Jornal da Praia

PUB

RAMO GRANDE AZORES CUP: “NUNCA IMAGINEI ESTA DIMENSÃO E QUALIDADE”, AFIRMA HÉLIO ORMONDE, MENTOR DO TORNEIO

Quarta, 28 de Março de 2018 em Entrevista 96 visualizações Partilhar

RAMO GRANDE AZORES CUP: “NUNCA IMAGINEI ESTA DIMENSÃO E QUALIDADE”, AFIRMA HÉLIO ORMONDE, MENTOR DO TORNEIO

O Campo Manuel Linhares de Lima, na Vila das Lajes, acolhe desde ontem até domingo, o “X Ramo Grande Azores Cup”, competição internacional de futebol jovem, organizada pelo Juventude Desportivo Lajense.

Idealizada por Hélio Ormonde há 10 anos atrás, a prova veio a afirmar-se no panorama desportivo de torneios de Páscoa de futebol jovem, ganhando projeção regional, nacional e mais recentemente, internacional.

JP esteve à conversa com Hélio Ormonde, que nos falou do nascimento do torneio, dos clubes que por lá já passaram, do crescimento do torneio, bem como das instituições e pessoas que desde a primeira hora estiveram ao seu lado na materialização deste valioso projeto.

Jornal da Praia (JP) – Como surgiu o então denominado Torneio do Ramo Grande?

Hélio Ormonde (HO) – No início tinha a ideia de realizar um Torneio nas Lajes, tive a ajuda de 2 pessoas, os senhores Délio Meneses e Rui Martins, a direção liderada pelo presidente Libério Goulart aceitou o projeto e assim surgiu a 1ª edição do Torneio. Todavia, este Torneio só foi possível com o apoio da CM Praia da Vitória, na pessoa do Dr. Roberto Monteiro que sem a sua prestimosa ajuda e confiança no projeto, este teria ficado só na gaveta. A partir deste gesto de confiança do edil, outras instituições se juntaram a este projeto desde a sua 1ª edição, são elas Hotel Teresinha e a Promotora.

JP – Quais os objetivos deste torneio ao longo dos 10 anos de existência?

HO – O slogan deste clube é “Formação a nossa paixão”, por isso, a ideia surgiu para motivar e abrir novos horizontes aos nossos jovens atletas, proporcionando-lhes um fim-de-semana em que disputassem muitos jogos, trazendo à ilha equipas com realidades completamente diferentes mostrando-lhes comportamentos e atitudes que não eram muito comuns na altura.

Ao nível social, era criar um cartaz apelativo para que as pessoas tanto da ilha, como de outras ilhas, bem como do continente e até do estrangeiro visitassem a vila das Lajes e a Praia da Vitória.

JP – Pode-nos dizer quais as equipas, cabeça de cartaz que engalanaram este torneio ao longo dos 10 anos?

HO – No nosso torneio já no visitaram a Académica de Coimbra, duas vezes, a Escola do SL Benfica de Braga, o Sporting Clube de Portugal (a melhor equipa que passou neste torneio), por duas vezes, o Futebol Clube do Porto (que este ano volta pela 2ª vez), o Sport Lisboa e Benfica, por duas vezes, o Clube Futebol “Os Belenenses”, o Clube de Atlético de Madrid, a Escola Carlos Queiroz, O Cesarense, e este ano para além, do já citado FCP, vêm o Vitória Sport Clube e Sporting Clube de Braga (2 clubes de grande rivalidade no Norte do País, e duas equipas da diáspora nos Estados Unidos (realce para o sr. José Gravito que ajudou a realizar esta vinda das equipas norte-americanas à ilha Terceira); para além destes cabeças de cartaz, quero realçar todos os clubes da ilha que sempre manifestaram vontade de ajudar e participar no nosso torneio, sem eles este torneio não teria a visibilidade que tem neste momento e ainda outras equipas do restante arquipélago, pois, já nos visitaram clubes da ilha de S. Miguel, Pico, Faial, S. Jorge e Graciosa.

JP – Qual a razão para a alteração do nome do Torneio de “Torneio do Ramo Grande” para “Torneio do Ramo Grande - Azores Cup”?

HO – A razão inicial era divulgar a nossa zona concelhia, uma vez que a vila das Lajes se insere no Ramo Grande, no concelho da Praia da Vitória, então adotámos a denominação de Torneio do Ramo Grande, mas felizmente com o crescimento e divulgação do nosso torneio, pensámos que acrescentar Azores Cup seria benéfico para expandir e divulgar duma forma mais clara a nossa Região.

