Jornal da Praia

PUB

O Culto ao Divino Espírito Santo

Sexta, 01 de Junho de 2018 em Editorial 191 visualizações Partilhar

O Culto ao Divino Espírito Santo

No passado dia 21 de Maio, comemorou-se o dia da Região Autónoma dos Açores, o Governo Regional, a Assembleia Legislativa Regional promoveram uma sessão solene na Vila da Madalena, na Ilha do Pico.

Vivemos em plena época das festividades do Espírito Santo, festa maior dos Açorianos, destas ilhas e dos espalhados pelo mundo.

O Professor Agostinho da Silva defendia que Portugal só podia enveredar por um novo e bom caminho, se se organizasse numa sociedade baseada na primitiva ideologia cristã, a do Sermão da Montanha, simbolizada nas Festas do Divino Espírito Santo, "O Espírito Santo da Terceira Era predito por Joaquim Flora".

O dia da Região, também conhecido pela Segunda Feira do Espirito Santo, “O Espirito é a pomba limpa e bela que voa livre”, semeando a solidariedade, a fraternidade e promovendo a liberdade entre todos.

De acordo com a tese defendida pelo Professor Agostinho da Silva seria um verdadeiro caminho para a paz, tão desejada e sempre ausente do meio familiar, social e no seio das nações.

A geografia não nos importuna, somos constituídos de mar e lava, baptizados no Espirito Santos, por isso não admira que o culto ao Divino Espirito Santo se encontre arreigado nas tradições açorianas desde os primórdios da colonização, até aos nossos dias, gerando no povo açoriano uma identidade muito própria.

Assiste-se a uma escalada de violência entre os Palestianos e os Israelitas, onde não se vislumbram um resquício de paz, e os homens teimam egoisticamente com fundamentos fúteis, e sem qualquer razão de ser, que em nada ajuda a pacificação das populações do Médio Oriente, e como se costuma dizer nem sempre tudo termina com o tempo, o tempo faz esquecer tudo, acaba com tudo, antes pelo contrário no caso em apreço aumenta o ódio, a violência por motivos políticos, religiosos, económicos e sociais nada democráticos, sem soluções à vista.

Nesta era de incerteza, torna-se necessário mudar as estratégias para que o ritmo actual do progresso tecnológico, sem precedentes na história da humanidade não desumanize mais o homem, destruindo a família e as nações.

Não queremos continuar a viver numa sociedade moldada por um espirito em que “os ricos são ensinados a ignorar os pobres, enquanto os pobres são ensinados a ignorar os seus verdadeiros interesses”, e que a inteligência é obrigatória mesmo que seja artificial, mas menosprezando a consciência, que será apenas facultativa.

Devemos “viver servindo, viver eliminando os problemas próprios para ter apenas os dos outros, viver com os pés no possível para atingir o impossível, no real para chegar o irreal e tão plenamente no presente que sempre é, ou seja no futuro saudade estimulante ou universalizante”.

O culto ao Divino Espirito Santo, vivenciado nestas paragens tem uma economia própria, cujo lema é a partilha solidária, não “só no banquete comum e livre…, nem na procissão que segue a pomba, no estandarte ou coroa, é a instalação de uma criança como Imperador do Mundo.

O Diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornalpraia.com

Foto: JEdgardo Vieira©