Jornal da Praia

PUB

ORFEÃO DA PRAIA NAS BODAS DE PRATA

Sexta, 01 de Junho de 2018 em Opinião 124 visualizações Partilhar

ORFEÃO DA PRAIA NAS BODAS DE PRATA

Quando há 25 anos, me inscrevi como coralista com seis anos de participação no naipe dos baixos, estava longe de pensar que estaria hoje a celebrar um quarto de século, aqui sentado à mesa da confraternização com vários amigos e colegas.

Os começos do grupo não foram tempos fáceis. Os pioneiros ou cabouqueiros deste projecto sabem por experiência pessoal todos os sacrifícios, mudanças de sede e imprevistos de última hora que tivemos de superar por amor à arte e sem ferir o respeito pelos familiares e o público. Muita dedicação, compreensão, generosidade, disciplina e camaradagem rechearam tantos anos hoje recordados, com altos e baixos, é certo, mas sempre com vontade de atingir o belo e fazer o melhor para o colectivo que justificava os nossos dois encontros semanais.

E nada mais apropriado, para o início das comemorações desta efeméride jubilosa, do que a Missa das 17.30 horas, que foi cantada, no passado dia 10 de março pelo Orfeão da Praia da Vitória com o belo acompanhamento da Filarmónica da vizinha Vila das Lajes, cujo trabalho conjunto conferiu merecida solenidade numa simbiose muito agradável, proporcionando momentos de elevação a que não ficaram alheias as muitas pessoas que encheram toda a nave central da Matriz praiense.

O próprio celebrante, na homilia, não deixou de felicitar o grupo aniversariante como sempre fez nos anos anteriores, frisando a dedicação e o papel que ele tem desempenhado para a projecção do nome da nossa terra e, particularmente, do concelho e cidade da Praia da Vitória.E todo esse trabalho à custa de tantos sacrifícios familiares e dos escassos tempos livres dos seus membros, dos que lá estão, por lá passaram e dos infelizmente já falecidos.

Terminada a Missa de acção de graças, os orfeonistas e convidados dirigiram-se ao “Restaurante Sabores do Atlântico”, no qual foi servido o jantar comemorativo das bodas de prata. Nele participaram cerca de cinquenta pessoas. Para além dos coralistas e alguns familiares, compareceram o vereador da cultura em representação da Câmara Municipal da Praia da Vitória, o presidente da Junta de Freguesia de Santa Cruz , a primeira directora musical do Orfeão e o provedor da Santa da Misericórdia, ambos elementos da comissão instaladora.

Foi graças a essa comissão, reunida no dia 6 de março de 1993, que se fundou o Grupo Polifónico do Ramo Grande, numa terra com antiga, longa e rica história de ralizações musicais. Era constituída por D. Fátima Gonçalves, Dra. Luísa Alcobia, Dr. Cota Moniz, Pe.Dr. Costa Freitas e Francisco Ferreira.

Após a “certidão de nascimento” , assinada pelos cinco subscritores, iniciaram-se os trabalhos de selecção das vozes, seguidos de dois ensaios semanais que se efectuavam na Ermida dos Remédios, sede provisória do orfeão, durante quatro anos.

«Com o o seu crescimento, os ensaios de conjunto passaram a ter lugar na Igreja do Santo Cristo, até que foi possível ocupar a primeira sede, com a compreensão e boa vontade de várias entidades, merecendo especial realce a Câmara Municipal da Praia da Vitória, a Junta e Paróquia de Santa Cruz, a Santa Casa da Misericórdia e o Lar D.Pedro V.

O programa da primeira actuação, por ocasião das Festas maiores do Concelho, incluía uma Rapsódia Popular Portuguesa, vários temas de música açoriana e um espiritual negro. Desde então, o reportório continuou sempre muito variado no espaço e no tempo, utilizando diversos idiomas e com apreciável rigor linguístico.

