Jornal da Praia

PUB

AÇORIANOS EM SEGUNDO LUGAR

Quinta, 26 de Abril de 2018 em Opinião 452 visualizações Partilhar

AÇORIANOS EM SEGUNDO LUGAR

O estado da Região é cada vez mais deprimente. Os Açores estão em coma profundo e a culpa é de quem tem responsabilidades governativas. Todos os dados e todas as estatísticas são estudados até ao mais ínfimo pormenor, para que esse pormenor recôndito seja a única boa notícia disponível para ser dada. A incapacidade de agir face aos assuntos mais básicos do quotidiano começa a ser a imagem de marca deste governo. Um governo esgotado e apático. Quando o poder já não é capaz de atuar, só sobrevive a custo, recorrendo a estratégicas duvidosas.

Vejamos então o estado da Região:

Todos os dias entra um açoriano nos programas ocupacionais. São 6072. Se juntarmos os desempregados aos “ocupados” existem 14 mil pessoas sem emprego. 488 desempregados têm o ensino superior. O governo anuncia a abertura de 762 vagas na administração pública regional, mas depois de feitas as contas, grande parte das vagas é para trabalho precário.

O governo já se mostrou e mostra-se incapaz de lidar com o problema mais grave da História da Autonomia – a contaminação dos solos e aquíferos da ilha Terceira. Um governo inoperacional, que não tem voz ativa nem age para a resolução imediata da situação que aflige os terceirenses.

A economia dos Açores vive e sobrevive à custa do setor do turismo. Nenhuma economia pode nem deve depender de um setor tão volátil. Notícias recentes indicam que, infelizmente, só este setor está a criar empregos na Região.

O governo anuncia um plano de reestruturação do setor das pescas que é duvidoso e alarmante porque aparenta não resolver absolutamente nada, mas contribui para o surgimento de novos problemas. Além de promover o abandono da atividade piscatória, não consegue definir a construção de um futuro promissor para os pescadores.

A SATA, que se esquece de prestar serviço público de qualidade aos açorianos e exige cada vez mais aos contribuintes, tem uma gestão ruinosa. Está em marcha um processo de privatização pouco transparente.

A incapacidade dos transportes que prejudicam as acessibilidades à Região, afetando gravemente a economia das ilhas. A carga área não chega ao destino atempadamente, porque não há um modelo de transporte eficiente.

O subsídio de mobilidade tem um grande ponto de interrogação, uma vez que é sabido que a República pretende reformular as regras de atribuição do subsídio.

Os hospitais não pagam aos fornecedores, e por consequência, as empresas põem em causa o fornecimento de medicamentos. As médias de espera na lista de cirurgias são inqualificáveis: 553 dias em Ponta Delgada, 485 dias em Angra do Heroísmo e 339 dias na Horta. São 11620 açorianos em lista de espera.

Não há estatísticas nem dados disponíveis. O governo está virado para dentro, sem informar. No que se refere, por exemplo, ao Centro de Oncologia dos Açores, as estatísticas não estão disponíveis no seu sítio da internet. É preciso ser utilizador e ter palavra-passe para aceder aos dados.

São variadíssimos os exemplos de desgovernação deste executivo. Não atua nem age, não informa nem transmite. O consulado socialista governa para si e esquece os açorianos.

Emanuel Areias