Jornal da Praia

PUB

POUCAS EXIGÊNCIAS E MUITO TRABALHO

Quinta, 05 de Abril de 2018 em Opinião 253 visualizações Partilhar

POUCAS EXIGÊNCIAS E MUITO TRABALHO

Enunciámos que o segundo equilíbrio necessário para limitarmos as situações de stress tem a ver com o ter poucas exigências, e muito para fazer. Registe-se para já que ter poucas exigências, não é uma tarefa fácil de cumprir, nomeadamente para todas aquelas que frequentemente aumentam a nossa ansiedade.

Seja exemplo o tipo de exigências que se revelam em forma de ´deves`, e de que se apresentam três exemplos (McMahon, 2005): (1) exigências acerca do eu – tenho sempre razão, ou devo ser sempre forte e capaz, porque…, caso contrário, sou um fraco ou até um falhado; (2) exigências acerca dos outros - devem-se comportar bem, ou, devem concordar comigo porque…, caso contrário é terrível, ou errei, e isso também é pavoroso; (3) exigências acerca do mundo - o mundo deverá ser um local seguro e correcto, ou devem tratar-me bem se trabalho muito e faço o melhor, porque…, de outra forma, não é justo.

O alívio desta sobrecarga de exigências passa, segundo o autor, por sermos capazes de nos desafiarmos, como se exemplifica: (a) considerar o impacto das exigências na própria pessoa e naquelas que nos cercam; (b) identificar como as exigências são activadas, ao nível dos pensamentos, sentimentos e comportamentos experimentados; (c) pensar como as exigências surgiram, e nas experiências de vida que as sustentam; (d) considerar as vantagens e desvantagens de as manter; (e) identificar uma forma mais apropriada de as reformular, de forma a as adaptar à vida que se leva no momento; e (f) pensar no que vai fazer para colocar em acção as novas exigências, as que aparecerem após estes raciocínios.

Enfim, as exigências que se põem às pessoas são de natureza diversa, e abrangem os mais variados campos, nomeadamente os profissionais, em que sobressaem as relações de trabalho, os conflitos de papéis, e outros que pela sua sobrecarga são susceptíveis de trazer complicações. Mas frequentemente o problema só aparece para alguns, ou em situações específicas, visto se pensarmos bem é fácil dominar toda esta problemática. Basta a pessoa se capacitar para ser capaz de fazer escolhas para atingir os seus objectivos, libertar-se do medo, da insegurança e da baixa auto-estima, centralizar-se nos aspectos positivos da vida e não nos negativos, e como vimos, usar a imaginação e a criatividade para se tornar uma pessoa inovadora.

Quanto a ter muito para fazer cabe referir que o trabalho é uma das maiores forças promotoras da saúde mental. Assim e de acordo com Davis (1989), Goethe (1749-1832) defendia no seu tempo que «o emprego era de natureza física e correspondia ao essencial para se alcançar a felicidade humana». E Freud (1856-1939) que «o trabalho do homem tinha mais efeito do que qualquer outra técnica de viver, na união estreita do indivíduo com a realidade, por estar fortemente ligado a uma sua parte, a comunidade».

Entretanto para assumir a veracidade destas afirmações, e o trabalho se poder traduzir na eficácia e promoção da saúde mental torna-se essencial, de acordo com as mesmas fontes, que a labuta seja significativa, desafiante e valorativa do esforço humano. Não pode ser exemplo de trabalho árduo o que aconteceu a alguém, que de acordo com Sherrin (2005), comentou: «o meu amigo trabalha muito dois dias por semana, e necessita de cinco dias de fim-de-semana, o que parece normal». Não, não é normal.

Normal é a pessoa deleitar-se com o trabalho. Isto verifica-se, fundamentalmente e de acordo com a mesma fonte, porque «há um sentido de alívio e de prazer em conseguir fazer as coisas, um tipo de satisfação não diferente do que goza uma galinha a pôr um ovo». Mas não se assuste caro leitor. Há sempre tempo para mudar a vida quando se quer. E existem outros tipos de equilíbrios a construir, quando se quer evitar o stress, como seja garantir esse equilíbrio entre tarefas demasiado fáceis, e tarefas demasiado difíceis.

Portanto, aplique-se na harmonia destes desempenhos, porque ainda de acordo com o citado pela mesma fonte: «um bom profissional é aquele que é capaz de executar tarefas que não lhe são queridas».

Aurélio Pamplona

Referências:
Davis, F. A. (1989). Taber´s cyclopedic medical Dictionary. Philadelphia: F. A. Davis. Company.
McMahon, G. (2005). No more anxiety! Be your own anxiety coach. London e New York: Karnac.
Sherrin, N. (2005). Oxford dictionary of humorous quotations. New York: Oxford University Press.

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 517 de 23 de março de 2018.