Jornal da Praia

PUB

PRESERVAÇÃO DO AMBIENTE

Terça, 12 de Junho de 2018 em Opinião 117 visualizações Partilhar

PRESERVAÇÃO DO AMBIENTE

Eis um pequeno exemplo duma imagem da natureza, cheia de beleza, respeitante a uma fotografia tirada no interior da Ilha Terceira que, à semelhança de muitas outras que existem, facilmente nos leva a pensar na importância do muito que precisamos de fazer para garantir o equilíbrio e a preservação da natureza. Mas isto só é possível se as medidas a tomar abrangerem também os meios urbanos, o que é colectivo, o que construímos e modificamos, e se ainda cada um de nós for capaz de tratar de si e garantir o seu próprio equilíbrio.

Este aspecto leva-nos a Matisse (1908), um dos artistas mais influentes do século XX, que declarou sonhar com «uma arte de equilíbrio, de pureza e serenidade desprovida de matéria preocupante ou deprimente...uma influência tranquilizante e calmante da mente, em vez de uma boa poltrona que proporciona relaxamento à fadiga física». Se quisermos seguir o seu exemplo, ou sermos realizadores de sucesso apela-se para o estabelecimento de mais um equilíbrio, o quinto, a concretizar-se entre o aborrecimento, por não ter ou não querer fazer nada, e dispor de muitos projectos para se empenhar, o que se pode traduzir em sobrecarga de trabalho.

No seu humorístico dicionário, Bierce (2013), define a sobrecarga como «a desordem perigosa que afecta altos funcionários públicos que querem ir à pesca». Mas neste caso hilariante, não é a sobrecarga que derrota a pessoa, mas as escolhas desajustadas que imprimem à vida. Entretanto os casos que nos interessam dizem respeito ao que pode acontecer quando a pessoa, por sua livre vontade ou não, se esforça demasiado no trabalho, ou excede em muitas horas e dias o tempo razoável a que se devia dedicar às tarefas.

Embora se acredite que o trabalho é fundamental para a existência e desenvolvimento humano, todos já ouvimos falar da síndrome do esgotamento profissional (conhecida por burnout), correspondente ao depauperamento físico e mental. Este pode ocorrer em todos aqueles que exageram a afirmação e a realização profissional, ao ponto de a transformarem em obstinação e compulsão, que se traduz em efeitos negativos para a organização, para o indivíduo e para a profissão. Mas este exagero ainda pode ser mais grave, como se passou a verificar desde algum tempo no Japão, com extensão a outros países, em que morrem pessoas por excesso de trabalho. Acredita-se que estas mortes, conhecidas por “karoshi” apareceram como resultado da existência de uma norma social que privilegia o trabalho acima da família, o que leva algumas pessoas a excesso de horas de esforço diário, sem dias de descanso, como se fossem abelhas.

Numa altura em que algumas pessoas estão extraordinariamente sobrecarregadas profissionalmente, ao ponto de sentirem a necessidade de fazerem um esforço para não perderem terreno, se superarem, e não perderem a carreira, importa a consciencialização de que «a vida não é uma maratona», mas sim «uma série de corridas de velocidade» (Mckenna, 2009). Ou seja, só se consegue desenvolver a força e energia necessária para tirar o máximo partido das capacidades, se formos capazes de alternar os períodos de actividade intensa com períodos de tarefas ligeiras e descanso.

E o mesmo autor recomenda que se acrescente tempo de qualidade para recuperação a uma agenda muito preenchida, e se tire partido de um fenómeno natural, o período de descanso ultradiano, que complementa o ritmo circadiano. Ou seja, em cada 90 a 120 minutos passamos de um tempo de elevada energia, em que o nosso corpo se reestrutura, se regenera e se equilibra, para um período de descanso, em que a energia é fraca. E o que precisamos nos últimos 10 a 20 minutos é reforçar esse descanso, o nosso restabelecimento, descontraindo, repousando, relaxando, fazendo uma pausa nas tarefas que estamos executando.

Não podemos trabalhar e empenharmos nas tarefas de cada dia contínua e compulsivamente, antes necessitamos de aproveitar os ciclos naturais de actividade e de descanso, intrínsecos ao nosso corpo e mente. Enfim, os sistemas de energia do nosso corpo estão melhores «se os ligarmos quando estão completamente carregados e depois os desligarmos novamente».

Referências
Matisse, H. (1908). Notes d´un paintre. La Grande Revue, Paris, 25.
Bierce, A. (2003). The Devil's Dictionary: Overwork. London: The Folio Society
McKenna, Paulo (2009). Controle o stress: Deixe-se de preocupar e sinta-se bem agora! Alfragide: Lua de Papel.

Aurélio Pamplona

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 520 de 04 de maio de 2018.