Jornal da Praia

PUB

PRAIA DA VITÓRIA DEBATE MAIOR ATRATIVIDADE DOS ESPAÇOS PÚBLICOS

Sexta, 25 de Maio de 2018 em No Concelho 261 visualizações Partilhar

PRAIA DA VITÓRIA DEBATE MAIOR ATRATIVIDADE DOS ESPAÇOS PÚBLICOS

No decurso do ciclo de fóruns “Pensar a Cidade do Futuro”, decorreu ontem, 24 de maio, na Academia de Juventude e das Artes da Ilha Terceira, a palesta “Reabilitação de Espaços Públicos”.

O ciclo de fóruns “Pensar a Cidade do Futuro” e uma iniciativa promovida pela Câmara Municipal da Praia da Vitória (CMPV) que convida a sociedade civil a participar e contribuir com as suas ideias e experiências na construção de uma cidade que se quer mais viva, dinâmica e desenvolvida.

Depois das reflexões sobre “Reabilitação Urbana – ARU+PDM” e “Incentivos ao Comércio Local”, na noite de ontem debateu-se a “Reabilitação de Espaços Públicos”, que assumem por definição um papel central naquela que é a vivência e vitalidade de qualquer área citadina.

Com uma assistência de cerca de 50 pessoas, o fórum foi moderado por Carlos Lima, médico e ex-presidente da CMPV e contou com os oradores: Manuel Oriz, engenheiro civil, chefe da Divisão de Investimentos e Ordenamento do Território da CMPV e Paulo Ribeiro, engenheiro civil.

Na qualidade de moderador, Carlos Lima, introduziu o tema realçando que os “espaços públicos são o ‘coração’ das cidades”, pelo que a vida que transmitem ou deixam de transmitir, é por si só, sintomático da sua própria saúde. Depois de considerações relativamente a iniciativa da CMPV que exaltou, advertiu que poderá revelar-se “perigosa” por vir a defraudar expetativas, passou à apresentação dos oradores oficiais da noite.

Manuel Ortiz, começou por dizer que a razão de todos ali estarem, a debaterem estratégias para a cidade do futuro é revelador da perceção de que algo no “presente está mal”. Neste sentido, apresentou exemplos de factualidades que afastam as pessoas do centro da cidade, como a organização do trânsito, as grandes superfícies comerciais e paragens de autocarros localizadas na periferia e também as circunstâncias deste novo mundo em que as pessoas não precisam de se deslocar às cidades para resolver determinados assuntos.

Feito o diagnóstico, passou para o que na sua ótica pode ser as soluções para dar mais vida aos espaços públicos. Começou por recomendar alterações “cirúrgicas” aos trânsito, como por exemplo alterar o sentido de certas ruas ou transformar ruas de apenas um sentido em dois. Embora tenha começado por considerar as alterações ao trânsito de “cirúrgicas” concluiu que quando se trata de trânsito, por vezes uma simples intervenção, implica um conjunto de alterações nas ruas adjacentes, acabando sempre por ter grande impacto. Sugeriu a criação de uma paragem de autocarros na rua da Graça. Defendeu uma maior interligação dos espaços públicos com pontos de atratividade entre eles. Propôs a criação nos espaços públicos de áreas partilhadas para colocação por exemplo de esplanadas, quiosques, e outros elementos que se venham a revelar atrativos. Recomendou a criação de mais espaços de atratividades como proceder à abertura de ermidas e impérios e até a colocação de mais floreiras espalhadas pelas cidades. Finalizou, transmitindo a ideia do “Poder do Dez” que definiu, “se cada espaço público possuir 10 pontos de atratividade e cada cidade possuir 10 espaços públicos, garantidamente, temos uma cidade com vida. À nossa realidade que não sejam 10, mas 5, e já estávamos muito bem”.

Paulo Ribeiro, fez um périplo por alguns espaços públicos da cidade, para os quais apresentou um conjunto de intervenções que considerou ousadas e “fora da caixa”, mas todas destinadas a dar maior beleza, funcionalidade e sobretudo vida à cidade.

Para o Largo da Luz, defendeu a criação de um Parque Iintergeracional, removendo as “barracas do turismo e as floreiras”, substituindo-as por árvores. No Mercado Municipal, defendeu a implementação do mercado biológico retirando-o da periferia da cidade. No Largo de Jesus, voltou a apostar na criação de um espaço mais próximo da natureza com a plantação de árvores e referiu que seria excelente se o edifício anteriormente utilizado pelo BANIF pudesse vir a ser convertido em restaurante. “Não temos um restaurante no centro da cidade”, disse. Na rua de Jesus, sugeriu uma melhor e mais apelativa iluminação pública, a sua cobertura parcial e a instalação de mais esplanadas e quiosques. No Parque de Estacionamento Urbano, defendeu a sua cobertura e transformação em parque de exposições, para realização de feiras e outros eventos, “a dois passos da rua de Jesus, onde estão os cafés e os estabelecimentos comerciais”, justificou. Para a Praça Francisco Ornelas da Câmara, defendeu a elevação dos passeios, a deslocalização da biblioteca municipal para o edifício onde já funcionou e a demolição do edifício conhecido por casa do Dr. Eugénio Neves para construção de um edifício com arquitetura contemporânea que funcionaria como ATL para todas as idades, aberto não só de dia como também nas primeiras horas da noite, batizando-o “Hub Criativo da Praia”. Para o paul defendeu uma zona ampla e interligada com as zonas envolventes, com um novo parque infantil, de maior dimensão e mais moderno, e uma zona para atividades ao ar livre apoiada por um espaço devidamente apetrechado para piqueniques, numa simbiose perfeita entre natureza, atividade física e convívio. Sintetizou que a melhor forma de construir o futuro da Praia da Vitória “é pensar a cidade para os que cá vivem de janeiro a dezembro, na certeza, que se ela for atrativa para estes também será para quem a visita”.

No espaço destinado à intervenção do público, surgiu basicamente duas ideias: Apostar neste grande vulto da literatura lusófona que é Vitorino Nemésio para colocar a Praia da Vitória na rota do turismo literário e de cultura, dando maior relevo, dinâmica e centralidade à casa que ostenta o seu nome, onde nasceu e que por largos anos viveu. A segunda ideia consiste em “virar a Praia da Vitória para o mar”, no entanto, não foi delineado qualquer setor de exploração específico (lazer, transportes, piscatórios, ou quaisquer outros).

JP – Online