Jornal da Praia

PUB

O NASCIMENTO DA TRADIÇÃO TAURINA NA TERCEIRA

Segunda, 30 de Abril de 2018 em Opinião 1897 visualizações Partilhar

O NASCIMENTO DA TRADIÇÃO TAURINA NA TERCEIRA

Com o aproximar do início da época taurina na Terceira, a 1 de maio, vamos hoje conhecer as estórias da História desta tradição na Ilha. A festa taurina marca a tradição multissecular terceirense. Não se consegue falar da História da Terceira, sem se estudar as touradas, seja as à corda, seja as de praça. A tauromaquia tem marcado a sociedade terceirense de forma indelével.

Não se consegue datar a chegada da tradição tauromáquica à Terceira, que se fundiu com a História da ilha. Sabe-se que nos inícios do povoamento da Ilha de Jesus Cristo (depois Ilha de Jesus Cristo da Terceira, ficando depois só Terceira), os primeiros habitantes, sobretudo do Algarve e do Norte, largaram gado vacum como outras espécies domésticas pela Ilha. De entre o gado trazido, destacamos a raça mirandesa. Como a terra ainda era bravia e a população da Ilha diminuta, muito deste gado perdeu-se no interior da Ilha, uma zona desabitada e húmida. Assim, começou o cruzamento de diversas raças de gado vacum em regime de total liberdade. Com o arroteamento de terras, os locais foram-se embrenhando pelo mato e encontraram então gado bravo e selvagem, descendente daqueles primeiros animais largados na Ilha.

O primeiro gado bravo era capturado e morto, pois a população afirmava que a carne de um animal cansado era mais tenra e suculenta do que a de um animal descansado. Começou-se então a laçar e a capturar o gado bravio, que depois era deixado correr nos adros das Igrejas da ilha até se cansar e depois morto. Gaspar Frutuoso refere a existência de corridas de touros em outras ilhas. D. Frei Jorge de Santiago, Bispo de Angra e Ilhas dos Açores proibiu as corridas de touros em todo o arquipélago através das Constituições Sinodais do Bispado de Angra, em 1558. Contudo, em pouco tempo, as corridas recomeçaram. Assim, desfaz-se a ideia que as touradas terceirenses são reminiscências da presença espanhola na Ilha por quase 60 anos, pois já havia uma cultura taurina anterior e que até estava presente em mais ilhas açorianas.

As corridas de touros na Terceira tornaram-se mais frequentes, apesar do primeiro registo de uma tourada à corda datar de inícios de agosto de 1622, quando a Câmara de Angra preparou uma celebração em nome de São Francisco Xavier e de Santo Inácio de Loyola, festejando a canonização de ambos de 12 de março de 1622 pelo Papa Gregório XV. Nascia assim uma tradição terceirense.

A festa brava foi desaparecendo nas restantes ilhas, mas sobreviveu na Terceira, sobretudo, por ser um espetáculo de diversão virado para a Nobreza e para a Burguesia, localizadas maioritariamente em Angra, a principal cidade dos Açores por mais de 3 séculos, um importante porto de escala do Atlântico Norte. Com o passar dos anos até o povo se rendeu às touradas e estas tornaram-se um espetáculo para toda a sociedade terceirense, e com o decorrer dos anos, passaram a ser fixadas por normas e regras de cariz popular.

Quanto às primeiras touradas de praça na Terceira, estas realizaram-se na praça principal da cidade de Angra, na atual Praça Velha, onde eram colocados camarotes em volta, inseridos num retângulo. Nas comemorações da canonização de São Francisco Xavier e de Santo Inácio de Loyola, em inícios de agosto de 1622, além de uma tourada à corda, houve ainda uma corrida na praça de Angra, durante a qual os toureiros foram incitados a participar a fim de ganharem prémios.

A tradição dos touros de praça ganhou força com o aparecimento das Festas de São João. No século XVI, João, o Velho, mandou edificar uma capela no canto oriental da atual Rua de São João, em honra de São João Batista, patrono dos fidalgos portugueses. Os nobres locais pediram depois para realizarem um circo equestre, onde mostravam a sua destreza a cavalo, alanceando os touros. Era uma festa para a Nobreza e para a Burguesia. No século XVII, já sobre o domínio espanhol da Ilha, o Bispo de Angra e Ilhas dos Açores D. Jerónimo Teixeira Cabral decidiu a criação de tourada de praça em dia de S. João Batista, ou seja, a 24 de junho, durante a qual participavam vários nobres. Nestas festas, faziam-se ainda as cavalhadas, junto à capela de S. João Batista, com duas alas de cavaleiros, uma para a Rua de São João e outra no sentido descendente da Rua da Sé. Nasciam os touros de praça de S. João e as Sanjoaninas, existentes até aos dias de hoje.

Os touros começaram a correr na praça várias vezes ao ano. Aos poucos, passou a ser um espetáculo para todos, assim. Além dos camarotes da Nobreza e Burguesia, o Povo cavou uma trincheira e aí assistiam às touradas. Em 1662, durante as comemorações do casamento de D. Catarina de Bragança, filho do Rei D. João IV, com Carlos II de Inglaterra, realizaram-se touradas de praça na Fortaleza de São João Batista.

Das touradas na Praça Velha, passou-se para a Praça de Touros na Canada do Barreiro, depois a do Espírito Santo na Miragaia (na Rua do Pereira), a de São João, onde hoje se situa o Centro Cultural e de Congressos de Angra do Heroísmo, e a partir, de 1984, a atual Monumental Praça de Toiros Ilha Terceira, a única da região.

As touradas marcam a História da Terceira, mostrando a forma como a população lida com uma tradição que tem marcado toda a sociedade terceirense. A cultura e as tradições, que muitas vezes são criticadas, devem ser entendidas e estudadas como um reflexo do percurso histórico da vida das gentes da Terceira.

Francisco Miguel Nogueira

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 518 de 06 de abril de 2018.