Jornal da Praia

PUB

O POTENCIAL ESQUECIDO E AGORA LEMBRADO

Terça, 13 de Março de 2018 em Opinião 291 visualizações Partilhar

O POTENCIAL ESQUECIDO E AGORA LEMBRADO

Quem esteve atento à comunicação social açoriana nos últimos dias, percebe que os nossos políticos perceberam que o turismo cultural tem potencial na região. Finalmente, os decisores políticos acreditam que através da valorização do património, da História e das tradições locais, se pode despertar o interesse dos turistas. Diria que, antes de mais, as nossas tradições e o nosso património deviam ser uma prioridade sempre, e não apenas agora, porque se vê no turismo uma oportunidade de lucro imediato.

Os Açores têm de facto um potencial incrível para o turismo cultural. No meu entendimento, e focando-me na questão histórico-cultural, há no arquipélago potencialidades excelentes, neste âmbito, para que sejamos um destino turístico reconhecido. A cultura açoriana merece ser conhecida, a História dos Açores merece ser reconhecida.

É fundamental conhecer para proteger, e só depois, promover. Não podemos querer apenas usufruir dos méritos da nova galinha dos ovos-de-ouro, sem antes perceber que a nossa função é, em primeiro lugar, e no que concerne ao turismo histórico-cultural, proteger o que é nosso.

As nossas igrejas ou monumentos para serem vistos e visitados devem ser, antes de mais, preservados, conservados e recuperados. A nossa História precisa ser conhecida, de maneira a que saibamos transmitir ao turista o que somos, de onde viemos e o que nos define. O turismo histórico-cultural tem em si a prioridade máxima de valorizar a História Local. Julgo que seria ideal criar Gabinetes de História e Património nas Câmaras Municipais, de modo a conhecer e a divulgar a nossa História, património arqueológico e tradições.

Só pela diferenciação do património cultural e pela existência de uma cultura própria, abarcando não só os monumentos e os sítios históricos e a História local, mas também as tradições, as festividades, a gastronomia e os costumes locais, é que se consegue criar um produto de qualidade. A região tem condições para possuir um produto de qualidade e atrativo.

Temos potencialidades para outras dimensões do turismo cultural, que estão em consonância com a parte histórica, nomeadamente o turismo militar, a valorização do património baleeiro, da literatura ilhéu, do artesanato ou o enoturismo.

Importa, contudo, ter em conta que não devemos abdicar da naturalidade das nossas tradições só para que seja aprazível a quem nos visita.

Emanuel Areias