Jornal da Praia

PUB

A Cimeira da Guerra das Lajes

Terça, 01 de Abril de 2008 em Editorial 714 visualizações Partilhar

No passado dia 16 de Março, fez 5 anos da data da realização da Cimeira das Lajes, em que os Estados Unidos da América do Norte, com o apoio da Espanha e da Inglaterra, e de Portugal decidiram invadir o Iraque sob o falso pretexto de que o Iraque de Sadam Husseim possuía armamento de destruição maciça.

É lamentável que a base militar das Lajes na Ilha Terceira tenha a 16 de Março de 2003 recebido o Presidente dos Estados Unidos da América, Jorge W. Bush, o Primeiro-Ministro Britânico Tony Blair, o Primeiro-Ministro Espanhol José Maria Aznar e o então Chefe do Governo Português Durão Barroso.

Destruí-se um ditador sanguinário, mas não se conseguiu a paz no Iraque, não se encontraram armamento de destruição maciça, os Iraquianos ficaram muito pior do que estavam, não há segurança no Iraque, existem milhões de refugiados, os mortos contam-se aos milhares e o terrorismo proliferou desenfreadamente e não se vislumbra solução para o impasse que a Cimeira dos Açores criou.

O terrorismo não existia no Iraque antes da invasão pelas forças armadas Americanas e Inglesas, então a Al Qaeda encontrou o seu filão de ouro para se expandir, onde os atentados bombistas sucedem de forma impressionante e praticamente todos os dias, matando crianças, mulheres idosos, causando um grande número de vítimas inocentes, pois “a violência não serve verdade nenhuma: ela mesma quer ser a verdade”.

Os Açores e a sua imagem, sem dúvida alguma ficaram prejudicados por terem acolhido a cimeira da guerra em 16 de Março de 2003.

Sebastião Lima