres, Wyoming, Espanha...

De uma forma ou de outra, cá, na nossa ilha, estamos todos ligados ao Atlântico. E muito recentemente, eu que vivo neste calhau há quase 10 anos, conheci uma grande comunidade de marinheiros estrangeiros. Muitos deles nem tencionam viajar para mais lado nenhum apesar das vidas aventureiras que tiveram antes de se deixarem seduzir pelo nosso arquipélago. Um deles chama-se Patrick Letellier e é francês. Mora no veleiro “Libertine” faz 5 anos. E sabem que mais? É um dos tais “feiticeiros” que aprisiona barcos em pequenas garrafas!

Patrick Letellier nasceu e cresceu em Paris. Já teve várias vidas numa só, como muita gente de fora que atraca nas nossas ilhas, muitas vezes por acaso. Ou não. Quando fora ainda um jovem talhante, contraiu uma doença grave ao manipular carnes contaminadas. No hospital, praticamente condenado, jurou a si próprio que se candidataria à Legião Estrangeira se escapasse à morte. Escapou. E assim começou uma vida que nunca mais deixou de ser aventureira e que o levou até locais como Madagascar, Vietname, Camboja.... A vida de marinheiro começou por uma razão meramente sentimental: Patrick, parisiense, desejava reaproximar-se da mãe que vive só no sul de França. Aprendeu a velejar por si próprio, de forma totalmente autodidata. Mas navegar torna-se rapidamente um vício e as viagens começaram a ficar cada vez mais longas. E os veleiros tornaram-se cada vez mais compridos. Patrick já teve três embarcações diferentes – todas à vela - e atravessou com elas terríveis tempestades que o levaram até às ilhas Canárias e à Madeira, em especial ao Porto Santo, ilha pela qual nutre uma paixão especial. Até descobrir os Açores: primeiro a ilha de Santa Maria. Entretanto, falaram-lhe da Terceira. E mais especificamente da marina da Praia da Vitória à qual se mantem fiel há mais de cinco anos. As únicas escapadelas, têm sempre o mesmo destino: visitar a mãe agora com 88 anos de idade, em França. Patrick Letellier pode não ser Terceirense de gema, mas é-lo de alma e coração.

Muito bem integrado na comunidade da marina e da vida praiense, Patrick nunca se aborrece. Tem vários livros publicados na Amazon – assunto sobre o qual Jornal da Praia tenciona escrever – sobre as suas diversas aventuras como legionário ou marinheiro, mas também novelas e romances, e dedica-se a tão delicada confeção de barcos miniaturas engarrafadas. Cada peça é única e diferente, criada com material náutico genuíno. Observamos longamente aquele trabalho minucioso, mas não assim tão complicado quanto possa parecer. Lembro-me do meu pai a criar barquinhos em metades de cascas de nozes; um fósforo ou um palito eram o mastro e a vela um bocadinho de papel. Encantava-me ver a frágil embarcação a deslizar pelas águas turvas da lagoa do bosque de Boulogne, em Paris. O Patrick também partiu dessa ideia: uma metade de casca de noz. Mas muito mais elaborada. A sua técnica está já muito apurada. É belo ver o movimento das pinças a aprisionar fios ténues como cabelos de anjos, aquela vela minúscula que se curva lentamente no gargalo e retoma a sua forma triangular no interior da garrafinha, o movimento paciente com a cola – que pode estragar tudo num mísero segundo! – e o mar azul a suportar o barquinho, pacientemente despejado até atingir o limite certo. À volta de alguns barcos, até nadam adoráveis e minúsculos golfinhos...

Enquanto estamos a engarrafar sonhos de criança, não pensamos em mais nada. Não existem guerras nem conflitos. Além do mais, é uma atividade que requer muita concentração, paciência e sentido artístico. Um barco demora um dia para ser executado, mas depois ainda existe o tempo de secagem, que avizinha aproximadamente 8 dias. Porque o que é belo e o que vale a pena demoram. Tal como tudo na vida. E o grande sonho de Patrick é ensinar crianças a criar sonhos engarrafados. Porque não num ou em vários dos muitos ATL(s) da nossa ilha? E porque não, já agora, através da escrita de um livro ilustrado e tecnicamente bem documentado para pais e filhos se juntarem numa atividade tão poética quanto gratificante, no lugar de cada um estar metido, solitário, no seu smartphone ou tablet?

A vida não tem de ser sempre a correr. Precisamos vivê-la fora da caixa. Parar de vez em quando. Respirar. Para observar coisas belas. E porque não criá-las com as nossas próprias mãos?

Elvira Mendes/JP

NE: Reportagem originalmente publicada na edição impressa n.º 506 de 13 de outubro de 2017