Jornal da Praia

PUB

MEMÓRIAS DO POÇO DA AREIA

Segunda, 09 de Abril de 2018 em Opinião 296 visualizações Partilhar

MEMÓRIAS DO POÇO DA AREIA

Certamente devido aos laços familiares que nos unem, passei uma parte da minha tenra idade, na companhia do Luís e dos irmãos Jorge e Roberto Bettencourt, no Poço da Areia, naquela casa que hoje é conhecida como a casa onde o Nuno nasceu.

Depois dos trabalhos da escola, corria para lá para jogar à bola com eles e outros amigos da vizinhança, assim como outras brincadeiras habituais de infância, também algumas garotices pelo meio sem importância, enfim, coisas próprias da idade.

Às vezes as brincadeiras duravam noite adentro, porque na altura era habitual fazer-se serões familiares. De vez em quando, com a minha mãe e irmãs lá íamos passar um serão a casa da “prima Aureolina” era assim que a chamávamos, por conseguinte, durante esses serões, as brincadeiras duravam até mais tarde.

O senhor Ezequiel Bettencourt, era um homem multifacetado, fotógrafo de profissão na base americana, autodidata, afinador de pianos, músico talentoso, não só tocava diversos instrumentos, como fazia reparações. Por esse motivo havia sempre lá em casa (instrumentos) por perto, normalmente violas, mas lembro-me de ver violinos, clarinetes, trompetes, saxofones, banjos, guitarras elétricas, etc. Além disso, também dava aulas de piano.

Trazia os instrumentos da escola da base americana para efetuar pequenas reparações, e depois, assistíamos aos testes dos mesmos já reparados. Eu ouvia com atenção e surpreso como ele os tocava e a facilidade como os executava.

Entretanto, o Roberto e o Luís já dedilhavam as cordas da viola com alguma facilidade. Por essa altura, o Corpo de Escuteiros da Praia da Vitória levava à cena no Salão Teatro Praiense uma peça em dois atos, um drama e uma comédia, orientada e encenada pelo padre Abílio.

Foi um êxito de bilheteira atendendo à época, o teatro era algo pouco vulgar, mas graças a um talentoso elenco de praienses, a peça teve um relativo sucesso, tendo regressado à cena por diversas ocasiões.

A peça exigia mudanças de cenários, havia a necessidade de preencher esses espaços mortos com algo que entretece a assistência, e então surgiu a ideia de colocar músicos a tocar uns números instrumentais, enquanto por detrás iam mudando os ditos cenários.

Escolheram músicos que eram escuteiros, o José Elmiro Nunes e o Ilídio Gomes nas violas, o Carlos Madureira na bateria. Num cenário de contra luz, as silhuetas negras dos músicos projetavam-se ao fundo nos cortinados brancos, dando um efeito de sombras bem conseguidas, foi por esse motivo que o padre Abílio chamou-lhes de Sombras.

Num desses espetáculos, o Luís foi convidado para tocar uma música instrumental, porque já se falava das suas proezas na guitarra elétrica. Então pela primeira vez em palco, frente a uma plateia repleta, uma criança com pouco mais de dez anos (coisa inédita) ia demonstrar publicamente as suas habilidades musicais. Gerou-se uma certa expectativa e curiosidade acerca do evento, recordo-me de estar na plateia talvez mais nervoso do que ele, um bocado ansioso.

Como vai ele aguentar toda aquela pressão sem borrar a escrita? Pensava eu.

Havia chegado o grande momento. Feita a apresentação, entra em palco com uma guitarra elétrica pesada e maior do que ele. Logo que soaram os primeiros acordes dos Sombras o Luís começa a solar "Walk, Don´t Run" dos Ventures que saiu na perfeição, sem enganos. Tudo correra da melhor maneira, um sucesso que foi aplaudido de pé em plena admiração geral.

O Luís tinha acabado de cumprir, o seu prematuro batismo musical.

A partir desse dia, adivinhava-se um futuro promissor como guitarrista.

Da peça de teatro, sobrou apenas os Sombras, que nem conjunto era.

Mordidos pelo bichinho de palco, queriam continuar a tocar, e então pensaram em formar um conjunto moderno com o mesmo nome. Necessitavam de um viola baixo, o escolhido foi o Roberto, que nunca imaginou trazer para o seio do grupo, o próprio pai, e ainda bem que foi assim.

O Sr. Ezequiel Bettencourt foi tão importante para os Sombras como George Martin foi para os Beatles. Isto é, não querendo fazer comparações ridículas ou absurdas, mas ambos tiveram pontos em comum. A idade impunha respeito, os seus conselhos eram ouvidos e reconheciam-lhes experiência e sabedoria musical.

Desde início que os Sombras trabalharam com ensinamento, método e disciplina, e isso foi fulcral para o seu desenvolvimento e sucesso futuro. Entretanto, entrava para o conjunto o Jorge Figueiredo nas teclas, e mais tarde ainda, com a saída do José Elmiro entrou o irmão Kiko Figueiredo. Ganhou assim forma, a versão final dos Sombras, que hoje todos conhecemos. Os primeiros ensaios foram feitos na casa do Poço da Areia, sob a orientação do Sr. Ezequiel.

