Jornal da Praia

PUB

INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL (IPSS)

Domingo, 15 de Abril de 2018 em Opinião 444 visualizações Partilhar

INSTITUIÇÕES PARTICULARES DE SOLIDARIEDADE SOCIAL (IPSS)

São muitas as organizações com fins marcadamente sociais com o propósito de dar expressão organizada ao dever moral de solidariedade e de justiça entre os indivíduos. Umas centenárias, outras com alguns anos apenas. Mas todas com o devido valor que a sociedade lhes atribui.

Nestas organizações ninguém é dono, e no Portugal de hoje, muito menos aristocratas. Seria a bem dizer, Raríssimo este poder e privilégio distinto. Deixariam de ter um papel vocacionado para a missão da Instituição, dando lugar a uma das mais promissoras carreiras em Portugal. A de gerir Instituições. Felizmente, existe o lado bom, das outras pessoas, de bem, que diariamente têm o seu papel bem definido na Instituição e que muito dão de si pelos utentes.

Umas com baixos salários. Outras nem tanto. Mas todos com direitos. Merecedores de uma carreira profissional dignamente defendida, altamente valorizada e por todos reconhecida. São a alma das Instituições, que têm o contacto directo e próximo com os utentes, desde bebés aos idosos. Que amparam, acarinham, dão conforto e escutam. E que têm uma acção crucial com os grupos mais desfavorecidos.

Estes trabalhadores são muitas vezes mulheres, em início de carreira, algumas mães, e outras, senhoras com um longo e precioso percurso na área social, que possuem uma sensibilidade muito própria para os cargos que ocupam, e que nenhuma pode ser alvo de ameaças e assédio moral num ambiente intimidativo, hostil, humilhante e desestabilizador, gerador de instabilidade e inquietação generalizada entre todos. Porque a existir tem de ser denunciado, e quanto mais cedo a denúncia mais rápido o tratamento.

Os primeiros sinais vitais têm de vir dos dirigentes, eleitos por escrutínio secreto, com mais deveres que direitos. Privilégios, zero.

Quando o Estado ou Região acordam com as Instituições, apenas e só actividades de interesse público, compete a estas últimas, serem íntegras na execução daquilo que lhes é exigido. As Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) que possuem um papel social muito importante para a sociedade civil, não podem ser geridas por marias-da-fonte gritantes ou por qualquer acto narcisista. Se assim for, a terapêutica tem de ser outra.

Felizmente, muitas são as pessoas válidas, sadias, titulares dos órgãos sociais de Instituições, sem medo de se assumir e que colocam a causa social à frente de qualquer manifestação pessoal. Que crescem com a Instituição e não à custa da Instituição. Que não se desviam do horizonte da verdade rejeitando trocas e baldrocas que tudo somado fica sempre distante do alcance da ponderação.

Mas a investigação começou e os serviços da Segurança Social já estão no terreno. É um sinal claro que o dinheiro do erário público, dos mecenas, dos utentes e suas famílias é para ser estimado por todos os que o gerem. E os trabalhadores, para serem honrados. Porque felizmente o estatuto de impunidade não existe, pelo menos nestas Instituições.

As IPSS, na sua larga maioria, têm um papel louvável, merecendo o respeito de todos. Apenas os devaneios de alguns que se acham irmanados devem ser balizados. Compadrio, autoritarismo, arrogância e avidez não encaixam no perfil de quem se define ter a intenção mobilizadora de bondade e solidariedade.

Que se deixe de fábulas e que se preste a algumas reflexões sobre o que de facto são os valores da vida.

Sérgio Nascimento

NE: Artigo publicado na edição impressa n.º 517 de 23 de março.