Jornal da Praia

PUB

HUMANIDADE, ONDE ESTÁS?

Quinta, 08 de Março de 2018 em Opinião 339 visualizações Partilhar

HUMANIDADE, ONDE ESTÁS?

A morte saiu a rua num dia assim, dizem. Mas o lugar onde a morte se delicia do peito despedaçado de quantos amontoa, tem nome e chama-se Síria. Confortavelmente fechamos os olhos. A Síria e aquela da Estrada de Damasco, onde a civilização brilhou e onde poetas cantaram jardins perfumados.

Atualmente, parte da comunidade internacional assiste indiferente, enquanto Estados, verdadeiros predadores dos Direitos Humanos, se engalfinham para destruir uma nação.

E é aqui que mais uma vez se confirma que o valor da vida vale pouco, quando se trata de manter posições estratégicas, que justificam o estatuto de potência mundial.

O envolvimento da Rússia na Síria tem claramente um objetivo estratégico: a Base Naval de Tartus, uma das poucas bases em mares quentes a que os Russos têm acesso.

Desengane-se quem pense que o aliviar da situação em Goutha tem a ver com os confusos meandros políticos locais. A Rússia escolheu aliados e Bashar All-Hassad é o fantoche de serviço que protege os interesses Russos, esmagando a resistência que Goutha vinha oferecendo.

Mas a culpa não vive solteira nesta massacrada terra. A Turquia aproveita a desgraça da vizinha Síria e apronta-se e “limpar” a zona fronteiriça da presença dos Curdos, entrando militarmente pela Síria adentro.

Habituamo-nos nos últimos anos a assistir em silêncio a limpezas étnicas. Portanto, uma mais em curso não parece impressionar os supostos defensores dos Direitos Humanos.

A invasão de um Estado soberano (ou o que dele resta) pela Turquia, membro da Nato, não motivou grandes protestos nas chancelarias Ocidentais. Entretanto, mantemos este jogo de sombras de apreciar a pretensão Turca de se tornar membro da União Europeia - a autoproclamada defensora dos Direitos Humanos.

Porventura, julgamos que o que se passa na distante Síria é-nos indiferente. Erro fatal, a vários níveis. Os milhões que fogem da Síria rumam às costas grega e italiana - situação ideal para uma direita xenófoba e ávida de explorar preconceitos, visíveis no resultado eleitoral recém-verificado em Itália. Cresce o fantasma do populismo e dos extremismos fascistas na Europa e a Síria é o combustível ideal para a extrema-direita.

A verdade é que no devido tempo as legítimas instâncias internacionais, como a ONU, falharam ao povo Sírio e lançaram-no na arena internacional, pasto guloso das grandes potências.

Os Estados Unidos da América, tão preocupados com os Direitos Humanos, tentam desviar atenções, ignorando o massacre. E assim, vamos vivendo, esquecendo que a crise Síria nos desabou em cima e que pagaremos caro pela vergonhosa inação.

Alexandra Manes