Jornal da Praia

PUB

SIR FRANCISCO DE MENESES MEIRELES DO CANTO E CASTO, 1.º VISCONDE DE MEIRELES

Terça, 08 de Maio de 2018 em Opinião 1514 visualizações Partilhar

SIR FRANCISCO DE MENESES MEIRELES DO CANTO E CASTO, 1.º VISCONDE DE MEIRELES

Há exatos 116 anos, a 9 de maio de 1902, o terceirense Sir Francisco de Meneses Meireles do Canto e Castro era elevado por Decreto do Rei D. Carlos a Visconde de Meireles por todo o seu meritório trabalho enquanto diplomata, político, jornalista com reconhecimento público e crítico literário no periódico lisboeta Jornal da Noite.

Francisco de Meneses Meireles do Canto e Castro nasceu a 21 de novembro de 1850, em Angra do Heroísmo. Filho de Ana de Meneses de Lemos e Carvalho e de André Francisco Meireles de Távora do Canto e Castro, um político e funcionário das alfândegas, ambos de famílias proeminentes da História da Terceira. Meireles do Canto e Castro fez os seus estudos preparatórios em Angra do Heroísmo, tendo depois se matriculado na Escola Politécnica de Lisboa, preparando-se para seguir uma carreira de funcionário alfandegário, assim como o seu pai.

Enquanto estudante na capital portuguesa, Meireles do Canto e Castro começou a trabalhar como jornalista no Jornal da Noite, entrando em contacto com um mundo que o ajudou a desenvolver-se politicamente. Casou-se, a 3 de março de 1875, em Lisboa, com Maria Carlota da Costa Freitas com quem teria cinco filhos. Partindo logo depois do casamento para Moçambique, em específico, para a Ilha de Moçambique, onde trabalhou como técnico superior da Fazenda. Nomeado, pouco depois, como Diretor da Alfândega de Moçambique. Foi ainda escolhido como membro da Junta de Justiça e vogal do Conselho de Província de Moçambique. Tornou-se um funcionário reconhecido, sendo elogiado pelas altas entidades públicas com quem trabalhou. Ainda durante a sua estadia na Ilha de Moçambique, Meireles do Canto e Castro fundou uma Escola de Ofícios, tendo ajudar socialmente aqueles que mais precisavam.

Em 1878, Meireles do Canto e Castro mudou-se para a capital da província moçambicana, Lourenço Marques. O reconhecimento pelo seu trabalho, valeu a sua escolha para acompanhar o plenipotenciário conselheiro António Augusto de Aguiar na assinatura de um importante tratado aduaneiro entre os Reinos de Portugal e do Reino Unido sobre o funcionamento das alfândegas na Índia Portuguesa. Depois acabou por ir para Goa, onde exerceu as funções de ligação entre as alfândegas da Índia portuguesa e da britânica. Foi elogiado pelas suas capacidades diplomáticas na difícil tarefa de manter as boas relações entre os multiseculares aliados. Exerceu ainda a função de administrador-geral das alfândegas do Estado Português da Índia, tendo também a seu cargo a alfândega macaense.

Meireles do Canto e Castro foi nomeado, a 2 de outubro de 1882, cônsul-geral de Portugal em Bombaim, na Índia britânica, tendo de lidar com a contestação de Londres ao Padroado do Oriente (ligado ao Patriarcado das Índias Orientais). A sua capacidade de resolver a situação com sensibilidade política, certificou ainda mais o seu reconhecimento em Lisboa. Em 1891, Meireles do Canto e Castro em plena ascensão político-diplomática, foi nomeado para liderar o consulado-geral de Portugal em Bremen e Stettin, na Alemanha do Kaiser Guilherme II, além de exercer as funções de cônsul de 1.ª classe e agente comercial português junto da embaixada portuguesa na capital do Império Alemão, em Berlim.

Em maio de 1892, Meireles do Canto e Castro regressou a Portugal para exercer o cargo de secretário-geral da recém-criada Companhia de Moçambique, em Lisboa. Voltando a Moçambique, dois anos depois, em 1894, já como Governador dos territórios de Manica e Sofala, sob administração da Companhia de Moçambique. Instalado na cidade da Beira, em Sofala, desenvolveu aí uma forte política de desenvolvimento da região. Em 1895, Meireles do Canto e Castro visitou Umtali, Salisbúria e Bulawayo, territórios pertencentes às colónias britânicas sob administração da British South Africa Company (Companhia Britânica da África do Sul).

