Jornal da Praia

PUB

DE FÉRIAS NA TERCEIRA: OS TOIROS DA AREIA

Segunda, 09 de Abril de 2018 em Opinião 167 visualizações Partilhar

DE FÉRIAS NA TERCEIRA: OS TOIROS DA AREIA

Logo que cheguei à Terceira com a minha gente, no dia 9 de Agosto, revimos o Programa das Festas da Praia da Vitória que indicava para o dia 13, às 18 horas: “Tourada à corda com a Ganadaria Ezequiel Rodrigues, Local: Areal da Praia Grande”. Os meus filhos disseram imediatamente: “não podemos perder este espectáculo!”, e começaram a recordar a tourada de 2000, quando foram lá de férias pela primeira vez; nesse ano viram a corrida no barco do amigo Francisco Ferraz da Rosa. Por unanimidade ficou, então, decidido que no dia 13 o programa seria irmos aos touros.

Sem nada lhes dizer, imediatamente comecei a pensar: onde vou colocar esta gente toda (com bebés eramos 13) para poderem ver a tourada em lugar seguro? Nos dias seguintes nunca mais parámos a visitar a Ilha e só na véspera dos toiros voltei à questão do palanque. Depois de colocar algumas hipóteses, fui ao Restaurante Bar Garça, mas um dos empregados logo me disse que seria muito difícil, porque havia pessoas que reservavam mesa de um ano para o outro; que telefonasse na manhã seguinte. Imaginei logo que não ia ter sorte.

Resolvi falar com os meus sobrinhos que tinham vindo do Canadá para as Festas, para ver se eles tinham uma ideia. O meu sobrinho Arlindo disse-me que iam aos toiros para casa de uns primos, que ia falar com eles. Explicou-me onde era: a casa encostada ao “Miradouro António Ázera”, um dos melhores sítios do arraial. Reagi dizendo que éramos muitos, que não queria incomodar. Para me convencer que valia a pena falar, explicou-me de quem era a casa. Não fui capaz de chegar lá; mais de 50 anos fora tem consequências: não somos capazes de recordar parentescos, nomes de amigos, etc., o que é muitas vezes mal interpretado por quem continuou a viver na terra. Quem regressa todos os anos vai seguindo os passos dos que são próximos, parentes e amigos; quem volta poucas vezes, vai ficando com imagens cada vez mais ténues na memória e, quando quer recordar pessoas, tem dificuldades. Foi o que me aconteceu. Mas o Arlindo disse-me que não me preocupasse, que ia falar. Algum tempo depois telefonou-me a dizer que contavam connosco.

À hora combinada, encontrámo-nos junto à casa onde íamos ver os touros e toquei a campainha. Quando a porta abriu, vi uma cara que logo reconheci: era o Fernando, que no meu tempo trabalhava no “Basílio Simões”, na Rua Serpa Pinto, filho do Eduardo Barcelos, mais conhecido pela alcunha da família: Eduardo Quilhabras. Quando eu era músico, quantas vezes o Fernando foi porta-estandarte da Filarmónica. Disse-lhe imediatamente: “é o Fernando, a sua cara não mudou!” Era! Foi logo um abraço caloroso. Subimos ao primeiro andar, ele apresentou-me a filha e o genro, os donos da casa, e conduziu-me ao terraço, foi buscar umas minis e celebrámos o nosso reencontro: não nos víamos há mais de 53 anos… Como o tempo passa! Logo me resumiu o seu percurso: terminado o serviço militar no Ultramar, tinha regressado aos Açores e entrado na Polícia; depois, como muitos outros praienses, tinha emigrado para o Canadá; para sublinhar a nossa proximidade disse que meu irmão Ramiro e os meus sobrinhos, também imigrantes no Canadá, tinham estado em casa dele. Da minha parte descrevi-lhe brevemente as minhas andanças e, de imediato, foi um relembrar estórias do nosso tempo de juventude.

