Jornal da Praia

PUB

Inércia da vida citadina

Quarta, 09 de Maio de 2018 em Editorial 615 visualizações Partilhar

Inércia da vida citadina

Recentemente têm sido publicados na imprensa local vários artigos onde se aborda de forma estarrecedora o movimento das pessoas na cidade da Praia da Vitória, “um local onde a vida parou, onde as pessoas desistiram de sair à rua e os comerciantes de vender… Visitei as outras ruas da cidade, ainda mais desertas, onde abundam espaços para venda ou para arrendar e todos os comerciantes se queixavam da falta de pessoas”.

Esta transformação na vida citadina não é recente, como sabemos, isto já vem agudizando há vários anos por diversas razões, sendo certo que as soluções encontradas para ultrapassar este quadro negro não tem tido a eficácia que à partida se pretendia.

O Professor Vitorino Nemésio nos seus escritos retrata-nos a vida da Vila da Praia da Vitória, onde realça o povo das freguesias do nosso concelho descendo à Vila da Praia da Vitória para resolverem as suas demandas judiciais no Tribunal, dando vida às ruas da urbe, animando o seu comércio, e realçando o orgulho que o povo sentia na restauração do Tribunal Judicial, na justiça de proximidade.

A anunciada próxima redução de trabalhadores na Base das Lajes (122), e a redução funcional do Tribunal da Praia da Vitória, tirando-lhe os Processos de Família, Menores e de Trabalho e a instalar na vizinha cidade de Angra do Heroísmo um Tribunal de Família, Menores e de Trabalho, certamente que irá contribuir ainda mais para letargia que reina na cidade da Praia da Vitória.

Onde estão as medidas para mitigar a redução da Base das Lajes, dos militares americanos e a consequente redução dos trabalhadores portugueses?

Os voos da Delta Airlines foram desviados para Ponta Delgada, o super computador doado pelos Americanos foi enviado para a Universidade do Minho, a Base de Lançamento de Satélites ficou na Ilha de Santa Maria e parte do Tribunal da Praia da Vitória vai ser transferido para Angra do Heroísmo.

A liberalização do espaço aéreo, a generalização do comércio online, em nada contribui para a prosperidade do comércio da capital do Ramo Grande, naturalmente que depende dos praienses e dos seus governantes assegurar e aplicar medidas e estratégias que põe cobro a esta nefasta situação, transformando e beneficiando particularmente a capacidade de inovação e adaptação aos novos tempos, aprendendo a agir e a preservar o valor do trabalho e o futuro do emprego, que se traduz na criação de mais riqueza para que possam beneficiar todos praienses, porque “quem não evita males, podendo e devendo, vem a ser causa de muitos males”.

Relativamente à redução funcional do Tribunal da Praia está ainda em tempo de a travar, pois em democracia as más decisões são sempre revogáveis e alteráveis, o que não sucede quase sempre em ditadura.

Basta de silêncios por parte dos partidos políticos que governam os órgãos do poder local do nosso concelho, e também dos partidos políticos da oposição acerca da desvalorização do Tribunal da Praia, porque o povo tem direito a ser informado, esclarecido das políticas que se irão tomar para resolver este assunto tão importante, e esta realidade a nosso ver é incontornável e sobre ela o Jornal da Praia sempre pretendeu chamar a atenção dos nossos leitores para os desafios e mudanças que lhe estão subjacentes.

O Diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornalpraia.com