Meireles do Canto e Castro regressou a Lisboa em 1895, onde esteve cerca de ano e meio. Durante este período, em 1896, como recompensa pelo seu trabalho, D. Carlos fê-lo fidalgo do Conselho de Sua Majestade Fidelíssima. Regressou a Moçambique após a sua renomeação, a 15 de janeiro de 1897, para Governador de Manica e Sofala, devido, sobretudo, às crescentes tensões internacionais que se vivia na região entre Londres e os independentistas bóeres (descendentes de colonos calvinistas dos Países Baixos, da Alemanha, da Dinamarca e de França, que se estabeleceram na África do Sul nos séculos XVII e XVIII), no nordeste da África do Sul. Portugal encontrava-se perante uma situação complicada, pois a população portuguesa estava contra qualquer apoio ao Reino Unido após o Ultimatum britânico de 11 de janeiro de 1890, mas em termos políticos Portugal ainda mantinha uma aliança multissecular com o Reino Unido. Meireles do Canto e Castro sobre driblar a situação, como sempre, mantendo a sua boa relação com os britânicos, como havia feito na Índia portuguesa, mas sem criar mais tensões na metrópole, permitindo que os britânicos usassem o porto da cidade da Beira para o desembarque de material e homens para aquela que seria a Segunda Guerra dos Bóeres.

A guerra entre britânicos e boéres terminaria em finais de maio de 1902 e, até ao fim do conflito, Meireles do Canto e Castro ocupou o seu cargo de Governador. A sua ação política foi muito elogiada pelo Reino Unido, chegando a seu incluído na menção honrosa na ordem-do-dia do Exército Britânico e foi-lhe concedido, pelo rei Eduardo VII, a 10 de novembro de 1902, o grau de cavaleiro comendador da Ordem de São Miguel e São Jorge do Reino Unido, com o tratamento de Sir. Além disso, foi nomeado, por D. Carlos, fidalgo cavaleiro da Casa Real por sucessão, a 9 de maio de 1900, e elevado a Visconde de Meireles, dois anos depois, a 9 de maio de 1902, por Decreto do rei português.

De volta a Lisboa, Meireles do Canto e Castro Meireles do Canto e Castro fez renascer, devido à sua ligação com as colónias, o antigo jornal do seu pai, o Jornal das Colónias. Foi também vice-presidente da Comissão Africana da Sociedade de Geografia de Lisboa. Voltou ao serviço diplomático quando foi nomeado, a 10 de maio de 1902, para o lugar de adido comercial especial na Legação de Portugal em Berlim, onde já trabalhara. Logo de seguida, em 1903, foi nomeado ministro plenipotenciário em Buenos Aires, na Argentina e, em Montevideu, no Uruguai. Foi agraciado pelo Kaiser Guilherme II, a 8 de novembro de 1907, com a comenda da Ordem da Coroa da Prússia (Kronenorden Preußen). Depois foi nomeado diplomata para os Balcãs, onde exerceu a função de ministro acreditado junto das três cortes balcânicas: Bucareste, Sófia e Belgrado, lugar onde terminou a sua carreira diplomática, em 1908, em um momento em que a região se encontrava em plena tensão política, social, cultural e das nacionalidades, que desembocaria na I Guerra Mundial, em julho de 1914.

Em Portugal, Sir Francisco de Meneses Meireles do Canto e Castro foi ainda, desde 1883, comendador da Ordem de Nossa Senhora da Conceição de Vila Viçosa, sendo que, onze anos depois, em 1894, foi elevado a oficial da Ordem de Sant'Iago da Espada. Morreu a 7 de março de 1915, no Dafundo, em Lisboa. Foi sucedido como 2º Visconde de Meireles pelo seu filho, Francisco de Freitas de Meirelles do Canto e Castro.

É importante relembrar estes grandes terceirenses, esquecidos pelo tempo, e que desempenharam papéis essenciais na História de Portugal. Devemos incentivar o estudo, a pesquisa e a investigação pelo conhecimento de lugares, acontecimentos e pessoas da nossa terra. A memória de um povo é essencial para a sua Cultura, mas sobretudo para a sua Identidade, para a sua História, não nos esqueçamos: quem fomos, quem somos e quem seremos.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 520 de 04 de maio de 2018.