Jornal da Praia

PUB

A JANGADA DE AMOR

Segunda, 04 de Junho de 2018 em Opinião 385 visualizações Partilhar

A JANGADA DE AMOR

A condição que a terra dava, fazia dele um oprimido na ilha sã. A condição de um homem não devia ser inimiga da sua felicidade, mas também o berço não devia ser tão decisivo na vida de um ser. Nascer na ilha era a continuação de uma história de orgulho, pelo passado dos entes queridos, que tinham aprendido a decifrar o tesouro que era ser ilhéu. Mas aquele ilhéu não suportava a ideia da solidão amorosa a que se tinha reduzido, apenas porque a sua condição e nascimento assim o tinham obrigado.

O mar seduzia a alma daquele que já tinha sido vítima da força poderosa do continente amedrontado pelo excesso de água. Conseguia ser pessoa numa ilha isolada e num continente dividido em regiões e sub-regiões. Conseguia suportar as horas e os dias na cidade grande ou no lugarejo pequeno. Não via com inquietação a diferenciação natural que o sangue cria, por ser o elo que apega à terra mãe.

As horas que passara no país continental fizeram dele um homem mais sábio e mais compreensivo face à ofensiva dos seus semelhantes. Embora tímido e calado, cumpria de forma insistente a sua condição, pelo que ansiava o regresso ao rochedo erguido no mar, que era a sua casa. A cidade tirou-lhe aquela timidez ultrapassada e o excesso de novidade, inovou-o interiormente. Nunca tinha pensado que o país era o espaço decisivo para o seu crescimento como homem, porque embora fosse ilhéu de condição, tinha em si, lugar para se expandir.

A rotina fez-lhe dar de caras com o amor da sua vida. Essa boçal inimiga, o que mais temos próximo de eterno na vida, fez-lhe conhecer o degrau que faltava subir no processo que a criação exige. O amor. Na sua mente, o amor era complexo.

Um retrato pincelado pelas experiências da vida, cujo resultado era o trabalho de dois pintores. Nessa cidade preenchida de gentes várias, deram-se de caras e amaram-se depois de se conhecerem. Porque o conhecer afincadamente é ser fiel ao amor verdadeiro. Porque o nascer assim obrigou, o ilhéu não era de onde o amor tinha sido criado. A condição envolvia-se na relação e teimava em impor-se ao amor, sendo que a distância ajudava no papel de vilã. Ser de uma ilha, longe do país, não podia ser condicionante intransigente do romance sincero. Havia que ultrapassar os perigos de um regresso definitivo ao pedaço de terra erigido acima do oceano. Um só pedaço de terra isolado, um oceano inteiro de água duvidosa e um continente preenchido por países não podiam fazer parte do leque de inimigos dos amados.

Entre a ilha e o país, a distância não importava em demasia, mas era um número que por si só, excedia o défice de atenção e aumentava a ânsia de amor que cada um devia ao outro. Ela tinha ficado na cidade grande e ele voltava ao lugarejo. Tinham em si a convicção de que isso seria um parágrafo confuso da história de amor, na qual eram narradores participantes. A bruma impedia que o horizonte fosse descoberto para lá da linha que o faz existir. O ilhéu não via da sua ilha o corpo sedutor daquela que o tinha feito cativo. Não havia forma de ver terra alheia, onde ela estava, sedenta da recuperação da narrativa deixada por escrever, após a partida. A única decisão possível era que a ilha se unisse ao país.

Talvez através de um vulcão potenciado pela força da mente, que criasse uma ponte eterna entre os dois espaços. Regressar de forma intermitente, sem que fosse para sempre, não era o que o amor pedia perante o cenário triste. Os dois amados queriam que as terras se unissem, e não seria difícil certamente, uma vez que os continentes já estiveram todos unidos. Podiam aguardar uma eternidade, para que as placas tectónicas cumprissem o seu dever de unir um amor rasgado pela sentença da condição humana.

Os pensamentos irracionais que lhes ocupavam as ideias, faziam com que eles fossem servos da espera, que a vida não aguentaria por muito mais tempo. A loucura de pensar na união das terras era o refúgio que a mente tinha encontrado para não se magoar.

Era bom que a ilha fosse uma jangada de amor, que ao desprender-se do fundo do mar, fosse até ao continente e se apegasse a ele com toda a força. Seria a maior prova de um amor sem fronteiras. Só a força dos deuses podia realizar tal pedido. Nem que fosse apenas todas as noites, em sonhos de amor e felicidade. A jangada do amor, a ilha a flutuar no mar, devia chegar ao destino que os deuses exigiam, depois de a fé ser o caminho para sanar os efeitos danados de um amor corrompido pela natureza. Só o sobrenatural podia anular as anomalias que a ciência explicava. E só o amor como elo de ligação.

Emanuel Areais

NE: Conto publicado na edição impressa n.º 517 de 23 de março de 2018