Jornal da Praia

PUB

SITUAÇÃO FINANCEIRA: CÂMARA DA PRAIA EM “ESTADO DE NEGAÇÃO”, DIZ PSD DA PRAIA DA VITÓRIA

Sexta, 01 de Junho de 2018 em No Concelho 80 visualizações Partilhar

SITUAÇÃO FINANCEIRA: CÂMARA DA PRAIA EM “ESTADO DE NEGAÇÃO”, DIZ PSD DA PRAIA DA VITÓRIA

A bancada do PSD na Assembleia Municipal da Praia da Vitória lamentou hoje a postura da Câmara Municipal, e dos deputados municipais eleitos pelo PS, face “a uma situação financeira muito grave do município”, conforme diz um recente Relatório do Tribunal de Contas (TdC): “A Câmara está a reagir com um estado de negação que raia o absurdo”, disse Clélio Meneses, o líder da bancada do PSD.

“Há um excesso de endividamento que revela uma enorme instabilidade financeira, e que obrigará à tomada de medidas que vão afetar os cidadãos do concelho, numa realidade que é muito preocupante”, frisou, após a reunião extraordinária desta manhã, requerida pelos sociais-democratas.

O deputado municipal considerou que a Câmara Municipal “não fez uma interpretação diferente da nossa em relação ao documento do TdC”, mas antes “vive mesmo numa realidade diferente”, enquanto o PSD, “é quem parece estar verdadeiramente preocupado com as consequências que daqui poderão advir. E que é esta Câmara que tem de solucionar”, sublinhou.

“Há um excesso de endividamento da autarquia, de 118% relativamente ao que seria legal”, ou seja, a Câmara “que dizia ter uma dívida de 7 milhões de euros, afinal deve 24 milhões, mesmo se o presidente da autarquia diz que são 20, quando antes era quem dizia que eram 7 milhões”, explicou Clélio Meneses.

“O relatório é bem claro, e indica que a Câmara arranjou diversas operações financeiras, utilizando as empresas em que participa, para desorçamentar e desviar pessoas, funcionários, dinheiro, e mesmo património, do controlo público, num conjunto de ações que são ilegais”, adianta.

Para Clélio Meneses, “mais preocupante ainda é a reação do presidente da Câmara, que assobia para o lado, foge do problema, e não assume que estamos perante uma situação de extrema gravidade. Acompanhado pelos representantes do PS, que entraram mudos e saíram calados de uma reunião da Assembleia Municipal que tratava de um assunto com esta dimensão”, concluiu Clélio Meneses.

GI-PSD/JP