Foi ali numa pequena sala entre mobiliário e equipamento, que se ensaiou e se tocou pela primeira vez, músicas dos Beatles, Rolling Stones, Bee Gees e Roberto Carlos.

Sim, Roberto Carlos, a onda Jovem Guarda estava ao rubro no Brasil.

O Luís, o irmão Jorge e eu, éramos testemunhas diárias do evoluir dos Sombras e aos poucos fomos adquirindo gosto pela música nova que ouvíamos. Quietos, em silêncio num canto, para não sermos expulsos da sala, ali ficavam atentos a ouvir e a aprender.

O Nuno ainda não era nascido, mas no ventre da mãe certamente que já ouvia os Sombras noite após noite, enquanto o Paulo e o João vagueavam pela casa de fraldas e de chucha na boca, isto mencionando apenas os mais novos.

Naquela época, instrumentos e equipamento, eram escassos e difíceis de encontrar, por isso, havia todo o cuidado e rigor em os preservar, não era permitido outros tocarem-lhes, especialmente as crianças.

Só que eu e o Luís, quebrávamos diariamente as ordens. Durante as tardes sem ninguém por perto, sentava-me na bateria com o meu par de baquetas de fabrico caseiro, o Luís ligava a sua guitarra ao amplificador Selmer e passávamos horas a tocar. Aos poucos e clandestinamente, íamos melhorando a aprendizagem tentando tocar o que os Sombras tinham ensaiado na noite anterior.

Devido à minha baixa estatura, era obrigado a fazer alguns ajustes na bateria para chegar com os pés aos pedais, por esse motivo o Madureira quando chegava aos ensaios, notava logo que alguém tinha estado ali a mexer, e sempre com um tom ameaçador avisava-me:

– Se um dia te apanho, dou-te um carolo nessa cabeça para aprenderes que nesta bateria não se toca.

Felizmente nunca passaram de ameaças. Em adultos, a diferença de idades é pouco relevante, mas na adolescência, seis anos faz muita diferença.

Era uma bateria Ludwig dos anos 50, de cor verde-escuro, propriedade da Filarmónica União Praiense, ferrugenta e velhinha de tanto penar, as peles tinham fita-cola a cobrir as zonas rasgadas, mas não havia outra melhor, e não foram poucos, aqueles que aprenderam a tocar nela. Hoje, teria honras de museu.

Muitos meses mais tarde já atuávamos nos bailes no salão da Filarmónica com músicos mais velhos e com um reportório reduzido a meia dúzia de músicas que tocávamos rotativamente sem parar. No final da noite como pagamento, davam-nos, uma sandes de iscas de fígado com cebolada e um pirolito.

Tempo maravilhoso, bem ou mal nós queríamos era tocar, e toda a gente dançava e divertia-se.

Foi uma fase sem dúvida importante para quem estava a começar, um estágio perfeito para se adquirir desenvoltura, calo e experiência.

O Luís acusa-me ser responsável, de por vezes ter de fugir de casa para tocar nos bailes, não me lembro, é possível, mas valeu ou não a pena?

Estou eternamente grato aos Sombras, se não tivessem ensaiado no Poço da Areia, nunca na vida teria tido a oportunidade, de me tornar baterista, coisa que ainda hoje desfruto com prazer.

A propósito das minhas baquetas de fabrico caseiro. Não era hábito os bateristas deixar as baquetas junto da bateria, levavam-nas para casa. Naquela época havia a mania deles circularem pelas ruas com o par de baquetas debaixo do braço, quer fossem ensaiar ou atuar.

Compreendo o motivo inicial, era para prevenir da tentação de alguém as utilizar na sua ausência, só que mais tarde, passou a moda nos lugares públicos, especialmente nos cafés. Sempre achei aquilo mais um gesto de vaidade do que outra coisa, mas não deixava de ter a sua piada. Nos fins de semana ao fim da tarde, era vê-los no café bem vestidos e perfumados com as respetivas baquetas debaixo do braço, o que incentivava os curiosos à pergunta habitual:

– Para onde vais tocar?

– Vou tocar pró N. C. O. pá!

Não havia estabelecimentos onde comprar cordas de viola ou baquetas, (dificilmente conseguia-se da base) tinha-se de encomendar a Lisboa, chegavam semanas mais tarde, e tornava-se caro devido aos transportes. Mais uma razão acrescida para se poupar nos dois pauzinhos de madeira e no encordoamento, vinham para durar o maior tempo possível.

Outra curiosidade, os termos “bateria” e “baterista” não eram muito utilizados na altura, chamavam-lhe Jazz.

Não sei como se confundia o estilo musical Jazz com o instrumento. (influências da base certamente).

Quando perguntavam a um baterista:

— Que instrumento tocas?

— Eu toco Jazz.

Certas tardes de verão, no regresso da praia de banhos, a malta dos Sombras montava o equipamento no pátio da casa devido ao calor, tocavam só pelo prazer de tocar, eu e o Luís também participámos algumas vezes na ausência de algum elemento.

