Jornal da Praia

PUB

A IMPORTÂNCIA DA CULTURA E POLÍTICOS

Sexta, 08 de Junho de 2018 em Opinião 128 visualizações Partilhar

A IMPORTÂNCIA DA CULTURA E POLÍTICOS

É com um misto de tristeza e revolta que trago o tema desta crónica ao espaço público quinzenal, não apenas por estar na berra, mas sobretudo pela importância de que se reveste para a nossa condição de cidadãos e felicidade de seres humanos com deveres e direitos sociais de participação como actores da história. A sociedade civil deste país e do nosso arquipélago exigem esse esforço e merecem-no. Por isso aqui estou.

Tenho abordado algumas questões culturais com pouco ou nenhum êxito, em vários locais e por diversos meios, ao longo do tempo vivido. Com o andar incessante e cada vez mais vertiginoso dos anos, sinto-me cansado de pregar aos peixes e envergonhado como cidadão pelo que vem acontecendo, recorrentemente, no mundo em que habitamos, onde tanta falta faz o amor, a paz, a compreensão, a justiça e a cultura, no sentido mais lato do termo.

Felizmente, nos últimos dias, esta última vem assumindo movimentos de contestação por parte dos artistas e intelectuais portugueses, contra as medidas governamentais destinadas ao sector da cultura, que nos mantêm na cauda dos países da União Europeia. Isto é muito preocupante. Por mim, tenho feito o que posso, defendendo e apoiando projectos sociais, muitas vezes sacrificando, para além do razoável, o bem-estar, os lazeres e e as economias familiares com iniciativas realizadas, a título gratuito, e sem nenhuns interesses partidários desde 1988.

Reconheço que não estou sozinho nessa reivindicação de mais apoios e melhores condições de trabalho para os trabalhadores culturais. A sociedade, a democracia reclamam-no; a arte e a cultura merecem-no. Sei que há muita gente devotada a essas áreas e ávida de participar na construção de um país melhor e mais justo, neste mundo atribulado que nos deve preocupar a todos. Um mundo fraterno, a que todos aspiramos, não pode ser privado dessa cultura a que todos os humanos têm direito de usufruir, porque ela constitui um bem inestimável para o integral desenvolvimento de cada um, vivendo aqui ou em qualquer outra latitude.

Segundo dados publicados num Relatório da União Europeia Portugal Cultural, em Bruxelas, o nosso País no que concerne aos valores do PIB cultural surge com os piores valores (1,4 por cento, estando na 3ª ou 4ª posição da cauda europeia). No contexto nacional, sublinhe-se que, apesar desse facto, ele vem como 3º contribuinte, logo a seguir aos produtos alimentares, bebidas e têxteis (1,9 por cento cada).

O valor consignado para a cultura, nos últimos três anos, foi de 0,4 por cento, no máximo. Custa a acreditar mas é a realidade dos números e não vale a pena sonegar os factos, nem falsear ou manipular estatísticas, por vezes divergentes e ao sabor dos condicionalismos e das sondagens.

Ainda há nove meses, no Dia do Autor Português, referia-me na BPARLSR de Angra do Heroísmo, aos critérios de desigualdade entre os apoios atribuídos pelo Estado Português às artes e à cultura, e os destinados ao futebol(em detrimento das outras modalidades desportivas). Para as primeiras tostões  e para o futebol milhões.

Nem sequer com a recente distinção do Fado como património mundial da UNESCO, nem a votação vitoriosa de uma canção portuguesa no Festival da Eurovisão, muito elogiadas e incensadas pelos políticos, na Assembleia  da República, conseguiram convencer o governo socialista (ou da gerigonça como é vulgarmente  conhecido), a alterar o nosso triste e serôdio cenário da cultura, apesar de dito de esquerda.

Vimos assistindo, desde muitos anos, à reivindicação de 1/ por cento para a cultura. Com tantas picardias estatísticas; tantas declarações de amor e de “paixão pela educação” (Gutterres dixit. Cuidado, tem direitos de autor); tantos sublimes textos escritos; discursos orais inflamados, em prol da cultura, e as famigeradas e habituais promessas de apoio aos agentes culturais, no calendário das campanhas eleitorais, e até agora pouco ou nada se viu. A prova disso foram as recentes manifestações em várias cidades do País.

De pouco serviram as polémicas, diatribes e  questões  menores, ou de lana caprina, que não levam a nada, como a de saber se é mais importante ter um ministro ou um secretário de estado, à frente da cultura, não se dando ouvidos aos agentes culturais, que estão no terreno, conhecedores como ninguém dos problemas, e sabendo o que se deve fazer em cada situação, bem como articulá-las numa autêntica política cultural, sólida e planeada, para lá dos calendários eleitorais e dos interesses partidários ou de grupos.

 

E neste momento, por associação de ideias, ocorre-me dois exemplos que tenho bem presentes: os de Luís Miguel Cintra e Jorge da Siva Melo, meus estimados colegas de Filologia Românica, na Faculdade de Letras de Lisboa, nos auspiciosos anos sessenta de saudosa memória, que tanto vêm labutando e lutando pelo prestígio do teatro em Portugal. E  para concluir, uma pergunta se impõe:

Será que a cultura é essencial ou não para o indivíduo e a sociedade? Eis a questão.

É essencial e dela emerge uma cidadania mais enriquecida, porque melhor informada e mais participativa. A cultura é mais importante que os produtos comerciais, na medida em que ela própria fomenta o desenvolvimento intelectual, económico, científico, artístico e desportivo. A cultura é um sistema para a consecução de determinados fins, e não o contrário como pretende o capitalismo neoliberal, sem coração nem pejo, utilizando todos os  meios possíveis para aumentar os lucros sempre cada vez acrescidos.

E as artes serão meras bagatelas para ornamentação pessoal? Respondo com o que escrevi, na página 237 do livro, «Pegadas de uma Caminhada»:

«A Arte não é, pois, ouropel, verniz estaladiço, snobismo social, flor na lapela, mas sim uma excepcional forma de enriquecimento pessoal, um refúgio contra a mesquinhez, a superficialidade, a poluição verbal vazia de conteúdo. Não é uma mera mercadoria como se verifica pela especulação financeira das telas, das estátuas, das peças musicais.(...). É antes um meio aliciante e extraordinário para o homem encontrar-se consigo próprio, ser feliz, e interpretar o universo que o rodeia e transcende, e cuja cosmogonia conduz a um ente superior».

António Neves Leal

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 519 de 20 de abril de 2018.