JP – Quais as expectativas para a décima edição do Torneio do Ramo Grande – Azores Cup?

HO – Este ano houve alterações no calendário para poder ter mais competitividade entre todas as equipas, fazendo com que os nossos jovens atletas possam evoluir mais no seu processo formativo, pois notámos que estava a existir um desnível acentuado, surgindo grandes goleadas na fase de grupos, algo que não beneficia a ideal formação dos jovens atletas, então decidimos, aumentar o número de grupos para que, desta forma, as equipas ficassem em grupos mais reduzidos e assim reduzir o encontro com equipas mais fortes que dariam resultados mais desnivelados. Este ano, o Torneio atingindo a décima edição, a direção na pessoa do seu presidente David Cota, expandiu o Torneio para outros patamares, associando-se à Direção Regional de Saúde proporcionando rastreios à Obesidade Infantil e alertas para o risco da Toxicodependência e a realização da Festa dos Trintões, no sábado. Este ano, voltámos a introduzir a imagem do padrinho do Torneio, sendo que anteriormente já o foram o Vítor Paneira e o Carlos Pereira, que será o ex-guarda redes da seleção nacional Neno, atualmente diretor do Vitória Sport Clube.

JP – Durante o Torneio são realizadas Ações de Formação, o que vos levou a realizá-las e quem será o preletor deste ano?

HO – A ideia destas Ações de Formação foi trazer novos conhecimentos, métodos de trabalho, organização a todos aqueles que querem presenciar e aumentar os seus conhecimentos, pois estas ações de formação são para todos aqueles que queiram participar, pois pensamos que só poderá haver evolução se todos evoluirmos, e quanto mais conhecimento houver da parte de todos, mais condições existem para a evolução. Uma vez que na nossa ilha há quem não participe nestas ações porque julga que já sabe tudo, ou então, nos seus clubes fazem ações de formação internas parecendo que só os seus podem saber mais do que os outros.

JP – Quais são os grandes apoios institucionais para a realização deste Torneio?

HO – Sem dúvidas que a Câmara Municipal da Praia da Vitória é um suporte fundamental, sem esta estrutura seria impossível a realização deste Torneio com esta dimensão, e quando falo em apoio, não me refiro à parte monetária, mas sim à parte organizacional (espaço físico, campo, tendas, autocarros, entre outras infra-estruturas) que durante o período do Torneio se disponibiliza para nos ajudar. A Junta de Freguesia da vila das Lajes que sempre nos apoiou. A Direção Regional de Turismo, a Direção Regional das Comunidades, a Direção Regional da Saúde, a Direção Regional das Toxicodependências, a Direção Regional da Juventude, a Direção Regional do Desporto (na minha humilde opinião, esta Direção Regional não nos apoia da maneira devida, pois não valoriza este Torneio e esta estrutura com o trabalho realizado até agora, ao contrário de outros em que o apoio é substancialmente mais elevado).

A nível empresarial quero salientar, novamente, as 2 empresas que sempre estiveram presentes no nosso Torneio, o Hotel Teresinha e a Promotora, e muitas outras empresas que se foram juntando ao torneio ao longo dos anos, e este ano, quero salientar a parceira com a Azores Airlines que proporcionará uma maior dinâmica e organização na realização do Torneio.

JP – Sendo o Hélio Ormonde o sonhador deste Torneio, que avaliação faz do desenrolar destas 10 edições?

HO – Quando tive este sonho, nunca pensei chegar a este tipo de Torneio, com esta qualidade e dimensão, pois neste momento este Torneio tem uma visibilidade e divulgação enorme, seja na Ilha, na Região e mesmo no nosso país e estrangeiro, quero realçar que sem o apoio e acreditar de todas as direções do JD Lajense, não seria possível chegar a este patamar, este torneio envolve uma organização muito grande onde todos são fundamentais, e eu sou apenas mais um a ajudar para este grande sonho. Este Torneio foi crescendo sustentadamente, devagarinho, sempre com os pés assentes no chão e de forma que os jovens atletas vivessem uma experiência inesquecível, bem como proporcionar ao JD Lajense uma divulgação ímpar e aliando o seu slogan “Formação a nossa Paixão”. Para terminar, quero salientar alguém que fica sempre na sombra, mas que tem um papel fundamental no JD Lajense, principalmente, na formação com a elaboração do projeto de formação do clube, bem como nos princípios e objetivos deste Torneio que tanto sucesso tem tido, o professor Rui Martins que é uma das almas deste clube e que merece ser destacado pelo seu trabalho.

LS/JP

NE: Entrevista publicada na edição impressa n.º 494 de 14 de abril de 2017.