Jornal da Praia

PUB

"VOLTANDO À VACA FRIA" (I); A MODOS DE UMA INTRODUÇÃO… COMO FOSSE DE PROPÓSITO

Domingo, 08 de Abril de 2018 em Opinião 144 visualizações Partilhar

"VOLTANDO À VACA FRIA" (I); A MODOS DE UMA INTRODUÇÃO… COMO FOSSE DE PROPÓSITO

Sim! Não fosse de propósito, o Horóscopo de hoje (21 de Fev.) para Caranguejo, (meu signo) publicado no jornal Correio dos Açores pelo nosso amigo e astrólogo Luís Moniz rezando o seguinte “Explique bem as suas intenções para evitar mal-entendidos e, certos assuntos podem ser ultrapassados através da compreensão de todos os envolventes” veio o mesmo confirmar a minha intenção de hoje, iniciando o esquema previsto para a sequência do propósito do “Título” escolhido.

Assim, antes de desenvolver o mesmo nos prossupostos referidos na publicação do mote “Voltando à Vaca Fria”, penso fazer alguns considerando sobre o José Ventura pois é justo que os nossos leitores saibam do mesmo que, e de conformidade com quem alguns pensam da sua atitude, da sua maneira de escrever ou de agir é a de: (*) um revoltado, um “burro” teimoso”, um visionário, um fantasista, um septuagenário inexperiente defendendo de forma enganosa a independência dos Açores, conforme opinião de um senhor deputado da Assembleia Regional que para mim, é será sempre designada como Assembleia Legislativa dos Açores, local legislativo e de defesa dos interesses dos Açores e das suas gentes que muitos negam o “epiteto” de Povo. Enganados estão os que pensam assim.

Já afirmamos nessas páginas não ser politólogo licenciado, nem melhor nem pior do que qualquer cidadão interessado na defesa e no progresso da sua terra natal o que obriga a sermos honestos connosco e com os outros. Não vamos desenvolver nenhum currículo académico que não o temos ninguém o poderá negar que dentro das nossas actividades de cidadania não temos deixado por mãos alheias o que temos nos proposto defender. Exemplos é quantos o basta. Bebemos na nossa juventude, a Doutrina Social da Igreja com o ensinamento de grandes figuras, como Joseph Leo Cardijn, fundador da JOC, dos sacerdotes micaelenses assistentes do mesmo movimento a quem presto a minha homenagem, Padre António Almeida Maia, Padre Artur Botelho de Paiva, Padre Doutor Manuel António Pimentel assistente do Movimento dos Trabalhadores Cristãos, - Bruxelas. O exemplo de vida e acção de Carlos Bouchard, jovem “boxeur” belga que perante todas as adversidades na vida foi um exemplo de quem sempre lutou pela divisa de “combater o bom combate” ensinando-nos como criar um” perfil de lutador” Na Encíclica “Rerum Novarum de SS. Leão XIII” aprendemos a verdadeira condição dos operários. Começamos cedo temos a experiência que nos permite encarar os problemas relacionados com o trabalho, coisa diferente do “emprego” o sublinhado é propositado.

Questionando-nos, pois, do que podem alguns sobre as atitudes ou maneira de escrever ou agir apontados (*), respondemos assim: - Revoltado? Sim! Revoltado contra a injustiça mal aplicada, às respostas sociais devidas ás necessidades do “homem”, à subjugação dos povos e à falta de cumprimento das normas constitucionais e aceitação da Carta dos Direitos do Homem. “Um Burro Teimoso” quiçá, “Teimoso” pois de “Burro” no depreciativo pensamos não ser até porque o jumentinho foi escolhido por S. Francisco de Assis para uma das figuras principais do Presépio, talvez como exemplo da serenidade aparente e enquanto não escoucinhar. Um “visionário, um fantasista”? Não …um idealista, isso sim, no verdadeiro sentido da palavra.

Acredito. que poderemos acordar para a realidade que somos. Com maior peso na idade, não acreditamos em histórias que apelidamos de “carochinha” fantasiadas por intervenções mediáticas usando aquilo que a nós e só a nós povo açoriano nos é dado administrar. Não podemos, não queremos continuar a acreditar, em historietas centralizadoras (quer lá quer por cá) contadas por criaturas com um único olho, mitologicamente chamados de Ciclopes e que se inclinando numa vénia hipócrita, só olham para uma direcção. Para o seu umbigo.

José Ventura(*)
(*) Por opção, o autor não respeita o acordo ortográfico.

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 517 de 23 de março de 2018.