O som da música atraía a malta do areal e as pessoas que passavam pelo Poço da Areia, quer fosse de carro, de mota ou a pé iam parando para ver, aos poucos juntava-se uma pequena multidão em frente à casa a ouvir os Sombras ao vivo.

Era uma casa cheia de vida e acima de tudo, cheia de música, não havia outra como aquela, graças ao Sr. Ezequiel e família. Foi também lá em casa que vimos pela primeira vez na Tv. Americana os Beatles no Ed Sullivan Show em 1964, a chegada dos astronautas à Lua em 69 entre muitos outros acontecimentos históricos.

Hoje, com informação a mais, tudo isto parece banal, mas na altura, eram novidades excitantes, o mundo estava a mudar, e de que maneira. E nós na Praia da Vitória éramos os únicos no país a desfrutar deste privilégio de informação em primeira mão.

A década de 60 tinha estoirado com um Big Bang. Foi ótimo ter crescido neste ambiente.

No meio deste turbilhão musical, nasceram os Míni Sombras, que limitavam-se a imitar as músicas que os Sombras tocavam, com o Luís (viola solo), Jaime Pacheco (viola ritmo), eu na (bateria) e o Kiko Figueiredo na (viola baixo).

A nossa estreia foi num espetáculo no Salão Teatro Praiense. Durou relativamente pouco tempo, o Jaime imigrou para o Canadá e o Kiko foi para os Sombras.

O Sr. Ezequiel teve muita pena dos Míni Sombras terem terminado, e então, com muita paciência foi ensinando em simultâneo, a filha Teresa a tocar viola baixo, o Jorge Marques a tocar teclados e o Holbeche a tocar viola ritmo, e assim, ao fim de muitos meses de ensaios, surgiram os novos Míni Sombras, que rapidamente se tornaram populares, não só pelo fato de já terem reportório próprio, mas também por ser um grupo muito jovem e com músicas de arrasar.

Atuávamos normalmente nos intervalos dos Sombras especialmente nos bailes de verão na esplanada do Sport Clube Praiense, embora não tivéssemos idade suficiente para tocar em ambientes noturnos.

É claro, que tudo isto aconteceu numa fase inicial. Tal como diz a canção de Maria Bethânia “O que é bom demais, tem quase sempre um fim.”

Entretanto, os Sombras emanciparam-se e zarparam para outro local de ensaios.

Aquela pequena casa no Poço da Areia foi por um longo período de tempo, quase como o conservatório musical da Praia da Vitória, a malta nova queria aprender a tocar, por lá passou gente motivada e incentivada para a música e alguns tornaram-se mesmo músicos.

Já agora, a terminar deixo três curtas histórias dos Miní Sombras.

1-Os Míni Sombras foram atuar numa matiné ao clube de Santa Rita. Era dia de inauguração pós-ré modulação, pintado de fresco, palco e teto novo, revestido com umas placas isoladoras de alcatrão por baixo das telhas, uma novidade (material da base americana).

Estávamos em pleno verão, muito sol e muito calor, durante a atuação, o alcatrão aqueceu, e mesmo por cima das nossas cabeças começou a chuviscar pingos de alcatrão quente (eram efeitos especiais made in Santa Rita) a pobre Teresa ficou com o seu vestido novo estragado, assim como as nossas cabeças, camisas e equipamento manchados. No final do dia, nós e o salão tresandava a alcatrão, deram cinquenta escudos a cada um, e para não falarmos mais nisto.

Escusado será dizer, que não deu para a despesa.

2-Os Míni Sombras são convidados para tocar ao vivo e em direto no Rádio Clube de Angra no programa Mundo dos Pequeninos transmitido aos sábados à tarde.

Mesmo na primeira canção, quando o Luís se preparava para cantar, encosta a boca ao microfone, leva de imediato um choque enorme nos lábios, e ao som de um gemido, dá um pulo para trás com um estrondo, como tivesse levado um coice de uma mula. Só ele sabe o que sentiu naquele momento, mas mesmo assim, desorientado, amarelo e a tremer, conseguiu tocar e cantar, mas sempre longe do microfone. Tudo isso em direto na rádio, imaginem na televisão, teria sido espetacular.

3-Num baile na esplanada do Sport Clube Praiense, Jorge Marques começa nas teclas a introdução de Dear Eloise dos Hollies, só que desta vez, fê-lo três tons acima do habitual. Quando o Luís abriu a boca para cantar, apercebe-se de que o tom era demasiado alto, era tarde demais, debitou um grito qualquer que o pôs em bicos de pés num gesto de esforço e pânico proporcionando uma risada geral. Uma coisa é certa, se o olhar do Luís matasse, o Jorge teria sido fulminado naquele instante.

E são estas, algumas das memórias que guardo para sempre do Poço da Areia, naquela casinha virada pró mar.

Luis Dores(*)
(*) Escrevi este texto há quase um ano a pedido da Maria Bettencourt para oferecer ao pai pelos anos num livrinho de memórias escrito por familiares e amigos. Com algumas alterações, hoje decidi partilhar com todos aqueles que tenham paciência em ler.

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 517 de 23 de março de 2018.