Jornal da Praia

PUB

Corrupção e Corruptos

Quinta, 17 de Maio de 2018 em Editorial 355 visualizações Partilhar

Corrupção e Corruptos

Os politicos, os governantes devem ir ao encontro das pessoas, devem enveredar por acções que trilhem caminhos dignos na defesa do interesse público e pugnarem pelo desenvolvimento e bem estar, acima de tudo.

É dever daqueles, terem sempre como meta principal actuarem de forma clara, esclarecedora, e impoluta em matérias económicas e financeiras, lutando para que possa sempre pervalecer, a igualdade, a liberdade e a solideriadade como metas sempre aperfeiçoaveis e progressiveis.

Infelizmente no nosso país as coisas nem sempre correm de forma risonha, na verdade segundo um estudo divulgado recentemente e efectuado pela consultora EY a corrupção, a fraude e o suborno grassam em Portugal de forma arrazadora, ficando o nosso país muito acima da média dos países estudados (55 países).

Sobre as relações das empresas com o Estado e vice-versa, abundam noticias várias de corrupção, suborno e fraude, o mesmo sucede com as empresas entre si, ora toda esta panóplia extremamente negativa, geram situações caricatas e lamentáveis, contribuindo para minar gravemente a livre concorrencia entre os agentes económicos.

Os casos mediaticos, como por exemplo do Socrates, Manuel Pinho, Miguel Macedo, submarinos, do BPN, etc., devem envergonhar-nos a todos.

Finalmente o Partido Socialista quebrou o silêncio estarrecedor, através do Primeiro Ministro António Costa, que considera uma desonra para a democracia e Carlos Cesar, Presidente do Grupo Parlamentar do PS na Assembleia da Républica, sente-se muitíssimo envergonhado a ser verdade as denuncias sobre o caso Socrates e o caso Manuel Pinho.

Os partidos do arco da governação não estão imunes “a ovelhas negras” no seu seio, antes pelo contrário abundam factos arrasadores de suborno, fraude e corrupção, imbuídos de dolo intenso no plano criminal.

Os "jobs for the boys" apesar de ser uma vergonha nacional, tornou-se uma prática habitual entre os partidos do arco da governação, e pouco ou nada se tem feito para terminar com esta monstruosidade, que só quem não quer é que não vê.

A democracia não é comptatível com estas atitudes ilicitas que desonram os nossos politicos e governantes a nível nacional, regional e local, transformando a democracia em partidocracia, enfim a democracia está doente.

A vergonha com o que se passa com as passagens aéreas dos deputados insulares da Assembleia da Républica, o mesmo acontecendo com as residências dos deputados que vivem em Lisboa e indicam residências na provincia a centenas de quilometros da capital, com o único objectivo de obterem dinheiro de forma pouco digna.

Estas tristes situações, divulgadas nos média e nas redes sociais, leva a que o povo tome conciência no que de facto se está a passar, o que implica naturalmente uma descrença total na politica e nos politicos, um alheamento assombrante às coisas públicas e um aumento radical da abstenção no plano eleitoral.

"As prioridades dos que vivem em palácios sempre foram diferentes dos que vivem em barracas e isso dificilmente irá mudar no Século XXI".

O Diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com

Cartoon: Pedro Lopes