Jornal da Praia

PUB

D. FREI ALEXANDRE DA SAGRADA-FAMÍLIA

Quinta, 07 de Junho de 2018 em Opinião 128 visualizações Partilhar

D. FREI ALEXANDRE DA SAGRADA-FAMÍLIA

Há exatos 200 anos, a 22 de abril de 1818, morria, em Angra, D. Frei Alexandre da Sagrada-Família, 25º Bispo de Angra e Ilhas dos Açores de 1816 a 1818, tio do escritor Almeida Garrett, introdutor do Romantismo em Portugal. Foi o 1º Bispo de Angra e Ilhas dos Açores nascido no próprio arquipélago açoriano (só existiram 2, D. Frei Alexandre e mais recentemente o 38º Bispo de Angra, D. António de Sousa Braga, nascido em Santa Maria), além de ser um humanista, foi um homem das letras, um poeta, que influenciou o seu sobrinho.

Alexandre José da Silva (ou segundo outros biógrafos António Ferreira da Silva) nasceu na ainda vila da Horta, no Faial, a 22 de maio de 1737, filho do alferes José Ferreira da Silva, lisboeta, e de Antónia Margarida Garrett. Foi batizado pelo ouvidor Domingos Pereira Cardoso, uns dias depois, a 2 de junho, na Igreja Matriz da Horta. O casal teve 10 filhos e alguns, tal como Alexandre, acabaram por seguir a vida eclesiástica. Alexandre terá sido um aluno aplicado e diligente, tanto que os frades do Convento de Santo António da Horta declararam que estavam terminados os seus estudos "por não ter mais que ensinar".

Ordenado presbítero em 1758, na vila da Horta, aos 21 anos, Alexandre José da Silva ingressou na Universidade de Coimbra, onde se formou em Teologia, em 1759, tendo também aprofundado estudos em Direito Civil e Canónico, em Geografia e em Matemática. Depois entrou como noviço no Seminário dos Menores Observantes Reformados no Convento de Nossa Senhora dos Anjos de Brancanes (já inativo), em Setúbal, a 11 de junho de 1761. Pouco mais de um ano depois, a 13 de junho de 1762, professa neste mesmo Convento, adotando o nome de Alexandre da Sagrada-Família, por qual passou a ser conhecido nos anais da História. Tornou-se um erudito e orador reconhecido e aclamado.

Alexandre da Sagrada-Família adotou as regras de pobreza dos franciscanos mas nunca deixou de pregar com eloquência. Sabia fazer da palavra uma ferramenta para a transmissão dos seus ensinamentos. Chegou a escrever poemas de estilo neoclássico francês sob o pseudónimo de Sílvio. Frequentou os conhecidos e aclamados serões literários da 4ª marquesa de Alorna, D. Leonor de Almeida Portugal de Lorena e Lencastre, com quem mantinha uma relação estreita. Pensa-se que terá escrito muito mais durante este período e depois até ao fim da sua vida, contudo não se sabe para onde foi todo o material produzido pelo futuro Bispo açoriano (era talvez necessário tentar descobrir onde se encontra este espólio que nos poderia elucidar melhor sobre este homem e sobre a Cultura Portuguesa da época).

A Rainha D. Maria I nomeou D. Frei Alexandre da Sagrada-Família, a 24 de outubro de 1781, como Bispo de Malaca e Timor, confirmado por bula de 16 de dezembro de 1782, tendo sido sagrado na Igreja da Trindade, em Lisboa, a 24 de fevereiro de 1783. Mesmo com a sua confirmação para partir para o Oriente, não chegou a fazê-lo, acabando por ser nomeado governador e administrador do bispado de São Paulo de Luanda, então com jurisdição sobre Angola e a região do Congo. A bula papal de confirmação data de 15 de fevereiro de 1784. Partiu para Angola, para assumir a administração do Bispado de Angola e região do Congo a 6 de abril de 1784. Foi-lhe reconhecido mérito na reforma religiosa da colónia portuguesa, assim como da missionação da região. Quando se preparava para receber a transferência para o cargo de bispo titular da diocese de Luanda, D. Frei Alexandre entrou em desentendimento com o capitão-general de Angola, José de Almeida e Vasconcelos, o que fez com que a Coroa o visse como um problema, adiando a execução da Bula de nomeação para Bispo oficial. Triste e desanimado com a Coroa, voltou a Lisboa, em 1788, tendo-se recolhido ao Convento de Brancanes, em Setúbal.