O Orfeão vem marcando assinalável presença em muitas cerimónias que tem abrilhantado, tais como Encontros de Coros, efemérides importantes, festividades religiosas e profanas, Semanas Culturais, Congressos, etc.», como vem registado no meu livro (Sementeira de Sons, págs.191-192), publicado em 2006 e tão bem abrilhantado pelo nosso orfeão no dia do seu lançamento no Salão Nobre da Edilidade praiense.

A este respeito, a Presidente da Direcção, D. Duriana Meneses, enumerou no seu discurso várias participações e as localidades onde o orfeão se apresentou, tendo destacado as seguintes: Comemorações da elevação da Praia da Vitória a Cidade, Santa Maria da Feira (a primeira fora dos Açores), 500 Anos da elevação da Praia da Graciosa a Vila, Expo 98, Celebrações do meio milénio da fundação da Matriz das Velas, S. Jorge; Concertos pedagógicos em todas as freguesias do concelho praiense; Palácio da Independência de Portugal, em Lisboa e concertos em Aveiro, Estarreja, Vale de Cambra, Mira e Eirol, Bombarral, Alpiarça, Madeira, Resende, Espanha e Itália.

Foi nas duas deslocações a este último país que o orfeão teve a sua grande consagração e se guindou mais alto, ao participar no «7º Festival Internacional de Alta Pusteria», em 2004, na região paradisíaca do Sud Tirol (Alpes Italianos) , tendo sido o único coro das ilhas Atlânticas ali representado no meio dos cem coros aí congregados, totalizando mais de quatro mil pessoas, não incluindo os acompanhantes dos coralistas. Recorde-se que: « A sua  fama estende-se a toda a Itália, mormente à parte norte e centro do país, as mais ricas e com grandes potencialidades turísticas.» (in Sementeira de Sons, pág.197).

Duriana Meneses referiu ainda que, em 20 de junho de 1996, o 0rfeão foi distinguido pela CMPV, com a atribuição da medalha de valor cultural, tendo dois CD gravados. Actualmente, o Orfeão possui sede própria, cedida pela Câmara Municipal, sendo membro da Cooperativa Cultural.

E posseguiu, tecendo algumas considerações sobre o cantar em coro que não é o que muita gente pensa, como se prova pela transcrição seguinte:

«Às vezes pode parecer que cantar em coro é somente reunir algumas pessoas, aprender algumas melodias e depois executá-las de uma forma em que comecem mais ao menos todos ao mesmo tempo e igualmenta em relação ao final da execução. Isto poderá ser verdade quando em amigos as pessoas se encontram e se divertem de uma forma descontraída e sem responsabilidades estéticas.

Num Coro, para além de se aprender as melodias a executar, é necessário igualmente aprender a cantar, uma vez que ao constituir um Coro as pessoas assumem uma responsabilidade não só para consigo próprias, como para com todos os outros que se juntaram a si para a constituição do Coro, e ainda para com a comunidade. Sendo um Coro um veículo de cultura, quem assume a responsabilidade de fazer parte desse colectivo, assume por si a responsabilidade de colaborar no desenvolvimento estético da colectividade e essa responsabilidade significa que deve proporcionar àqueles que o vão escutar a melhor execução possível das obras que fazem parte da cultura da Humanidade». («Notícias da ACAL», 3ª série nº74 de Abril 2003, texto distribuído aos orfeonistas pela primeira maestrina).

Por fim, afirmou que a comemoração do 1º quarto de século de existência de uma associação é algo quase inédito pela sua raridade, e merece ser louvada e festejada. Desejou ao aniversariante as maiores prosperidades com muitos e bons anos, dizendo um bem-haja a todos pela sua ajuda. Seguiu-se depois a canção dos parabéns e a distribuição das fatias do bolo pelos presentes.

Viva o Orfeão da Praia da Vitória!

António Neves Leal

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 518 de 06 de abril de 2018