Jornal da Praia

PUB

CTRT E FFP UNEM ESFORÇOS PARA VOLORIZAR FOLCLORE TERCEIRENSE

Quarta, 11 de Abril de 2018 em Atualidade 36 visualizações Partilhar

CTRT E FFP UNEM ESFORÇOS PARA VOLORIZAR FOLCLORE TERCEIRENSE

No passado mês de março, mais concretamente de 16 a 18, uma comitiva da Direção da Federação de Folclore Português (FFP), constituída pela coordenadora de zona das Regiões Autónomas e Comunidades, Maria Emília Francisco, pelo Vice-Presidente, António Faria, e pelo Tesoureiro, Joaquim Rocha, deslocou-se à ilha Terceira para dar continuidade ao plano de formação e acompanhamento aos Conselheiros Técnicos Regionais (CTR) da Ilha Terceira e grupos de folclore, tal como tem vindo a acontecer noutras regiões.

A comitiva começou por visitar a sede do Grupo de Folclore das Doze Ribeiras, fundado a 24 abril de 1974 e sócio fundador da FFP. Seguiu-se o jantar, preparado pelo grupo anfitrião, o qual, aproveitou para divulgar e promover o seu precioso património gastronómico: “Sopa do Espírito Santo”, “Cozido” e “Alcatra”. A finalizar este primeiro dia de visita, 16 de março, realizou-se uma primeira reunião com o CTR, durante a qual se fez o ponto da situação e se apontaram caminhos que irão contribuir para uma maior aceitação dos conselheiros enquanto elementos facilitadores junto dos grupos e enquanto dignos representantes da FFP nesta região.

No dia seguinte, sábado, 17, decorreu, no Centro Recreativo da Ribeirinha - CASA da LATA, o encontro de formação subordinado ao tema “Encontro para a Valorização do Folclore Terceirense”, aberto a todos os grupos da ilha (federados e não federados), uma opção do CTR, para envolver todos os grupos num projeto comum. Trata-se de um trabalho em rede assente ao nível da pesquisa e registo do património material e imaterial; da promoção de encontros periódicos para partilha de conhecimentos e resolução de dificuldades, da realização conjunta de eventos que promovam a entreajuda e a qualidade das representações. Por último, a necessidade de se desenvolver uma maior aproximação ao movimento liderado pela FFP, uma porta aberta para a salvaguarda e promoção da cultura tradicional e popular portuguesa e das nossas matrizes identitárias nacionais.

Os trabalhos iniciaram com a apresentação do tema “Papel da FFP e sua relação com os Associados”, assegurado por Maria Emília Francisco. Painel aguardado com expectativa que teve a virtude de contribuir para a construção de um clima de confiança entre a direção da Federação e os conselheiros técnicos assim como junto dos próprios grupos. O tema “Recolha Material e Imaterial do Património ficou a cargo do Conselheiro, Professor Doutor Leandro Ávila, que surpreendeu o auditório pela qualidade e profundidade do trabalho de pesquisa que tem vindo a realizar e pelas ferramentas práticas que disponibilizou aos participantes. O trabalho sobre “O Pano do Povo”, da responsabilidade de António Faria, mereceu particular atenção por parte do público mais jovem na medida em que procurou contextualizar os conhecimentos sobre os tecidos, trajes e sua função, à realidade da ilha Terceira. A interação com o público no debate final foi revelador da pertinência dos pressupostos iniciais. Concluiu-se que esta aproximação da FFP aos grupos é muito importante e motivadora, reforçou-se o papel do CTR no acompanhamento dos agentes locais, mas, sobretudo, assumiu-se que a entreajuda e a formação são o caminho certo para a credibilização do movimento.

Ao serão, a comitiva da FFP foi convidada a participar no Festival de “Alcatras”, uma atividade de angariação de fundos da iniciativa do Grupo Folclórico e Etnográfico da Ribeirinha “Recordar e Conhecer” (Fundado a 22 de maio de 1996 e também federado). De salientar, que este grupo abriu também as suas portas para servir um excelente almoço de confraternização entre os diversos grupos de folclore participantes do encontro.

No domingo, foi a vez do Grupo de Baile da Canção Regional Terceirense (fundado a 16 de julho de 1966, o mais antigo grupo em atividade na Ilha Terceira, e também federado) acolher os visitantes. O grupo fez uma pequena demonstração dos seus cantares e das suas danças. Comoveram os sons das violas, as vozes, as danças e a alegria dos bailadores. Como testemunhou Vitorino Nemésio no seu livro “Festa Redonda”

“Minha viola de luxo,
Minha enxada de cantar,
Meu instrumento de fogo,
Caixinha do meu amor chorar!”

Nos dias seguintes, a comitiva foi recebida pelo Vice-Presidente da Câmara Municipal da Praia da Vitória, pelo presidente da Câmara de Angra do Heroísmo e pela representante do Sr. Diretor Regional da Cultura para apresentação de cumprimentos. Os encontros serviram para divulgar a ação da FFP e do CTR-Terceira junto dos grupos e outros agentes culturais locais, bem como solicitar apoio destes organismos, para a realização de projetos na área do património material e imaterial, nomeadamente para o Congresso da FFP dos Jovens Folcloristas, previsto para os dias 05 e 06 de outubro 2018 (chegadas dos jovens a 04 e partidas a 07 de outubro próximo).

O decorrer dos trabalhos ditou ser necessária uma última reunião com o CTR-Terceira sobre o congresso: reajustaram-se estratégias, apontaram-se ideias com vista à concretização de um programa inovador e atraente para os jovens e definiram-se métodos de trabalho em rede. Neste âmbito, ficaram o desafio da criação de um núcleo de jovens competentes e dinâmicos, possíveis colaboradores do CTR-Terceira em articulação com o Gabinete da Juventude da FFP.

Paralelamente ao programa, procedeu-se à entrega de um diploma à família do Conselheiro José Miguel Silva, antigo Coordenador do CTR, pelos relevantes serviços prestados à Federação e ao Folclore, que, devido à gravidade do seu estado de saúde, não o pôde receber pessoalmente.

MEF/JP