Jornal da Praia

PUB

Corrupção

Sexta, 02 de Março de 2018 em Editorial 213 visualizações Partilhar

Corrupção

Infelizmente não há apenas corrupção a nível da política e dos políticos, mas também existe corrupção que corrói outros sectores da sociedade e das actividades humanas.

Existe corrupção nas empresas, nas agremiações desportivas, nas associações, nas cooperativas, no âmbito religioso, enfim, as máfias estão imparáveis e é urgente controlar esta caótica situação, que se transformou numa verdadeira chaga social.

A corrupção é a peste do século XXI, e teima permanecer imune às poucas e eficazes medidas utilizadas na luta contra o seu combate, torna-se cada vez mais grave, causa prejuízos maléficos à sociedade, às pessoas, principalmente às mais débeis e vulneráveis.

A corrupção põe em causa a liberdade e a democracia, este fenómeno sempre existiu com maior ou menor intensidade ao longo dos tempos, mas hoje mais do que nunca felizmente toma-se consciência dele a nível regional, nacional, mas também internacional.

Só o abandono de “práticas corruptas pode gerar desenvolvimento e bem-estar; devem incentivar os comportamentos honestos e castigar os desonestos.”

Os mídia bombardeiam-nos vertiginosamente no dia-a-dia com inúmeros e graves casos de corrupção, certamente que estas denúncias são positivas no sentido de se estabelecer uma cruzada contra a corrupção, sensibilizando a opinião publica “a identificar passos concretos que possam eventualmente ajudar a chegar a políticas que previnam a corrupção”, a fim de não se prejudicar mais o progresso das regiões e do país.

Sabemos que entre a inveja e a ambição pelos lugares públicos, não há virtude, nem amizade segura, o combate à corrupção não se conquista com a força e a violência, conquista-se com a justiça cujo fiel da balança é a espada, para se pôr termo que a política continue a ser o estrume ideal para a corrupção.

As organizações públicas e privadas, as religiões e os governos têm de levar a sério a batalha contra a corrupção pela felicidade progressiva e a sustentabilidade social, detendo e entendendo a corrupção para que a possamos bloquear.

O Diretor
Sebastião Lima
diretor@jornaldapraia.com