Jornal da Praia

PUB

MUNDO VIRTUAL: OS SEUS DEFEITOS

Segunda, 12 de Março de 2018 em Opinião 166 visualizações Partilhar

MUNDO VIRTUAL: OS SEUS DEFEITOS

O mundo virtual é hoje hegemónico, na construção de amizades, no debate de ideias ou nos mexericos. O mundo virtual, as redes sociais nomeadamente, é o novo espaço público. Acarreta benefícios e aspetos negativos, que todos nós devemos ter atenção.

Hoje ter um conjunto de amigos de 1000 pessoas numa rede social é critério para definir o grau de sociabilidade de uma pessoa, e ver, assim, que é socialmente conhecida no mundo real. Como se esse conjunto de amigos fossem todos eles conhecidos no real, e fossem objeto de um cumprimento ou de palavras trocadas, quando vistos na rua. Hoje definimos as pessoas, consoante os gostos que têm, as fotos que publicam e as discussões que realizam. Acho muito proveitoso que o mundo virtual seja um novo espaço de discussão de ideias, o que facilita grandemente a difusão de conhecimento. Porém, acaba-se por cair na tentação de ultrapassar os limites dessa discussão sã. Vemos indivíduos a resguardarem-se num comentário grosseiro, e na distância física do outro, por meio de um computador, onde usam e abusam da liberdade de expressão, sem pensarem que essa é uma atitude medonha. Gente que é, aliás, capaz de injuriar e apostar em comentários duros, nesse mundo virtual, e depois na rua, passar pela pessoa e perguntar como está a família, depois de um sorriso forçado. É esse comportamento de falsidade e hipocrisia que todos temos a tentação de cair. Agora até existem smiles para mostrar emoções sobre uma publicação. O que facilita a vida daquele que não quer sentir no real. É capaz de meter o smile do choro numa notícia onde existem vítimas de violência doméstica, e logo depois, um smile de riso, em sinal de escárnio, na foto da gordinha da turma. O viver no virtual condiciona-nos a capacidade de sentir e de lidar com as emoções. Tornamo-nos cativos da velocidade dos acontecimentos e das emoções a que nos obrigam. E parece que já nem humanos somos.

Vemos pessoas que se apropriam dessas redes sociais, com a tentação de mexericar a vida alheia. Perceber o que a outra fez, onde foi, o que vestiu, o que comeu, o que bebeu, com quem namora, com quem se dá. Um controlo desmedido. Inútil e estúpido. Depois parece que, nos tornamos presas das pessoas. Parece que por estarmos a fazer algo ou por estarmos em algum lugar, seria obrigatório que as pessoas que nos veem pelas redes sociais, também tivessem sabido que íamos fazer aquilo ou íamos estar naquele lugar, àquela hora.

Há quem não perceba que as amizades não se medem pela duração de conversa num chat ou pela publicação de mais ou menos fotos com o amigo. É tão mesquinho, que de sentido não tem nenhum.

Mas as redes sociais acabam por ser um bom objeto de estudo para a sociologia. As pessoas ficam mais invejosas quando olham para o vestido novo da amiga ou quando vislumbram que esta está de férias no outro lado do mundo. E o vício comum das pessoas passou a ser a obrigação de mostrar ao outro o que tem, o que fez, onde está. Mas isso já está tão estabelecido, já é tão natural, que ninguém sai sem culpas no cartório. Feliz daquele que sabe que está dentro do problema e o diz. E bêbedo do erro, que sou também, mas ciente. Há quem não seja...

As redes socais têm o lado quase já obrigatório! Quase ninguém pode passar sem uma conta no Facebook. Nem que seja para acompanhamento da informação, como plataforma onde se contactam as pessoas, até mesmo no trabalho, ou para se fazer publicidade de eventos. Nem que seja para difusão de conhecimento ou publicação de opinião. O que é de salutar.

É essa dupla face que o mundo virtual assume. Somos nós, os consumidores e participantes, desse novo tipo de sociedade, que devemos recuperar um pouco da humanidade comportamental, que nos fugiu, por desígnio dos tempos.

Emanuel Areias