Jornal da Praia

PUB

CRÓNICAS DE LISBOA: CRISTIANO RONALDO E OS OUTROS

Sexta, 08 de Junho de 2018 em Opinião 170 visualizações Partilhar

CRÓNICAS DE LISBOA: CRISTIANO RONALDO E OS OUTROS

Na gíria futebolística, poder-se-ia dizer; “Ronaldo e mais dez”, porque uma equipa que tem um craque que está a “anos luz” dos outros, acaba por jogar e agir em torno da estrela. Feliz ou infelizmente, na seleção portuguesa, tem sido assim desde que Ronaldo emergiu como uma “estrela maior” do futebol desta última década. O êxito da “nossa equipa” depende muito da eficácia e inspiração de Ronaldo, porque, alem de ser um excelente futebolista, ele é também um verdadeiro atleta e líder, que puxa a equipa para os êxitos.

Além dos êxitos desportivos ou por força destes, na seleção portuguesa e ainda mais nos dois grandes clubes por onde passou - Manchester United e Real Madrid -, depois de ter sido transferido Sporting, ainda jovem, Ronaldo tem sido o maior embaixador de Portugal, levando o nome do nosso país aos “quatro cantos do mundo”. Se para muitos, ele é um verdadeiro ídolo, para outros ele é o “adversário a abater”, porque a inveja é um pecado capital, incluindo muitos portugueses. Mas os êxitos pessoais mostram que Ronaldo vai ficar na historia do futebol mundial por muitos anos, ao lado de muitos ídolos do passado, mas também dum grande jogador argentino da atualidade - Lionel Messi. Contudo, este é um genial futebolista, qual verdadeiro rato atómico, enquanto Ronaldo pode ser considerado um autêntico atleta, isto é, equiparado aos atletas da Grécia antiga. Infelizmente para nós, portugueses, o final do futebolista Ronaldo aproxima-se do fim da sua carreira, deixando um vazio no universo futebolista, pois não se vê, no presente, nenhum jogador que possa seguir as peugadas de Ronaldo ou mesmo de Luís Figo, o seu antecessor no estrelato português e mundial.

Mas Ronaldo não tem sido apenas um futebolista, dentre os melhores de sempre, como milhares de outros de elevado valor futebolístico, pois ele é um exemplo e uma referência, como homem, apesar dalgumas “extravagâncias”, próprias de alguém com muito dinheiro, e algumas originalidades no campo da paternidade, que só a ele dizem respeito. Desde a sua origem social e a “solidão e falta de apoio familiar” que, mesmo em ambientes de pobreza, as crianças e os jovens preferem a outros bem melhores materialmente, aquando da sua vinda do Funchal para Lisboa, aos 14 anos para o “lar do jogador” do Sporting, Ronaldo deu mostras que os grandes homens vencedores na vida, seja qual for a área profissional, se moldam com as características que ele, desde criança, deu mostras. Ele é o exemplo perfeito dos vencedores, ainda com maior mérito, porque partiu do grau mais baixo da pirâmide social e que, por isso, a primeira grande de vitória de cada um é vencer esse fatalismo. É uma tarefa de “sangue, suor e lágrimas”, mas, cada etapa, é celebrada, muitas vezes em solidão, como uma grande vitoria pessoal. Sei do que falo.

Ronaldo é também um excelente exemplo para muitos dos futebolistas que ganhando muito dinheiro ou mesmo “rios de dinheiro”, porque uma percentagem elevada deles, do topo, acabam a carreira, por volta dos trinta e poucos anos, sem poupanças, pois tudo gastaram em luxos e extravagâncias. E, mais triste ainda, sem nada saberem fazer profissionalmente, pois a sua formação escolar é média-baixa e, pior ainda, cheios de vícios. A idade com que eles acabam a carreira futebolista, é sensivelmente aquela em que muitos outros cidadãos se iniciam na vida ativa regular. Durante cerca de década e meia, eles viveram em torno do futebol e descuraram a sua formação escolar e profissional e, infelizmente, acabam por cair no meio social donde vieram, mas com muitos vícios e sem horizontes profissionais. São poucos os exemplos dos desportistas que souberam gerir os seus proveitos e também investir na sua formação escolar e profissional. Esta é uma área onde os clubes falham, aquando da formação futebolística, mas também já na plenitude do futebol sénior (jogador acima dos 19 anos), em todas as divisões das competições, embora nesta fase os seus agentes, que vivem, alguns luxuosamente, do agenciamento dos contratos daqueles, sejam moralmente responsáveis, porque a sua função deveria ser também de aconselhamento e de gestão dos proveitos dos seus agenciados. Alguns são mesmo os “coveiros da desgraça” de muitos jovens futebolistas e não só. Não nos esqueçamos que a vida dum futebolista se situa numa fase de muita imaturidade do homem e que, por isso, sonhos, pressão e dinheiro podem levar a “maus caminhos”. Ora Cristiano Ronaldo, apesar de pertencer a outro universo futebolístico, deveria ser olhado por todos os candidatos a futebolistas e também por todos aqueles já bem posicionados no “mundo da bola”, como exemplo a seguir, porque ele é um vencedor. Aliado à sua elevada autoestima, a ambição e capacidade de sacrifício fizeram dele um ÍDOLO, (sem pés de barro). Ele faz questão, como em tempos disse publicamente, de não “cuspir no prato onde comeu”, numa alusão ao reconhecimento para com todos aqueles que contribuíram para o seu sucesso, principalmente ao Sporting (e seus tutores) e ao Manchester United, cujo “manager “(Sir Alex Ferguson) foi e o considera como um pai. A verdadeira “escola” dos futebolistas são os clubes por onde passam, muitos desde tenra idade, e alguns esquecem-se disso. A humildade não está em paralelo com origem social da maioria dos jogadores.

Pena é que Ronaldo já esteja a acabar….

Serafim Marques
Economista