Foi uma tarde bem passada. A primeira surpresa foi saber que uma estação de televisão canadiana estava no terraço, a transmitir em directo para o Canadá. No seu trabalho de reportagem, o operador filmou-nos, os meus sobrinhos e a mim. Pouco tempo depois uma das sobrinhas recebia um telefonema de alguém no Canadá a dizer que nos tinha visto. Como o mundo está mais pequeno, graças às novas tecnologias. Outra surpresa foi encontrar um irmão de um meu colega e amigo de escola e dos escuteiros que vive nos Estados Unidos, o Jorge Coelho, por quem perguntei; o irmão disse-me que estava de visita à Graciosa, de onde é natural a esposa. Há uma estória do pai do Jorge, o senhor Coelho, que nunca mais esqueci. O senhor era continental, tinha ido parar à Terceira com o Regimento de Infantaria 10, de Aveiro, durante a Segunda Guerra Mundial. Casou na Praia, com uma filha do senhor Almeida, que morava na esquina da Rua de Jesus com a Rua da Graça; foi chefe dos escuteiros e foi num acampamento que lhe ouvi a estória. Durante o serviço militar, o senhor Coelho entrou numa venda, no Cabo a Praia, e pediu dois escudos e meio da linguiça. Para grande espanto seu, o dono da venda sacou do metro, mediu não sei quantos centímetros de linguiça, cortou o pedaço, embrulhou-o e deu-lho. O senhor Coelho ficou estarrecido, nunca na vida tinha comprado chouriço a metro. Foi a magicar naquilo até à Praia e resolveu entrar numa venda e pedir ao dono para lhe pesar aquela linguiça e dizer-lhe quanto custava. O homem pesou e disse: custa dois escudos e meio!

Pouco depois da nossa chegada ao terraço, saiu o primeiro toiro. E lá tivemos as cenas do costume: correr na areia é difícil, mais para o homem do que para o toiro pois que, como ouvi uma vez a um pastor, o toiro “puxa a quatro”. Naquelas correrias, nem sempre as distâncias são bem medidas por parte dos capinhas, o que provoca situações de suspense; se a marrada não se concretiza, a gargalhada é geral; se a colhida acontece, percebe-se no ar a aflição, que logo desaparece quando o capinha recomeça a correr. Foi o que aconteceu; de vez em quando, lá vinha o “ai! ai! ai!...Escapou!” Ou a percepção da angústia pela colhida que, felizmente terminava com um brado de alívio ao ver o capinha de novo a fugir. Neste capítulo, tudo correu bem, ninguém se “pisou”, como se diz na Terceira. Como sempre acontece nos toiros na areia, tivemos capinhas em fato de banho no mar e outros vestidos com trajo de passeio que, a fugir em caso de aperto, tiveram que mergulhar para não apanharem uma marrada, motivando gargalhada geral da assistência.

Foi uma tarde bem passada, gostei. O arraial dos toiros da areia é diferente de todos os outros à volta da Ilha: a baía com a Marina e os barcos junto à praia, a muralha e a Avenida cheias de gente dão um enquadramento diferente, com um colorido muito especial. Há 17 anos que não via esta tourada, de que tenho recordações ainda de muito miúdo: ainda me lembro dos toiros virem a pé e de se improvisar um touril com chapas junto à muralha da Avenida; lembro-me de ver o António Patrício dentro do touril, a laçar os toiros com a ajuda de uma aguilhada, há, pelo menos 65 anos, e das barracas que as pessoas improvisavam ao longo da muralha.

Os meus gostaram de ver o arraial e, acima de tudo, do modo como foram recebidos em casa do genro do meu amigo Fernando. Como eu, devem ter chegado um pouco constrangidos; eramos um grupo grande e íamos ver toiros para casa de pessoas que não conheciam. Mas logo ficaram mais à vontade quando viram o grande abraço que dei ao Fernando, a prova provada da verdade da afirmação de Victor Rui Dores, no seu texto A ARTE DE SER TERCEIRENSE: “a Terceira […] é a hospitalidade da porta aberta e luz acesa - a casa aonde chego, vou abrindo e entrando: "Dão licença"? Resposta: “É entrar p’ra dentro” (https://www.youtube.com/watch?v=OaBar57DlSs&t=15s). Os meus nunca mais esquecerão o modo como, no intervalo da tourada, foram convidados a dirigirem-se à sala, para se servirem de comes e bebes, com aquela liberalidade que caracteriza os terceirenses; o modo próximo e largueza de coração com que os donos da casa insistiam para se servirem à vontade calou fundo nos meus filhos e noras. Os miúdos, por seu lado, acharam um piadão a tudo, ao ar de festa que se respirava no arraial e, em especial, na casa que nos recebeu. Gostaram imenso de tudo, até dos toiros. O meu neto Afonso, que tem agora três anos, quando vem cá a casa e ponho um vídeo do Youtube com toiros à corda, fala-me logo da tourada da Praia; ficou-lhe na memória. Em contrapartida, a minha nora Sofia, bailarina e professora de dança, não achou graça; dizia-me: “pobre do bicho, amarrado pelo pescoço!” Sou aficionado, não fosse terceirense, criado a ouvir desde o berço estórias de toiros, mas também tenho cá por casa alguns antitaurinos, o que não perturba nada a nossa convivência.

José Silveira de Brito

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 517 de 23 de março de 2018.