Jornal da Praia

PUB

DIREÇÃO DO CALDAS DECIDIU NÃO JOGAR NA PRAIA

Quinta, 12 de Abril de 2018 em Cultura e Desporto 56 visualizações Partilhar

DIREÇÃO DO CALDAS DECIDIU NÃO JOGAR NA PRAIA

O jogo de futebol entre Praiense e Caldas, em atraso da 27.ª jornada da série D do Campeonato de Portugal, agendado para ontem, às 17:00, no Estádio Municipal da Praia da Vitória, voltou a ser adiado, após desmarcação à última hora pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF).

Na terça-feira, a comitiva das Caldas da Rainha descolou do Aeroporto Humberto Delgado por volta das 19:00, a bordo de um Airbus A320 da Azores Airlines. Aproximadamente 15 minutos após a descolagem, a aeronave foi atingida por um raio e por razões de segurança regressou a Lisboa.

A companhia aérea açoriana restabeleceu a ligação à ilha Terceira duas horas depois, mas a comitiva continental não embarcou por decisão do vice-presidente e responsável pelo futebol, Nuno Ferreira, que citado pela agência Lusa, alegou que a equipa estava “em sofrimento”.

“Descolámos e, passados 10 ou 15 minutos, o avião foi atingido por um raio. Vimos um feixe de luz, seguido de um estrondo. Parecia que o avião se ia partir todo”, relatou o dirigente.

“A tomada de decisão que tive foi especificamente baseada no receio de que grande parte dos atletas estava em sofrimento, porque não é algo simples de se lidar. [...] Que capacidade é que teriam de entrarem dentro de outro avião? Qualquer turbulência ia ser um tormento. A viagem ia ter o desgaste de 10 jogos de futebol”, adiantou.

Ainda segundo Nuno Ferreira citado pela Lusa, a FPF, que organiza o campeonato, mostrou-se “sensível à situação e foi tentar, junto do Praiense, encontrar um ponto de equilíbrio para se realizar o jogo”.

Por sua vez Marco Monteiro, presidente dos “vermelhos” da Praia, embora tenha mostrado abertura para remarcar a partida, não deixou de manifestar o seu desagrado com a situação e alega falta de respeito para com o emblema da cidade de Nemésio, não descartando a possibilidade de vir a resolver o assunto na “secretaria”, atendendo aos legítimos interesses do grémio praiense.

"A companhia agendou o voo para mais tarde e veio toda a gente menos o Caldas. Tenho pessoas conhecidas que vieram no voo e ouviram-nos a dizer 'ainda bem que aconteceu esta situação porque assim temos mais uma semana para descansar'", declarou Marco Monteiro ao diário desportivo “Record”, publicado ontem na sua edição online.

O líder dos “encarnados” da Praia da Vitória sustenta que os semifinalistas da Taça de Portugal estão a aproveitar-se da situação para evitar uma viagem que provoca natural desgaste no conjunto.

"Eu compreendo que eles têm um grande jogo para a semana, que é o jogo da vida deles e desejo-lhes boa sorte e que cheguem à final, mas aproveitaram a situação para não vir e ter mais tempo de descanso. Penso que fomos desrespeitados", escreve o "Record" citando Marco Monteiro.

JP – Online