Quando se deu a 1ª Invasão Francesa, Alexandre da Sagrada-Família foi escolhido pelo General Junot, em 1808, para fazer parte da delegação portuguesa que tinha a missão de ir até França para cumprimentar o Imperador Napoleão. Contudo, D. Frei Alexandre recusou-se terminantemente a ir saudar Napoleão, dizendo que os seus soberanos eram a Rainha D. Maria I e o Príncipe Regente D. João (futuro D. João VI). Com a 2ª Invasão Francesa e o alastrar da Guerra Peninsular, D. Frei Alexandre partiu para a Terceira, juntando-se assim ao seu irmão, o cónego Inácio da Silva Garrett, residindo ambos em uma casa da rua de S. João, em Angra. Com o irmão encontrava-se o seu sobrinho João Baptista da Silva Leitão de Almeida Garrett, filho de outro seu irmão, António Bernardo da Silva Garrett. Este esteve com o tio alguns anos, tendo obtido de D. Frei Alexandre uma educação esmerada e aberta à literatura e às letras.

Frei Alexandre viajou duas vezes até ao Rio de Janeiro, no Brasil, onde se encontrava o Príncipe Regente. A primeira dessas viagens se deu em 1811, D. Frei Alexandre pretendia pedir benesses a D. João para os seus familiares. Quando ainda estava na Corte soube-se da morte do 24º Bispo de Angra e Ilha dos Açores, D. José Pegado de Azevedo. Assim, o Príncipe Regente, em 1812, o nomeia para o Bispado açoriano, faltando apenas a confirmação papal. Em 1813, o novo Bispo de Angra e Ilhas dos Açores chegou à sua diocese, ficando em Angra a aguardar a confirmação papal, que tardava em não chegar. Partiu de novo para o Rio de Janeiro para saber da confirmação da Santa Sé. Sem resultados. Regressou a Angra em 1814, onde permaneceu à espera da sua confirmação, mas não deixando de exercer a sua influência em todos os assuntos que achava necessários. Só em julho de 1816, quase 4 anos depois da nomeação régia, foi confirmado Bispo de Angra e Ilhas dos Açores pelo Papa, tendo a oposição do cabido para a tomada de posse como novo Bispo, visto que a nomeação veio diretamente até Angra, não passando pelo Rio de Janeiro, onde se encontrava a Corte. Depois desta situação estar resolvida, nomeou arcediago (vigário-geral encarregado, pelo bispo, da administração de uma parte da diocese) do Bispado, o seu irmão Manuel Inácio da Silva.

Em dezembro de 1816, aconteciam finalmente as cerimónias solenes da aclamação do novo Bispo açoriano, D. Frei Alexandre da Sagrada-Família, já com quase 80 anos, na Igreja da Misericórdia. Mesmo já não sendo jovem, exerceu com força e vigor as suas funções eclesiásticas. Um dos seus primeiros atos foi fazer uma incitação ao clero para se fazer uma coleta de esmolas para a manutenção da presença católica na Terra Santa. Foi interinamente Capitão-general dos Açores aquando da saída de Aires Pinto de Sousa Coutinho (20 de agosto de 1816), e até à chegada de Francisco António de Araújo, a quem deu solenemente posse a 14 de maio de 1817.

Frei Alexandre da Sagrada-Família morreu a 22 de abril de 1818, tendo sido sepultado na capela do Convento de Santo António dos Capuchos de Angra, atualmente em ruínas. Neste mesmo convento, o seu sobrinho Almeida Garrett se aquartelou em 1828, como voluntário liberal em nome da rainha D. Maria II.

Hoje em dia, em um ano que passam dois séculos sobre o desaparecimento de D. Frei Alexandre da Sagrada-Família, devemos relembrar este açoriano, este Bispo de Angra e Ilhas dos Açores, assim como devemos perceber nos seus votos de pobreza e ajuda ao próximo, a necessidade crescente que devemos ter de ajudar o próximo. A Terceira está a atravessar uma fase menos positiva, mas não devemos negar apoio a quem precisa e, sobretudo, lutar para que a Ilha se levanta, se renasça e cresça social, cultural e economicamente. A Terceira precisa de todos nós.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 519 de 20 de abril de 2018.