Jornal da Praia

PUB

Joo Flix jovem promessa literria

Terça, 01 de Abril de 2008 em Atualidade 778 visualizações Partilhar

Joo Flix jovem promessa literria Como é que surgiu a sua aptidão para as artes, nomeadamente, Literatura?
A minha aptidão para as artes, se é verdade que eu a tenho, não me surgiu em ocasião alguma como uma revelação. É verdade que é o que sucede com muitos artistas, como podemos ver, por exemplo, em Jorge de Sena, que descobriu o seu amor à arte enquanto ouvia uma composição de Débussy, ou em Van Gogh, que começou a desenhar somente aos vinte e seis anos, sendo já um mestre aos vinte e oito. Eu não me atreveria, naturalmente, a comparar o meu talento diminuto com o gigante do Sena ou o génio do Van Gogh, mas uso apenas os seus exemplos para mostrar como a arte pode por vezes surgir repentinamente, e tomar um papel decisivo na vida de alguém. No entanto, não foi isso, de forma alguma, o que se passou comigo. Na verdade, o acto de escrever tem-se manifestado em mim, desde muito cedo, como uma tendência natural. Em pequeno, eu tinha já o hábito de o fazer, muitas vezes sem saber exactamente sobre o quê, apenas pelo prazer de devanear. Hoje, a minha atitude não é tão infantil, embora eu também não me sinta inclinado a chamar-lhe adulta. É impossível, como é óbvio, esquecer a influência que recebi do meu avô, e de ter crescido num ambiente cheio de livros e de arte. Afinal, eles sempre estiveram comigo, e continuarão a estar durante muito tempo.
Qual é a sua opinião sobre o Cultura? Os jovens sabem o que é a Cultura… participam?
Julgo que, quando se fala em estado da Cultura, é indispensável falar sobre os jovens. Eles são tidos muitas vezes como a faixa etária mais inculta, que mais despreza os livros e que mais se aborrece com a Cultura e as letras. Afirmar tal coisa parece-me uma generalização imponderada, e a mim, que sou também um jovem, não me seria confortável dizê-lo. Conheço vários casos de adolescentes que se interessam grandemente pelo mundo das artes, e que provam que a Cultura não será totalmente menosprezada no futuro. No entanto, é preciso admitir que um bom número dos jovens que eu conheço não será capaz de me responder, se eu lhes perguntar, quem foi Vitorino Nemésio, nem se interessarão minimamente em sabê-lo. A leitura de um poema seu numa aula certamente despertará interesse em alguns alunos, mas a maioria deles considerá-lo-á entediante. Não sei se é um sinal dos tempos, ou se sempre foi assim. Tenho apenas dezassete anos, e não conheço outros tempos senão estes, mas penso que anos atrás a Cultura tinha um peso maior na vida em sociedade. Dantes estudava-se para aprender, hoje vai-se à escola para ter um bom emprego. Claro que isso tem que ter consequências. Sabemos que os Açores, ainda que sejam pobres em território, possuem um património cultural consideravelmente rico, embora ignorado e esquecido por muitos. O problema, penso, não está apenas nos jovens, mas na própria matéria leccionada nas escolas, que despreza quase totalmente este património.
Gostaria de um dia ser um escritor laureado?
Não escrevo nem nunca escrevi com esse intuito. Os louros são um prémio honroso para um escritor, quando a sua carreira literária se encontra já construída e reconhecida por muitos. Eu, que nem possuo uma carreira literária, seria insensato se escrevesse apenas com esse objectivo em mente. Como já disse, escrever é para mim um prazer natural, não um método de granjear glória. É claro que eu mentiria se dissesse que um tal futuro não seria agradável para mim: na verdade, comecei já a escrever um conto, intitulado “Hípaso”, que eu gostaria de ver crescer e tomar a forma de um romance. No entanto, isso ainda me levará muito tempo, e não estou muito certo quanto à sua qualidade. Não é a celebridade que eu desejo, e procuro sempre não escrever com esse propósito. Prefiro fazê-lo como sempre fiz, sobretudo para meu deleite pessoal, podendo talvez um dia tornar os meus textos publicáveis.
A pergunta é inevitável. Que análise faz da vida literária de seu avô, o escritor Emanuel Félix?

É difícil para mim responder a essa pergunta, porque sempre li a obra do meu avô despreocupadamente, e nunca antes pensei em fazer-lhe uma análise, nem em fazer qualquer tipo de teoria sobre ela. O que posso dizer acerca da sua vida e da sua relação com a literatura é apenas a impressão com que fico do tempo que passei com ele, e da minha experiência de leitura da sua poesia. Um grande número dos poetas consagrados é conhecido por ter deixado na sua obra uma marca inconfundível do seu ser. Baudelaire, por exemplo, falando do seu livro, As Flores do Mal, afirmou ter posto nele “todo o seu pensamento, todo o seu coração, toda a sua religião, todo o seu ódio”. Pessoa diz que “o Sá-Carneiro foi o que escreveu”, e nós conhecemos vários casos de poetas cuja personalidade nós compreendemos quase exclusivamente através da sua obra. Não creio, no entanto, que seja possível fazer o mesmo a partir da obra do meu avô, nem acho que seria correcto dizer que todo o seu ser ficou inteiramente marcado na sua poesia, porque ela foi afinal apenas uma das suas várias propensões artísticas, posto que a mais importante: além de poeta ele foi também artista plástico e ensaísta, e era ainda um professor e um homem sábio, com quem podíamos conversar durante horas sem nunca nos entediarmos. É claro que podemos encontrar na sua obra poética sinais evidentes de todos estes aspectos da sua vida, mas apenas como transparências e não como confissões pungentes. A poesia era para ele como que um dom natural que lhe surgia espontaneamente, como um prazer sempre presente que lhe edulcorava a vida, nunca como uma voz de revolta contra o mundo e contra si próprio. Enfim, foi um poeta feliz, pois soube usar a sua poesia como uma forma de se melhorar a si próprio e de ensinar algo aos outros, sem que isso tenha exigido dele qualquer sacrifício, excepto, claro, o do estudo, o qual, no entanto, não foi decerto penoso para ele.

Entrevista: Rui Marques