Jornal da Praia

PUB

A violência e a corrupção no desporto

Sexta, 22 de Junho de 2018 em Editorial 418 visualizações Partilhar

A violência e a corrupção no desporto

Estas formas, infelizmente atadas ao mundo desportivo, nomeadamente no futebol, onde a corrupção, a violência, a deturpação da verdade desportiva continuam a fazer correr rios de tinta e sem soluções plausíveis à vista envergonha-nos a todos.

A propósito, as recentes revelações do jornalismo de investigação que se têm debruçado sobre a viciação dos resultados desportivos, através do jogo da mala, não tem trazido nada de novo, pois ontem, hoje, isto é há muito tempo que se sabia existir, há e sempre houve intermediários desportivos com a ambição de comprarem jogadores de futebol, para perder, para empatar e ganhar jogos, nomeadamente ligados aos três grandes clubes de futebol, Benfica, Porto, Sporting e não só.

E toda esta lamentável situação se agudizou face aos grandes fluxos financeiros a circular no futebol, há muito dinheiro em jogo, há muito dinheiro a ganhar e infelizmente o vil metal corrompe agentes e dirigentes desportivos desonestos, que os há e em abundância no estado actual do futebol português, tendo estas coisas ganhado uma dimensão enorme e diferente ultimamente, com o surgimento das apostas desportivas onde se jogam a rodos de dinheiro.

As claques clubistas actuam cada vez mais com violência, por vezes extrema, em que os adeptos não podem assistir aos eventos desportivos descansados, o que implica grandes esforços e investimentos com a segurança, a fim de se evitar verdadeiras batalhas campais.

A justiça desportiva tem sido permissiva a toda esta panóplia de situações onde a ética desportiva é atirada para o caixote do lixo, e por vezes perante a indiferença do poder político receoso de mexer em tão nevrálgicas situações que poderá acarretar desaires eleitorais.

O direito desportivo, não foi ainda encarado como um verdadeiro ramo de direito, conquistando a autonomia que se arroga, criminalizando e punindo todas estas situações de forma eficaz que corroem e poem em causa a verdadeira essência do desporto, que exige assim uma lei adequada, mas com aplicação prática e efectiva, levando se necessário a despromoção de divisão dos clubes envolvidos em ilícitos criminais, porque o futebol não pode dar “guarida à escória social”.

Os três grandes clubes do futebol português, Benfica, Porto e Sporting, não podem continuar a ser comparados, como já alguém muito bem fez, a três grandes eucaliptos que absorvem todos os arbustos e demais vegetação que lhes rodeia, porque a dependência dos pequenos clubes dos grandes clubes, devido à sua fragilidade, empurra-os para situações eticamente lamentáveis que em nada contribuem para a dignidade do desporto.

O Diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornalpraia.com
Foto: Google – Direitos Reservados