Jornal da Praia

PUB

SEGURANÇA

Domingo, 04 de Março de 2018 em Opinião 177 visualizações Partilhar

SEGURANÇA

Referimos no último Cantinho que o primeiro equilíbrio a destacar para limitarmos as situações de stress se posiciona entre o lugar seguro e ter alguma insegurança. Isto pode-se facilmente compreender através de alguns exemplos. Vejamos: ameaças e delitos contra a segurança pública acontecem. Como nos dá conta o site Conceitos.com, sequestros, crimes, extorsões e diversas formas de violência são realidades que podem ameaçar a segurança pessoal de cada um, não obstante a sua frequência ser muito variável e estar dependente dos mais diversos factores. Enquanto a segurança tem a ver com a protecção de algo, como bens próprios e os diversos aspectos da vida, a insegurança consiste na ausência de segurança, e na falta de meios e mecanismos para garantir aquela.

Tudo aquilo que põe em perigo a segurança de alguém provoca uma sensação de insegurança. E dificilmente existem garantias que permitam enfrentar a vida com toda a tranquilidade, visto ser impossível ter tudo sob controlo. Isto faz lembrar a anedota de autor desconhecido (2017), do bêbado que perde o carro e que, para se sentir mais seguro bebe uns copos, e quando se encontrava cambaleando no estacionamento, a experimentar a ponta da chave nos carros o segurança interrogou-o sobre o que se passava, ao que respondeu que havia perdido o carro. Então o segurança perguntou-lhe novamente onde o vira pela última vez, ao que o nosso bêbado, retrucou: «aqui mesmo, na pontinha desta chave».

Beber uns copos não é melhor solução para alguém se sentir seguro. E gera situações em que a própria pessoa não pode fazer nada para a sua segurança. Seja exemplo o caso daquela professora, com dezenas de anos de serviço, que é ultrapassada por colegas que nunca leccionaram, mas que recebem a 1ª prioridade por terem sido bolseiros da própria Região. De acordo com a sua narração, o resultado é «a circunstância bizarra de indivíduos com uma única formação profissional ultrapassarem outros, que a acumulam com outra de distinto grupo de recrutamento, penalizando-se assim professores mais graduados, pelo facto ridículo e anacrónico de terem excesso de formação». Enfim, isto diz respeito ao que se poderia chamar de insegurança profissional.

E que dizer da segurança daqueles que vivem onde circulam boatos da que a sua água possui poluentes que podem ter um impacto negativo na saúde, mas que desconhecem até que ponto, por falta de informação ou monitorização continuada. Enfim, para além da área profissional e ambiental, as pessoas podem-se sentir inseguras em outras dimensões práticas, como a financeira, a física, a social, a interpessoal, e a emocional ou mental.

Mas ainda de acordo com Andrade (2017), existe um nível mais profundo de insegurança, e que diz respeito ao que se poderia chamar de insegurança existencial, de que é exemplo quem revela falta de sentido da vida, vazio, ou até culpa por tudo e por nada. A solução aqui passa por a pessoa encontrar uma resposta construtiva para a situação causadora da insegurança.

Uma coisa é certa: a segurança absoluta não existe. E uma certa dose de insegurança, até ao ponto que permita um equilíbrio com a segurança, é também necessária, como se disse, para se estar em condições e ser capaz de enfrentar o stress. Embora a sensação de insegurança possa causar incómodos, incertezas, medos e até mal-estar, ela tem frequentemente utilidade, na medida em que nos permite activar um estado de alerta para defrontar as indefinições e as incógnitas que nos rodeiam.

Isto não quer dizer que não precisamos de aprender a lidar com as sensações desagradáveis e incómodas que resultam dos estados inseguros. A tendência para se tomar medidas para garantir a protecção de algo, e em diversos aspectos da vida, como alimentação, trabalho, abrigo e bens próprios é louvável, mas não chega. É necessária também a nossa contribuição, para que haja garantias e actividades como as forças armadas, a polícia, o sistema judiciário, a vigilância ambiental, e todos os demais sistemas de prevenção de riscos, de forma a enfrentarmos a vida com mais tranquilidade.

Aurélio Pamplona

Referências
Andrade, F. (2017). Salvado em 12 Jan. de Fonte: Oficina de Psicologia. Tema: Ansiedade Existencial. Website: http://oficinadepsicologia.blogs.sapo.pt/84119        \html.
Autor desconhecido (2017). Bêbado perde carro. Salvado em 14 Jul. Fonte: Anedota do dia. Tema: Piadas sobre segurança. Website: http://www.anedotadodia .net/piadas/segurança.

NE: Texto publicado na edição impressa n.º 515 de 16 de fevereiro de 2018