Jornal da Praia

PUB

“FORNECEDORES DAS FESTAS DA PRAIA NÃO PODEM RECEBER A 150 DIAS”, AFIRMAM OS VEREADORES DO PSD NA CMPV

Quarta, 18 de Abril de 2018 em Atualidade 77 visualizações Partilhar

“FORNECEDORES DAS FESTAS DA PRAIA NÃO PODEM RECEBER A 150 DIAS”, AFIRMAM OS VEREADORES DO PSD NA CMPV

Os vereadores do PSD na Câmara Municipal da Praia da Vitória, depois da avaliação e análise à contabilidade das Festas da Praia 2017, exigiram à autarquia "respeito pela data de vencimento das faturas estipulada pelos fornecedores das maiores festas concelhias", afirmando que, "lamentavelmente, ainda em janeiro deste ano estavam a ser pagas faturas das festas do ano passado".

Segundo Cláudia Martins, "depois de recebermos denúncias de pagamentos em atraso a fornecedores das Festas de 2017, decidimos questionar a câmara sobre o ponto de situação dessa contabilidade. Por não termos ficado satisfeitos com as respostas obtidas decidimos, através de requisição entregue ao executivo, e aceite, a 15 de janeiro deste ano, pedir a análise daquela faturação, onde aferimos que muitas das faturas foram pagas, curiosamente, no final desse mesmo mês”, esclarece.

A vereadora social democrata conta que "em muitos casos, os pagamentos foram feitos 90 dias após o prazo de vencimento das faturas, de 60 dias, segundo as requisições enviadas pela Cooperativa aos fornecedores, totalizando escandalosamente cerca de 150 dias de espera. De facto, a lei dos compromissos e dos pagamentos em atraso protegeu o município de utilizar os prazos verificados, não se tratando de uma ilegalidade, mas sim de uma enorme imoralidade”, sublinha.

"O impacto que as Festas da Praia deviam trazer aos empresários praienses, acaba por se diluir em 6 meses de mora, o que é incompreensível quando existe uma rubrica no orçamento do município destinada a estas festas”, acrescenta a autarca praiense.

A contabilidade das Festas da Praia está a cargo da Cooperativa Praia Cultural e, na sua análise, os vereadores do PSD verificaram que a mesma "está misturada com toda a contabilidade resultante da atividade da Cooperativa o que, no nosso entender, não ajuda propositadamente a medir a real dimensão das maiores festas do concelho”, alerta Cláudia Martins.

Segundo os autarcas social democratas na Praia da Vitória, os documentos disponibilizados revelam que a despesa referente a 2017 ascendeu a 1.167.575,56 euros, enquanto a receita contabilizou 1.104.503,46 euros, verificando-se um saldo negativo de 63.072,01 euros. Recorde-se que o orçamento apresentado a 9 de junho de 2017 era de 725 mil euros.

Os vereadores do PSD exigem que os fornecedores sejam respeitados e prometem começar a acompanhar esta situação já este ano: "Mais do que estipular prazos de pagamento a 30 dias, conforme havíamos defendido em campanha eleitoral, o correto é exigirmos que se cumpram as datas de vencimento da faturação e, portanto, que se respeite a vontade e a necessidade dos fornecedores", diz Cláudia Martins.

"Num concelho que definha a olhos vistos, e ao mesmo tempo que é apregoada uma grande estratégia de incentivo ao empreendedorismo e à atividade empresarial, é a autarquia a primeira a não saber dar o exemplo. Não está a adotar uma atitude que transmita a confiança necessária ao tecido empresarial para investir no concelho, nem está, de todo, a impulsionar a sua economia, pois não paga atempadamente aos seus fornecedores”, finalizou a vereadora.

GI-PSD-A/JP