Jornal da Praia

PUB

VITORINO NEMÉSIO: FAROL DE AÇORIANIDADE

Quarta, 11 de Abril de 2018 em Opinião 137 visualizações Partilhar

VITORINO NEMÉSIO: FAROL DE AÇORIANIDADE

Foi com profunda mágoa que soubemos, no Centro Cultural Português, aqui em Paris, da morte do maior vulto das Letras açorianas e uma das mais ricas e importantes personalidades da Cultura Portuguesa contemporânea. Quem vos escreve estas linhas é um dos muitos discípulos que o esplendor da sua inteligência, a afabilidade do seu trato, o seu vastíssimo saber e, no nosso caso pessoal, o seu entranhado amor à Terra Açoriana, marcaram, indelevelmente, para sempre.

Conhecemos, fisicamente, o grande Mestre, em 1965, na Faculdade de Letras de Lisboa e, ainda, recordamos com saudade o cumprimento que o insigne açoriano nos fez, a nós, um pobre e incógnito caloiro da Faculdade, que ali arribava em regime de «part-time», por não ter o privilégio de recursos financeiros de outros estudantes.

No entanto, somente em 1970, tivemos Nemésio como professor de Literatura Brasileira, estando nós então no 5.º ano de Filologia Românica. O Mestre, apesar de estar à porta da aposentação, e do natural declínio de alguns dos seus dotes físicos, o seu espírito, esse, continuava sempre lúcido e fulgurante, não deixava de impressionar-nos pela sua enciclopédica cultura e vasta erudição, a sua verve e versatilidade invulgares, pelo calor que imprimia ao seu discurso, aqui e ali, salpicado pelo seu humor congénito, ou condimentado com a sua perspicaz ironia.

A sua extraordinária facilidade de comunicação e o seu manejo do léxico luso, com suprema mestria, tornavam-no um autêntico prestidigitador da palavra. O Catedrático-poeta detestava os lugares comuns e a erosão da palavra usada apenas numa denotação rotineira e banalizada.

Era aliciante ver como Nemésio conseguia copular domínios tão díspares, imbricando-os numa tessitura de conhecimentos que nos abriam vastos horizontes e nos davam a sensação de estarmos já vivendo, no universo brasileiro do sertão e caatinga, ou no meio de caboclos, retirantes e senhores de engenho, ou ainda na misteriosa Amazónia, etc, etc.

Ao contrário de outros colegas universitários, o autor do “Paço do Milhafre” e de “A Casa Fechada” nunca se sentava, e o entusiasmo levava-o a distrair-se do tempo que fluía fugazmente. Um dia, o seu ardor foi mais forte e esqueceu-se, no fim da lição, do seu inseparável secretário – o seu relógio de bolso, de ouro, que deixava sempre sobre a mesa – para controlar o tempo de cada conferência (sim, as suas aulas eram autênticas palestras). Foi então que este seu discípulo e admirador lhe levou essa relíquia de seu pai. Foi a única vez que vimos embaraçado o fulgurante improvisador. «Oh! Valha-me Deus... Nunca tal me aconteceu... Isto é toda a minha riqueza». Além da recordação do seu extremoso pai, aquele objecto de estimação era certamente a Vila, a Ilha, o Arquipélago natal, donde se exilou sem nunca dele ter saído o seu pensamento mais profundo. Nemésio foi um desterrado sem deixar a sua terra. Quem nos provará o contrário?

O seu espírito universalista e pendor regionalista coexistiram nele 109 ao longo da sua trajectória de poeta e ficcionista. Debateu-se sempre numa multiplicidade de domínios: poesia, ensaio, história, crónica, romance, jornalismo. Porém, a pedra angular que sustentava uma tal construção e dava unidade ao espírito nemesiano era o seu apego telúrico.

Este último era a força centrípeta que impedia que o intelectual caísse num incontrolado sincretismo. Funcionava como o cronómetro que lhe dava a noção do tempo. Foi graças a um tal apego que ele se tornou o grande embaixador em Coimbra, Montpellier, Bruxelas, Lisboa, Rio de Janeiro e em tantas terras por onde passou como conferencista notável.

Nos últimos anos, foi nos órgãos de comunicação social que deu a conhecer ao grande público o nome dos Açores. Quem não se lembra da seu popular programa “Se bem me lembro...”, dos programas radiofónicos (Ondas Médias), do Observador e de tantos outros jornais, sem esquecer os açóricos como os leitores de “A União” e de outros diários bem sabem.

Assim, foi Vitorino Nemésio, «o homem das ilhas», um farol a bruxulear a sua açorianidade, e desde as obras juvenis às mais amadurecidas. Dizemos bem, a sua, pois não foi ele quem introduziu o termo pela primeira vez já lá vão quatro décadas?!

Nemésio utilizou sempre o seu açorianismo como um lenitivo saudosista da infância, perdida pela Praia e Porto Martim, para onde o poeta pretendia instalar-se num moinho da Ponta Negra, à semelhança de Alphonse Daudet, em França.

Mais tarde, essa evocação da infância fundir-se-ia com a da juventude de Angra e Horta e atingiria uma dimensão universal com a sua obra-prima “Mau Tempo no Canal”, epopeia das nossas grandezas e tristezas, o primeiro romance português contemporâneo e «o mais complexo, mais denso e subtil de toda a nossa literatura», na opinião de David Mourão-Ferreira.

Tantas coisas tínhamos para dizer do autor da «Varanda de Pilatos»: as honras recebidas (Prémio Montaigne, Miscelânea de Estudos na sua jubilação, e o recente e serôdio título de “Officiel de la Légion d’Honneur”, outorgado pela França, para citarmos apenas as últimas; e ainda a sua simplicidade, os seus ensaios sagazes, etc.

O essencial é que estava, sempre presente, o seu “back-ground” 110 ilhéu, indestrutível, como inapagáveis eram certas inflexões do seu sotaque terceirense, que o cultivava, adrede, e com sentida satisfação.

Nemésio não morreu nem morrerá, enquanto a luso-açorianidade continuar vicejante pelas plagas atlânticas, mesmo que haja, uma vez por outra, alguma borrasca no canal. Mas do Penedo da sua e nossa Saudade, e desse Parnasso-Olimpo de Coimbra, continuaremos a ouvir ecoar o canto da sua voz. Estará para mim sempre presente, porque os Mestres e os poetas não morrem dentro de nós.

(in Varanda de Paris, pág. 107 a 110. Escrita há 40 anos, no dia 24 de Março de 1978)

Nota: No passado dia 20 de fevereiro de 2018, foi comemorado no Auditório do Ramo Grande, como noticiado oportunamente, o 25º aniversário da Escola Secundário da qual Vitorino Nemésio é muito ilustre patrono.

António Neves Leal

NE: Texto publicado na edição n.º 517 de 23 de março de 2018.