Jornal da Praia

PUB

Descontaminação dos solos e aquíferos da Ilha Terceira

Quinta, 19 de Abril de 2018 em Editorial 607 visualizações Partilhar

Descontaminação dos solos e aquíferos da Ilha Terceira

A população do concelho da Praia da Vitória em particular e a população da Ilha Terceira em geral, vive alarmada com um caudal incontrolável de notícias sobre a contaminação dos solos e aquíferos, devido à presença das Forças Armadas dos Estados Unidos da América do Norte na Base das Lajes desde a segunda guerra mundial.

O Professor da Escola Superior de Saúde, Norberto Messias, que tem se debruçado sobre este assunto chamou a atenção para o facto de se verificar “que existe uma maior incidência de doenças cardiovasculares, leucemia e cancro nos habitantes do concelho da Praia da Vitória, comparativamente aos residentes dos restantes concelhos da Região e até mesmo do País”.

A contaminação dos solos e aquíferos nesta Ilha de Jesus, por hidrocarbonetos, dioxinas, amónio, ácido fosfórico, cobre, acido acético, chumbo, naftaleno, etc., é sem dúvida um "preço muito pesado a pagar para os Açores e para o País".

Na verdade "quanto mais sabemos, menos conseguimos prever", e não podemos esquecer que o povo nos nossos dias sabe ler, sabe utilizar as novas tecnologias, sabe manejar habilmente as redes sociais, e está atento ao desenrolar de todos estes acontecimentos, exigindo soluções rápidas e eficazes sobre este grave problema que afecta a nossa Ilha e o nossa população, e ao invés do que muitos analistas usados numa razão intrínseca, pretendem fazer crer, o povo possui espirito critico e acredita "mais nos que ensinam do que naqueles que mandam" ou governam.

Pode dizer-se que enquanto houver, mesmo que seja um único caso de cancro na população da Praia da Vitória, vitima desta poluição deve empregar-se todos os esforços para combater este mal, pois a saúde das pessoas é primordial, e deve ser eleita em primeiro lugar na escalas de prioridades dos nossos Governantes, quando o desenvolvimento da técnica e da investigação cientifica avança a um ritmo que ninguém pode ou consegue acompanhar, não se pode esperar mais tempo para a descontaminação dos solos e aquíferos poluídos da nossa terra, e apurar quem são os responsáveis pelos danos causados às vítimas e ao ambiente, condenando-os a ressarcir todos os prejuízos que provocaram, a fim de se pôr termo a uma poluição que pode ser mortífera.

Queremos acreditar que o direito à vida, e a uma vida saudável, não pode ser menosprezado pelos nossos políticos, pelos nossos governantes, não podendo as coisas continuar indefinidas e exigimos protecção por ser a melhor forma de se identificar e resolver de maneira duradora a descontaminação dos solos e dos aquíferos supra referidos, de forma rápida e eficaz nas áreas poluídas e já identificadas pelas autoridades.

O público deve ser esclarecido sem rodeios, do que efectivamente está a suceder, nomeadamente ter acesso aos estudos, relatórios sobre as eventuais causas de doenças cancerígenas no concelho do Ramo Grande, que segundo dados empíricos tem disparado e semeado medo entre a população, pois “afastar o povo da descontaminação é (muito) perigoso”.

Basta de inverdades acerca desta delicada situação, pois a verdade, a busca da verdade cabe a todos nós alcançá-la, para que se encontrem respostas, soluções viáveis para a descontaminação que urge fazer-se.

O Diretor,
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com